Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estados Unidos manifestam a Israel suas preocupações com o spyware da NSO

Uma mulher verifica o site do spyware Pegasus feito por Israel em um escritório na capital cipriota Nicósia em 21 de julho de 2021 [MARIO GOLDMAN/AFP via Getty Images]
Uma mulher verifica o site do spyware Pegasus feito por Israel em um escritório na capital cipriota Nicósia em 21 de julho de 2021 [MARIO GOLDMAN/AFP via Getty Images]

Os Estados Unidos expressaram preocupação com Israel sobre o spyware de uma empresa israelense que foi utilizado pelos governos para espionagem de ativistas de direitos, jornalistas e políticos, de acordo com um relatório divulgado recentemente, informou a Agência Anadolu.

A administração Biden apresentou preocupações diretamente às autoridades israelenses depois que Tel Aviv concedeu ao Grupo NSO licenças para exportar seu spyware Pegasus para governos estrangeiros, informou a Axios na quarta-feira.

O NSO Group foi ligado a uma lista de dezenas de milhares de números de smartphone, incluindo os de ativistas, jornalistas, executivos de negócios e políticos em todo o mundo.

O spyware é capaz de ligar a câmera ou microfone de um telefone e coletar seus dados. Ele surgiu pela primeira vez em reportagens da mídia em 2016, quando pesquisadores o acusaram de ajudar a espionar um dissidente nos Emirados Árabes Unidos.

Outros alvos de destaque foram o presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan.

Eles são dois dos cerca de seiscentos políticos envolvidos na controvérsia de Pegasus, enquanto Israel enfrenta uma crise diplomática.

Brett McGurk, o principal assessor do presidente americano Joe Biden no Oriente Médio, reuniu-se na última quinta-feira na Casa Branca com um alto funcionário da defesa israelense para discutir a controvérsia em curso, informou Axios, citando funcionários israelenses anônimos.

A Zohar Palti, segundo informações, procurou assegurar à McGurk que Tel Aviv está levando o assunto muito a sério e está analisando se houve violações de suas licenças de exportação e se são necessárias mudanças nas regulamentações de exportação de Israel.

A reunião veio em meio a uma pressão crescente no Congresso para que a administração Biden sancionasse o grupo NSO.

“Empresas privadas não deveriam vender ferramentas sofisticadas de ciberintrusão no mercado aberto, e os Estados Unidos deveriam trabalhar com seus aliados para regular este comércio. Empresas que vendem ferramentas tão incrivelmente sensíveis às ditaduras são os A.Q. Khans do mundo cibernético”, disseram os congressistas Tom Malinowski, Katie Porter, Joaquin Castro e Anna Eshoo em uma declaração conjunta.

Eles estavam se referindo ao engenheiro paquistanês que foi o pai do programa de armas nucleares do Paquistão, naquilo que foi um grande golpe nos esforços internacionais de não-proliferação.

“As negações do Grupo NSO não são confiáveis e mostram um desrespeito arrogante pelas preocupações que autoridades eleitas, ativistas de direitos humanos, jornalistas e especialistas em segurança cibernética têm repetidamente levantado. Os governos autoritários que compram spyware de empresas privadas não fazem distinção entre terrorismo e dissidência pacífica”, eles acrescentaram.

LEIA: Nas Olímpiadas, a indústria da morte israelense e o sportwashing

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments