Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A outra batalha de Bannockburn sobre a realidade de Israel racista

Uma manifestante levanta sua mão, pintada com as cores da bandeira palestina em 30 de julho de 2021. [Ahmad Gharabli /AFP/Getty Images]

O local da batalha mais histórica da Escócia está no centro de uma guerra de palavras depois que um ensaio de uma estudante destacou as injustiças enfrentadas pelos palestinos no século 21. Suas palavras foram usadas em uma exposição chamada General Change: Participação dos jovens em protestos, na qual ela escreveu um ensaio sobre como Israel havia “expulsado à força as comunidades árabes de suas casas” e acusou o estado sionista de “discriminação institucionalizada” contra os palestinos que viviam dentro de Israel. Nem refugiados nem pessoas deslocadas, esses palestinos são cidadãos israelenses. E eles realmente enfrentam uma infinidade de leis discriminatórias promulgadas pelo parlamento do país, o Knesset.

Os sionistas, incluindo um membro do Parlamento escocês (MSP, em inglês), acusaram o Centro de Visitantes Bannockburn em Stirling de exibir conteúdo anti-semita, forçando o Trust Nacional pela Escócia (National Trust for Scotland, em inglês) a retirar o ensaio e emitir um pedido de desculpas. A fila fez manchetes na mídia local, bem como em jornais comunitários judeus. No entanto, críticos irados do NTS, incluindo alguns de seus 300.000 membros, revidaram ao apontar que a menina estava, de fato, simplesmente dizendo a verdade. A discriminação institucionalizada é a realidade de Israel racista, que tem sido descrita como um estado do apartheid pela B’Tselem e pela Human Rights Watch.

A exposição foi encenada para ilustrar o envolvimento dos jovens nos movimentos de protesto contemporâneos e incluiu pontos de vista em apoio à Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) e à campanha ambiental global Extinction Rebellion (Rebelião da Extinção). Somente as palavras e imagens relacionadas à Palestina ocupada foram retiradas, porém, provocando acusações de censura pesada por parte da caridade, que cuida de casas antigas, campos de batalha, castelos, litorais, ilhas e cadeias montanhosas na Escócia.

Organizado pela Young Scotland, um grupo de caridade e ação comunitária para crianças de 11 a 26 anos, o Centro de Visitantes Bannockburn foi escolhido para receber a exposição das crianças em idade escolar que examinou o tema do protesto. Foi em Bannockburn, em 1314, que a batalha mais célebre da história escocesa ajudou a estabelecer Robert the Bruce como Rei de facto da Escócia; durante séculos desde então, ela tem sido comemorada em livros, canções, poesias e pinturas.

Mick Napier, um co-fundador da Campanha de Solidariedade da Palestina Escocesa, disse que ele e seu grupo estavam indignados com a decisão da NTS. “Não é exatamente a censura, estamos acostumados a isso”. É que uma exposição no Bannockburn encorajou os jovens a escrever sobre seus protestos em geral. Algumas crianças escreveram sobre as mudanças climáticas, outras sobre o racismo e as vidas negras, o que é claro, e uma delas escreveu sobre a Palestina”.

Napier salientou que o ensaio em questão era “palavra perfeita”, mas, como resultado, havia ofendido os sionistas na Escócia “que sabemos estarem ligados à Embaixada de Israel”. Ele disse que os reclamantes instaram a NTS a retirar o ensaio e as imagens da exposição geral, o que foi um ato de censura “inaceitável” e “vergonhosa”.

LEIA: O exército israelense algum dia vai parar de matar palestinos?

“Emily escreveu que os palestinos haviam sido expulsos de suas casas e terras em 1948 e os palestinos que vivem hoje em Israel sofrem de discriminação institucional. Ambas as descrições são incontroversas e incontestáveis”.

O presidente do SPSC, Eurig Scandrett, escreveu ao Professor Philip Long, Chefe Executivo do NTS, exigindo uma explicação e pedindo uma revisão da decisão de remover a seção palestina da exposição. “Se os relatórios forem precisos”, escreveu ele, “então parece que o NTS sucumbiu à pressão, não simplesmente de membros da comunidade judaica, mas de grupos que procuram justificar os abusos dos direitos humanos do Estado israelense”.

Scandrett disse ao NTS que os membros do SPSC incluíam “críticos judeus de Israel e palestinos na Escócia, muitos dos quais são refugiados das bem documentadas expulsões forçadas e da discriminação institucionalizada aparentemente referenciada na exposição”. Ele acrescentou que os abusos dos direitos humanos do Estado de Israel contra os palestinos dizem respeito, com razão, a muitos jovens que têm participado de protestos na Escócia. “Isto acontece especialmente após os recentes despejos de famílias palestinas em Jerusalém Oriental ocupada e a violência contra a população da Faixa de Gaza sob um bloqueio ilegal [liderado por Israel]”.

A resposta do professor Long incluiu a confirmação de que foram recebidas queixas de “membros do público e de um MSP, todos os quais expressaram a preocupação de que a exibição em questão fornecida pelos jovens envolvidos não oferecia uma perspectiva equilibrada. Com base nisso, foi decidido fechar a exposição alguns dias antes da data final prevista de 31 de agosto”. O SPSC não está impressionado. Ele diz que está escrevendo outra carta para o Chefe do Executivo da NTS.

A última batalha em Bannockburn está longe de ter terminado. Setecentos anos depois da batalha original, quando Robert the Bruce derrotou os opressivos ocupantes ingleses sob o Rei Edward II na primeira guerra da independência escocesa, o local está no centro de outra guerra sobre uma ocupação brutal e tirania, desta vez na Palestina. O governo dominado pelos ingleses em Westminster também desempenha um papel importante nessa guerra.

LEIA: Colunista do Times sugere que juventude trabalhista apoia um ‘segundo Holocausto’ ao criticar Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments