Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O encontro entre Abbas e Gantz foi vergonhoso

O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz (esq.), e Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina

Por que alguém ficou surpreso quando Mahmoud Abbas, o chefe da “sagrada” colaboração de segurança da Autoridade Palestina, se encontrou com o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz? Afinal, o ponto principal é que a lealdade de Abbas está com Israel, não com o povo da Palestina. Ele não anunciou com orgulho que se encontra mensalmente com o chefe do serviço de segurança doméstica israelense, Shin Bet, e que sua coordenação com a agência é 99 por cento bem-sucedida?

É bem-sucedido porque os serviços de segurança da AP perseguem os heroicos combatentes da resistência, os prendem e os trancam em suas prisões. Ele informa os serviços de segurança sobre o paradeiro daqueles que são procurados pelas autoridades de ocupação, então por que alguém se surpreenderia quando ele incita o inimigo israelense contra seus companheiros palestinos, principalmente dentro do Movimento de Resistência Islâmica, Hamas, para eliminá-lo? Isso foi deixado claro por um oficial israelense após a ofensiva de maio. Espera-se, portanto, que Abbas e Gantz se encontrem para conspirar contra o Hamas e o povo palestino como um todo. Não há dúvida de que esta não é a primeira vez que se encontram, nem será a última; é apenas a primeira vez que eles anunciam detalhes do encontro vergonhoso, o que deve ser adicionado ao histórico sombrio de Abbas.

LEIA: Premiê de Israel pune Gantz por reunir-se com Autoridade Palestina

Ele reclamou para o mundo que Benjamin Netanyahu se recusou a se encontrar com ele quando ele era primeiro-ministro. O sucessor de Netanyahu é ainda mais de direita e extremista, mas Abbas não tem problemas em encontrar alguém menos graduado do que ele para confirmar sua lealdade a Israel, bem como sua vontade de continuar a coordenação de segurança. Abbas compreende que a sua vida está ligada a essa coordenação vergonhosa e que, sem ela, desaparecerá na obscuridade, até porque há outros à espera para se colocarem no seu lugar e desempenharem esse papel vergonhoso. O mais provável deles é o agente de Israel que vive e é apoiado pelos Emirados Árabes, o rival de Abbas, Mohammad Dahlan. É por isso que Abbas quer bloquear seu progresso fazendo mais concessões aos israelenses, mesmo que às custas dos palestinos e de sua causa, que foi descarrilada em seus 20 anos no poder.

Como de costume, após o encontro com Abbas, os israelenses fazem declarações que o envergonham e expõem sua traição. O primeiro-ministro, Naftali Bennett, expressou sua desaprovação pelo que Gantz fez. Um funcionário próximo a Bennett apontou que “não há processo diplomático com os palestinos, nem haverá”. Segundo o responsável, as questões de segurança discutidas com Gantz eram rotineiras, afirmação que reduziu a importância e o propósito do encontro de Abbas.

O chefe do departamento político/de segurança do Ministério da Defesa israelense, major-general da reserva Amos Gilad, também destacou que a AP faz parte do sistema de segurança israelense. Gilad descreveu a cooperação entre AP e Israel como um tesouro estratégico, dados os serviços prestados ao estado de ocupação que ajudam a prevenir seu colapso econômico.

A reunião Abbas-Gantz foi aparentemente apoiada por Yair Lapid, o ministro das Relações Exteriores e o segundo pilar do governo de coalizão. Ele insistiu que certamente tinha a aprovação do governo. Essas posições contraditórias refletem a distribuição de papéis, já que Bennett representa as visões da extrema direita, enquanto Gantz e Lapid representam outros partidos da coalizão.

LEIA: Israel aprova 5.000 pedidos de unificação familiar para palestinos

O que ficou claro é que essa reunião foi realizada para enviar uma mensagem ao Cairo durante a reunião a qual Abbas compareceu com o presidente egípcio e o rei da Jordânia, à qual Bennett foi convidado, mas optou por não participar para não se encontrar com Abbas. O primeiro-ministro israelense está comprometido com o ódio aos palestinos e não reconhece a AP, mesmo como uma autoridade ligada aos serviços de segurança israelenses e sob suas ordens.

As declarações oficiais egípcias, jordanianas e palestinas emitidas após a reunião no Cairo concentraram-se em três tópicos principais: reviver o processo de paz e a solução de dois Estados; o estabelecimento de um estado palestino com Jerusalém como sua capital, sem o qual não haverá estabilidade regional ou global; e um cessar-fogo entre os palestinos e Israel em Gaza, bem como a reconstrução do enclave destruído pela guerra.

Havia pouca diferença entre essas e recomendações anteriores feitas por quase todas as cúpulas realizadas sobre a questão palestina. Eles podem muito bem ter sido copiados, cortados e colados e não valem o papel em que foram escritos.

Bennett disse isso na véspera de seu encontro com o presidente dos Estados Unidos, John Biden, quando disse ao New York Times que “este governo não anexará nem formará um Estado palestino”. Isso foi dito no contexto da rejeição de Israel de qualquer progresso no arquivo palestino além dos limites de aumentar a segurança israelense por meio da coordenação com a AP. Gantz reconfirmou dias depois de seu encontro com Abbas, especificamente na véspera da cúpula egípcia-jordaniana-palestina. Seu encontro com o presidente da AP foi oportuno, disse Gantz, e Abbas percebeu que não haverá processo político no estágio atual.

LEIA: Israel não está fazendo nada pela sobrevivência da AP

De que paz eles estão falando e de que estado palestino estão falando? Eles recorreram a táticas diversionistas novamente como se estivessem viciados em negociações por negociações, apesar de saberem que o estabelecimento de um estado palestino não virá por meio de negociações, mas por meio da resistência e da luta contra o estado de ocupação israelense, que deve ser obedecido e satisfeito às custas da causa palestina.

A resistência é a solução, portanto os Acordos de Oslo e o que deles derivou devem ser abandonados para que possamos voltar à luta para libertar a Palestina da ocupação de Israel que se estende do rio ao mar.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments