Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Turquia exorta Grécia a acabar com a pressão contra muftis eleitos na Trácia Ocidenta

Ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu em 14 de agosto de 2021 [Cem Özdel/Agência Anadolu]

A Grécia deve pôr fim às suas práticas intervencionistas e políticas de pressão contra os líderes religiosos muçulmanos eleitos pela minoria turca na Trácia Ocidental, disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia no sábado, relatou a Agência Anadolu.

A declaração de Mevlut Cavusoglu veio no Twitter depois que Ibrahim Serif, presidente do Conselho Consultivo da Minoria Turca da Trácia Ocidental e eleito mufti de Komotini, compartilhou uma postagem no Twitter dizendo que ele seria levado a julgamento por suposta “usurpação de cargo” durante uma cerimônia religiosa que ele frequentou há cinco anos.

Desprezando a recente decisão do tribunal grego, Cavusoglu disse: “Apoiamos nossos parentes na proteção de seus direitos decorrentes do Tratado de Lausanne e das liberdades religiosas”.

Com séculos de existência, uma população de 150.000 turcos muçulmanos vive na área de Xanthi (Iskece), na região da Trácia Ocidental da Grécia.

A eleição de muftis, ou clérigos islâmicos, pelos muçulmanos na Grécia é regulamentada pelo Tratado de Atenas de 1913, um pacto do Império Grego-Otomano que foi implementado por Atenas em 1920.

LEIA: Turquia descreve políticas ‘expansionistas’ da Grécia como ‘irracionais’

Mas em 1991, em violação ao direito internacional, a Grécia anulou sua lei sobre o tratado de 1913 e ilegalmente começou a nomear muftis.

Os muftis nomeados pelo estado grego usurparam desde então os direitos de jurisdição dos muçulmanos locais em questões de família e herança.

A maioria dos turcos muçulmanos na Trácia Ocidental não reconhece muftis nomeados pelo estado grego e, em vez disso, elege corretamente seus próprios muftis.

No entanto, desde 1991, o Estado grego se recusou a reconhecer os muftis eleitos, e as autoridades até mesmo colocaram clérigos em julgamento.

A Turquia há muito tempo denuncia as violações gregas dos direitos de sua minoria muçulmana e turca, desde o fechamento e a queda de mesquitas históricas até a recusa em permitir que grupos locais usem “turco” em seu nome.

Essas medidas violam o Tratado de Lausanne de 1923, bem como os vereditos do Tribunal Europeu de Direitos Humanos, tornando a Grécia um Estado que desrespeita a lei, dizem as autoridades turcas.

Categorias
Europa & RússiaGréciaNotíciaTurquia
Show Comments
Show Comments