Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Evangelizadora turca que usava camiseta de Charlie Hebdo é esfaqueada em Londres

Um protesto em apoio a Charlie Hebdo, em Luxemburgo, 8 de janeiro de 2015 [Wikipedia]

Uma mulher usando uma camiseta de Charlie Hebdo foi esfaqueada várias vezes no Speaker’s Corner, no Hyde Park de Londres, ontem à tarde.

Hatun Tash, 39 anos, é uma evangelizadora cristã que trabalha com a Defendam Cristo Critique Islã (DCCI), ela é uma frequentadora regular do parque e é uma ex-muçulmana da Turquia. Ela foi deixada com ferimentos leves e recebeu tratamento no local.

Imagens que circularam amplamente nas redes sociais mostram um homem vestido de preto se aproximando de Hatun antes de esfaqueá-la várias vezes e fugir, um carro da polícia chegou ao local logo depois.

A Polícia Met descreveu o incidente como “muito angustiante” e conseguiu recuperar uma faca descartada encontrada nas proximidades. Não foram feitas prisões.

O Detetive Superintendente Alex Bingley, da Unidade de Comando do Centro Oeste que cobre o policiamento em Westminster, disse: “Este foi claramente um incidente muito angustiante para a mulher envolvida e os oficiais passaram algum tempo com ela, enquanto ela estava sendo tratada por seu ferimento, para obter um relato do que aconteceu”.

“Sabemos que este ataque foi testemunhado por várias pessoas, muitas das quais o capturaram em seus telefones”.

LEIA: Extremista de direita, Tommy Robinson se reúne em apoio a Israel

“Eu lhes pediria, se ainda não o fizeram, que entrassem em contato com a polícia”.

“Permanecemos nas primeiras etapas de nossa investigação e estamos trabalhando arduamente para localizar a pessoa responsável”.

“Eu pediria às pessoas que não especulassem sobre o motivo do ataque até que tenhamos estabelecido os fatos completos”, acrescentou ele.

No ano passado, Tash foi filmada sendo esmurrada no Speaker’s Corner enquanto segurava uma charge retratando o Profeta Maomé. A própria Hatun foi presa por ” violar a paz” e foi escoltada para fora do Hyde Park em várias ocasiões para sua própria segurança. De acordo com uma discussão no YouTube no ano passado com o colega de pregação cristã David Wood, Hatun revelou que a polícia a havia avisado que sua vida poderia estar em perigo e a aconselhou a não frequentar Hyde Park.

Em 2015, os escritórios da revista satírica francesa Charlie Hebdo foram atacados por extremistas islâmicos, deixando doze pessoas mortas, após a publicação de charges ofensivas do Profeta.

LEIA: Problema da Inglaterra com o racismo ressurge após derrota na final da Eurocopa

Categorias
Europa & RússiaFrançaNotíciaReino UnidoTurquia
Show Comments
Show Comments