Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que Israel teme ser boicotado por uma empresa de sorvetes?

Motoristas passam por uma sorveteria fechada da "Ben & Jerry's" na cidade israelense de Yavne, cerca de 30 quilômetros ao sul de Tel Aviv, em 23 de julho de 2021. [AHMAD GHARABLI/AFP via Getty Images]

A gigantesca fabricante de sorvete americana Ben & Jerry’s anunciou na semana passada que vai parar de vender seus produtos nos territórios palestinos ocupados da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental. Tais vendas, a empresa acredita, são “inconsistentes” com seus valores, afirmou em seu website. “Nós também ouvimos e reconhecemos as preocupações compartilhadas conosco por nossos fãs e parceiros de confiança”.

A Ben & Jerry’s é conhecida por se posicionar em questões sociais. Tomou uma posição histórica em apoio ao movimento Black Lives Matter em 2016, por exemplo. Embora sua fábrica no sul de Israel continue a operar, ela interromperá as vendas nos assentamentos judaicos israelenses, que são ilegais sob o direito internacional.

A decisão da empresa sediada em Vermont, fundada por dois judeu-americanos, transformou o boicote aos assentamentos israelenses ilegais construídos em terras palestinas roubadas na mais recente face da guerra de Israel contra o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções. O BDS é uma campanha liderada pelos palestinos contra empresas, instituições culturais e universidades israelenses; tem apoio mundial e é totalmente pacífico.

De acordo com o presidente Isaac Herzog, ex-chefe do Partido Trabalhista Israelense, a decisão de Ben & Jerry é “um perigoso ato de terrorismo econômico, semelhante ao nazista, que desumaniza o povo judeu”. O primeiro-ministro Naftali Bennett acusou a empresa de estar do lado dos “terroristas”, e advertiu a empresa-mãe da fabricante de sorvetes, Unilever, das “severas consequências”.

O enviado israelense aos Estados Unidos e à ONU, Gilad Erdan, disse que “os negócios estão se rendendo à pressão do BDS e incorporando considerações políticas anti-israelenses em suas decisões”. Para o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid, a decisão é uma “vergonhosa rendição ao anti-semitismo, ao BDS e a tudo o que está errado com o discurso anti-Israel e anti-judaico”. Erdan enviou uma carta a 35 estados americanos pedindo-lhes que ativassem leis anti-boicote contra a Ben & Jerry’s que, paradoxalmente, levariam a própria empresa a ser boicotada por instituições estatais. Os boicotes são terrorismo anti-semita e vergonhoso… a menos que beneficiem Israel. A hipocrisia é rançosa.

LEIA: Mudança da Ben & Jerry para Israel recebe recepção fria do governo

A resposta é típica da propaganda israelense que arma o anti-semitismo para frear críticas válidas às políticas e práticas do Estado sionista. O BDS é uma forma totalmente não-violenta de protesto contra tais políticas que, com demasiada frequência, têm um impacto mortal e transformador sobre os palestinos que vivem sob ocupação israelense. A mensagem BDS ressoa com pessoas que amam a justiça em todo o mundo, especialmente entre os jovens nos campus dos EUA e em outros lugares.

Este falso ultraje, é claro, tem o objetivo de intimidar as pessoas a evitar a ação do BDS em apoio ao povo da Palestina ocupada. Quem, afinal de contas, gosta de ser chamado de anti-semita racista? É, porém, uma cortina de fumaça destinada a desviar a atenção da verdadeira opressão israelense sobre os palestinos. O BDS pede que o direito internacional e os direitos humanos sejam respeitados, e que Israel seja responsabilizado por suas ações, que têm sido descritas – com razão, muitos acreditam – como crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Ben & Jerry’s está simplesmente procurando cumprir o direito internacional. Por que Israel teme tanto isso se acredita que não viola a lei?

Uma rápida busca no Google é suficiente para convencer pessoas sensatas de que Israel não tem respeito pelos direitos humanos dos palestinos. A opressão do estado de ocupação colonial inclui execuções extrajudiciais, detenção sem acusação nem julgamento, demolições de casas, roubo e destruição de terras e produtos agrícolas. Os palestinos na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém precisam viver com centenas de postos de controle militares impedindo suas rotas para escolas, hospitais, empresas e locais de culto. Aqueles na Faixa de Gaza enfrentam frequentes incursões militares e ofensivas das forças armadas israelenses.

O grupo israelense de direitos humanos B’Tselem descreveu Israel como um estado de apartheid em janeiro. Desde então, a Human Rights Watch disse a mesma coisa. Além disso, em 2016, a HRW pediu às empresas que operam nos assentamentos da Cisjordânia que “avaliassem suas operações e entendessem as formas como poderiam estar se beneficiando e contribuindo para os abusos dos direitos humanos”.

LEIA: Ben & Jerry’s comete ‘nova forma de terrorismo’ contra Israel, alega presidente

Os políticos israelenses estão irritados com a decisão de Ben & Jerry porque sabem que os boicotes funcionam, e podem ter um efeito dominó. Na verdade, aconteceu um movimento semelhante no início deste mês por parte do maior fundo de pensão da Noruega, que se desfez de dezesseis empresas que trabalham em assentamentos israelenses. Será este o declive escorregadio que fará com que mais empresas internacionais sigam o exemplo?

Ben & Jerry’s continuará a operar nos territórios palestinos ocupados até sua atual licença para fazê-lo expirar no próximo ano, portanto a mudança não terá efeito imediato e poderá, de fato, ser revertida, como aconteceu com a Airbnb em 2018. Esta última sucumbiu à pressão do lobby pró-Israel nos Estados Unidos após ser acusada de discriminar os judeus. A empresa reverteu sua decisão após apenas cinco meses. De acordo com Erdan, Ben & Jerry’s terá “um preço a pagar”, incluindo ação legal.

No mínimo, a decisão da empresa sorveteira trouxe a questão palestina e a opressão israelense de volta para a agenda internacional, virando manchete. É importante, pois destaca a agressão israelense, mesmo contra o protesto não-violento. Precisamos de mais, e não menos, empresas internacionais para fazer o mesmo que Ben & Jerry’s, por esta mesma razão.

“Sendo cínico”, explicou Hagit Ofran, o diretor da equipe esquerdista de fiscalização dos assentamentos Peace Now, “se uma empresa diz que não vai mais fazer negócios nos assentamentos, outra aparecerá para ocupar seu lugar. Mas Ben & Jerry’s é um caso interessante por ser tão popular: esta decisão chega a todos os lares em Israel. Se alguma outra empresa deixasse de importar bulldozers, é pouco provável que tantas pessoas notassem”.

Há uma maneira simples de os senhores Herzog, Bennett, Lapid e Erdan garantirem que não precisarão enfrentar boicotes no futuro: acabar com a ocupação da Palestina e com a brutalidade sistemática e institucionalizada que ela implica. Nenhuma ocupação significa nenhuma resistência – de qualquer tipo – à ocupação. É fácil assim, mas os sionistas não podem aceitar isso, porque sua ideologia racista exige o máximo possível de terras na Palestina, com o menor número possível de palestinos. Israel é um Estado racista e colonial que nunca declarou onde suas fronteiras estarão, e não o fará até, e a menos que, sua insaciável ganância por terra seja satisfeita. Ele precisa da ocupação, e seus políticos precisam de suas mentiras e intimidação para sustentá-la. Parabéns, Ben & Jerry’s. Aguardamos ansiosamente o próximo anúncio de boicote.

LEIA: Fundo de pensão da Noruega se desfaz de 16 empresas devido a laços com assentamentos de Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBDSEstados UnidosIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments