Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘ A equipe palestina era popular na Vila Olímpica’

Entrevista com Hana Barakat, nesta primeira entrevista da série Campeões da Palestina, com atletas que representaram o povo palestino nas Olimpíadas de Tóquio

A distância não foi um obstáculo entre Hanna Barakat e a representação de sua pátria, a  Palestina, nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A jovem palestina de 21 anos, nascida nos Estados Unidos da América, fez questão de representar a Palestina e não o país em que ela nasceu e cresceu, e em uma iniciativa pessoal originada de seu amor e orgulho por suas origens palestinas. Hanna vem de uma família da aldeia de “Anabta – Tulkarm” que migrou para os Estados Unidos da América como muitas famílias palestinas a fim de melhorar suas condições de vida e construir um futuro melhor para seus filhos devido ao assédio que o povo palestino enfrenta em suas terras ocupadas e com dois terços de seu povo deslocados.

Hana Barakat é a primeira entrevistada da série Campeões da Palestina, do Monitor do Oriente Médio, volta a apresentar os cinco atletas palestinos que desafiaram todas as circunstâncias e obstáculos difíceis e insistiram em realizar seus sonhos, como heróis e heroínas que levaram os sonhos de seu povo aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Nesta em entrevista, Hanna conta a história de sua participação no maior evento esportivo internacional e por que ela escolheu representar a Palestina.

Quem é Hanna Barakat?

Meu nome é Hanna Barakat e sou uma velocista de atletismo palestino-americana de 21 anos. Eu sou de Anabta-Tulkarm, Palestina e cresci em Los Angeles, Califórnia. Sou filha de Mohammed Barakat, neta de Adel Barakat.

Que idade você tinha quando começou seu esporte? Quem te apoiou e como?

Eu cresci jogando futebol, mas fiz a transição para o atletismo no meu segundo ano do ensino médio (2014-2015) aos 15 anos. No entanto, sempre adorei correr. Em 2010, durante minha formatura da 5ª série, minha escola primária gravou todos os alunos e perguntou: “Onde você se vê daqui a dez anos?” Eu respondi com confiança: “Em dez anos estarei nas Olimpíadas de atletismo.” Dez anos depois, aqui estou eu nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, no atletismo.

Ao longo da minha carreira, fui apoiada por uma equipe de indivíduos, principalmente meu treinador, Cedric Hill, que esteve ao meu lado nos bons e maus momentos; meus colegas de equipe na Brown University que sempre me empurraram; minha família que me ensina a sonhar grande; meus amigos que me levantam quando eu caio; e a Federação Palestina de Atletismo por acreditar em mim.

LEIA: Ocupação israelense frustra progresso olímpico palestino, mas não sua determinação

Como uma palestina que nasceu e vive na diáspora, o que levou você a decidir ser uma atleta olímpica representando a Palestina? 

Ser uma atleta olímpica da Palestina tem sido o meu sonho de vida. Eu sabia que se a oportunidade se apresentasse, não haveria dúvida. Crescer na diáspora, ser palestina constitui um conjunto de realidades. Para mim, procuro representação. Eu respeito profundamente os corredores olímpicos palestinos que me precederam. O atletismo é uma forma poderosa de representação e fazê-lo no cenário global é a realização de um sonho.

Eu entrei oficialmente na Equipe Palestina há um ano. Devido à pandemia, tirei um ano sabático da Brown University e treinei em tempo integral no sul da Califórnia. Tenho um sonho antigo de competir no cenário internacional representando meu país. Eu vi este ano como uma oportunidade de perseguir meu sonho atlético. Então, entrei em contato com o FPA via Instagram e disse a eles que era uma velocista palestina de 21 anos que morava em Los Angeles.

A equipe ficou animada em saber mais sobre meus empreendimentos atléticos. Em junho de 2021, me convidaram para competir no Campeonato Árabe de Atletismo na Tunísia. Lá, tive a honra de representar a Palestina entre outros 22 países árabes. Bati o recorde nacional nos 100m, 200m e 400m. No final do torneio, os funcionários da Federação Palestina de Atletismo (FPA) me disseram que o Comitê Olímpico Palestino estava avaliando meu desempenho e me selecionou para representar a Palestina nas Olimpíadas de 2020 em Tóquio (a apenas 31 dias de distância). Sou grata ao meu treinador de longa data, Cedric Hill, que pôde se juntar a mim nesta aventura olímpica. Ele tem estado ao meu lado em bons e maus momentos, e sou eternamente grata por seu apoio.

Como você se sentiu representando a Palestina, especialmente quando muitos dos líderes mundiais viram as costas aos palestinos?

Competir pela Palestina significa o mundo para mim. Como uma palestino-americana vivendo na diáspora, é um sonho representar a Palestina no maior palco do mundo. Infelizmente, por muito tempo e para muitos que vivem na diáspora, a Palestina é um lar proibido. Muitos não têm permissão para retornar. Crescendo na Califórnia, aprendi sobre a Palestina através de histórias de família (muitas delas comoventes), através de minhas próprias leituras sobre a Palestina e sua história, através de minha visita de verão à Palestina há quatro anos, bem como através de sua culinária e música incríveis. Ser reconhecido como palestino no maior palco do mundo e usar a bandeira no meu uniforme é uma sensação indescritível. As milhares de mensagens que recebi de palestinos (e não palestinos) ao redor do mundo são uma prova do orgulho que todos sentimos de ser aceitos e apoiados pela comunidade mundial.

Como atleta e mulher, o que você gostaria que o mundo soubesse sobre você e suas raízes na Palestina e na Palestina? E que mensagem você daria às meninas e mulheres palestinas?

Quero que o mundo saiba que sou uma palestina orgulhosa de Anabta-Tulkarm, Palestina. Fora da pista, estou comprometida em elevar as vozes palestinas e na luta pela liberdade. Espero ser uma inspiração para jovens meninas palestinas em todo o mundo, e deixá-las saber que há um lugar para elas praticarem esportes no cenário internacional.

Qual foi o nível de competição nas Olimpíadas e como a experiência foi única?

Minha experiência nas Olimpíadas foi diferente de tudo que eu poderia imaginar. Meu pai estava na equipe olímpica dos Estados Unidos de 1984 em hóquei em campo. Eu cresci ouvindo suas histórias, então eu tinha uma imagem nítida, mas a realidade dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 era drasticamente diferente devido à covid-19. Os Jogos Olímpicos foram um ambiente estimulante: novos rostos, idiomas e um desfile de bandeiras para todos os lados. Devido à covid-19, todos os atletas permaneceram na vila, então foi emocionante ver alguns dos atletas da lista A caminhando. Foi especial andar por aí com o nome palestino na minha camisa. A equipe e eu éramos frequentemente abordados por rostos amigáveis ​​da América do Sul à África, Europa e Ásia. A Equipe Palestina era popular na Vila Olímpica.

LEIA: Determinação política, sangue palestino e amor pelo samba na história do presidente da CPI da Pandemia

Qual foi a parte mais gratificante da experiência olímpica?

A parte mais gratificante foi estar junto com os outros quatro atletas palestinos e perceber o quão especial era estar juntos. Todos nós incorporamos diferentes aspectos da realidade palestina. Foi lindo nos reunirmos de maneiras que a ocupação não permite. A Palestina é um país ocupado há mais de 70 anos e buscamos nossa liberdade, o direito de ter um estado independente e livre. Meus companheiros de equipe incluíam Mohamed, um levantador de peso de Gaza; Wesam, um atleta de judô de Jerusalém; Dania, uma nadadora de Belém; Yazan, um nadador do Canadá, e eu dos EUA. Nós refletimos a realidade desconexa dos palestinos espalhados em diferentes configurações espaciais. Foi extraordinário estarmos reunidos como um grupo coeso com o propósito singular de representar a Palestina, um país que luta por sua sobrevivência.

Qual é a melhor parte de competir?

A melhor parte de competir é representar a Palestina. Muitos ficaram surpresos ao ver um velocista da Palestina nos 100m e adorei mostrar às pessoas que é possível. Também adorei correr contra concorrentes de todo o mundo. Foi uma honra correr ao lado de nações contra as quais não competi anteriormente, por exemplo, Antigua, Indonésia, Malawi, Malta, etc.

Que conselho você daria a atletas palestinos(as) que desejam competir nas Olimpíadas?

Não existe “uma jornada” ou “caminho correto” para as Olimpíadas. Eu encorajaria alguém a desenvolver um sistema de apoio (treinadores, familiares, companheiros de equipe, parceiros de treinamento) para ajudar a manter-se no caminho certo. Embora, no final do dia, depende do indivíduo, a rede de apoio pode fazer uma diferença enorme.

O que você se vê realizando em cinco a dez anos?

Nos próximos cinco anos, espero competir em muitos mais encontros internacionais, melhorar os recordes nacionais da Palestina e passar um tempo na Palestina com a Federação Palestina de Atletismo. Daqui a dez anos, terei 32 anos e espero trabalhar pela justiça digital para os palestinos e outras comunidades marginalizadas em todo o mundo.

Quais são seus sonhos para o futuro?

Eu realmente espero passar um tempo na Palestina treinando com a equipe da FPA e trabalhar com as meninas mais jovens.

LEIA: Copa América no Brasil foi tiro pela culatra e futebol finalmente homenageia Messi

Categorias
Ásia & AméricasEntrevistasEstados UnidosJapãoOriente MédioPalestinaTóquioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments