Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O mundo árabe busca disputas internas em vez de confrontos com seus inimigos

As bandeiras da Argélia (E) e do Marrocos tremulam em Argel, Argélia em 24 de janeiro de 2012 [Farouk Batiche/AFP/Getty Images]

Como se as questões internas que o mundo árabe enfrenta não fossem suficientes, parece que precisamos de mais crises e tensões entre os estados regionais. Uma velha e nova crise no noroeste da África ressurgiu mais uma vez; o governo argelino decidiu cortar as relações diplomáticas com o Marrocos, e justificou isto citando as ações “hostis” deste último em território argelino. A Argélia acusa o Marrocos de acender incêndios em algumas províncias argelinas e espionar funcionários argelinos utilizando spyware da Pegasus, alegando que isto faz parte de uma conspiração diabólica marroquino-sionista para desestabilizar a Argélia, apoiando dois movimentos separatistas.

Na verdade, a crise entre os dois países não foi resultado de eventos atuais. Ela remonta a muitas décadas. Em 1976, por exemplo, as relações entre os países vizinhos também foram cortadas sob as ordens do monarca marroquino da época.

O conflito fronteiriço começou após a independência da Argélia em 1962, quando os combates eclodiram no que ficou conhecido como a Guerra da Areia. Nessa época, o exército argelino era apoiado pelo Egito. O então presidente do Egito, Gamal Abdel Nasser se considerava o padrinho de todas as revoluções árabes e apoiava a revolução argelina com fundos e armas. Ele era hostil a todas as monarquias árabes, que ele descreveu como obsoletas e partidárias do imperialismo global.

Esta hostilidade entre a Argélia e Marrocos continuou até a assinatura de um acordo mediado pela Arábia Saudita para normalizar as relações, em 1988. No entanto, isto não removeu o problema. A certa altura, o cônsul marroquino na Argélia ocidental o descreveu como “um país inimigo”.

O embaixador do Marrocos na ONU, Omar Hilale, usou uma reunião dos Países Não-Alinhados em meados de julho para pedir a independência do povo Kabyle na Argélia. O governo de Argel convocou seu embaixador de Rabat para consultas, um movimento diplomático padrão em disputas entre países. O embaixador ainda não retornou a Rabat.

LEIA: O Marrocos está pronto para um diálogo ‘incondicional’ com a Argélia, diz primeiro-ministro

É certo que o apelo de Marrocos pela independência do povo Kabyle foi uma tentativa de ajustar contas políticas com a Argélia, em resposta ao apoio desta última à Frente Polisario e ao reconhecimento da República Árabe Saharaui, que Rabat considera território marroquino.

A questão do Saara Ocidental é um dos mais longos conflitos políticos e humanitários do mundo atualmente. O território é rico em recursos naturais e foi uma colônia espanhola entre 1884 e 1976, após o que Marrocos e a Frente Polisario apoiada pela Argélia entraram em conflito pelo direito à soberania.

O Marrocos quer expandir-se no deserto rico em fosfatos, aumentando sua influência e assumindo a liderança na região. A Argélia, por sua vez, quer conter a influência marroquina e acredita que está bem qualificada para ser a liderança regional. É por isso que Argel encorajou a Frente Polisario a declarar uma República Árabe Saharaui independente, persuadiu muitos países a reconhecê-la e apoiou a presença da Polisario na precursora da União Africana, a Organização de Unidade Africana. Sua adesão foi acordada, portanto, o Marrocos se retirou. O Saara Ocidental continua sendo uma questão complexa e espinhosa para seus vizinhos.

O ex-presidente americano Donald Trump utilizou o território como moeda de troca para que Marrocos normalizasse as relações com Israel, em troca do qual Washington reconheceu a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental. De qualquer forma, o Reino mantém há muito tempo laços estreitos com Israel; sob o rei Hassan II houve décadas de laços de segurança que foram negados por ambos os lados. O dissidente marroquino Mahdi Ben Baraka pediu aos oficiais da inteligência sionista que o ajudassem a assassinar Hassan, mas eles informaram o monarca marroquino e o ajudaram a encontrar Baraka em Paris. Ele foi torturado até a morte e seu corpo nunca foi encontrado.

O rei Hassan recompensou os israelenses por seu apoio, permitindo que os judeus marroquinos emigrassem e aprovando o estabelecimento de um bureau da Mossad no país. Em troca, o Estado de ocupação deu armas e treinamento para o exército marroquino. Israel também forneceu tecnologia de vigilância ao país norte-africano e supervisionou a reestruturação da agência de inteligência marroquina.

LEIA: Colonialismo e solidariedade definem a decisiva batalha Israel-Palestina na África

O aspecto mais perigoso das ações do rei Hassan foi que ele passou para Israel detalhes das capacidades militares dos estados árabes recolhidos em uma cúpula de 1966 em Casablanca. Os agentes da Mossad estavam prontos para ouvir a cúpula e registrar os procedimentos, mas Hassan estava aparentemente com medo de ser exposto, então ele próprio concordou em fazer isso. Em 2016, o chefe aposentado da Inteligência Militar Israelense, Shlomo Gazit, disse que “estas gravações foram uma conquista milagrosa e deram ao exército a esperança de que venceríamos a guerra contra o Egito”.

Dados os grandes serviços que o rei Hassan havia prestado aos sionistas, era natural que ele se tornasse um canal de comunicação entre Israel e o mundo árabe. Reuniões secretas entre oficiais israelenses e egípcios aconteceram no Marrocos antes da assinatura do acordo de paz de Camp David. Além disso, foi dito que foi Israel que convenceu os EUA a dar ajuda militar ao Reino. Tais relações continuaram sob o governo do filho de Hassan, o rei Mohammed VI, que procurou ajuda israelense para conseguir que os EUA reconhecessem a soberania marroquina sobre o Saara Ocidental.

Este é um breve resumo das relações secretas entre a entidade sionista e Marrocos, que tiveram lugar durante o reinado do rei Hassan II e continuaram durante a era de seu filho, o rei Mohammed VI, que pediu aos sionistas que o ajudassem a convencer os Estados Unidos a reconhecer a soberania de seu país sobre o Saara Ocidental. O líder da comunidade judaica no Marrocos, Sergei Bargudo, agiu como mediador do rei e reuniu-se com líderes judeus americanos e oficiais sionistas para conseguir isso. Agora todos estes elos estão ao ar livre.

Os observadores dos recentes eventos entre a Argélia e Marrocos não se surpreenderiam com a decisão da Argélia de cortar os laços com Rabat. O povo argelino está sofrendo sob o regime, portanto a decisão do governo teria sido tomada para desviar a atenção das questões em casa.

O Marrocos não é inocente em tudo isso. Quando o ministro das relações exteriores israelense Yair Lapid visitou Rabat no mês passado, ele expressou a preocupação da entidade sionista com o papel da Argélia na região e sua significativa aproximação com o Irã.

A situação entre a Argélia e Marrocos resume a posição dos árabes como um todo. Estamos mais inclinados a discutir uns com os outros e buscar o apoio de inimigos mútuos no processo, em vez de trabalharmos juntos para enfrentar esses inimigos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArgéliaArtigoÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosIsraelMarrocosOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments