Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ennahda da Tunísia diz que gangues apoiadas por partidos estrangeiros vandalizaram sua sede

As forças de segurança tomam medidas de segurança em torno do prédio do parlamento, enquanto apoiadores e oponentes do golpe se reúnem em frente ao prédio do parlamento depois que o presidente tunisiano, Kais Saied, anunciou no domingo que assumiu totalmente o poder Executivo, além de suspender o parlamento em Túnis, Tunísia, em 26 de julho de 2021 [Nacer Talel/Agência Anadolu]

O movimento Ennahda da Tunísia disse ontem que “gangues de criminosos apoiados por partidos fora e dentro do país” atacaram sua sede, a fim de derrubar o caminho democrático do país e abrir caminho para o retorno da opressão e da tirania.

Ativistas realizaram protestos na capital, Tunis, pedindo ontem o fim da crise política no país e a dissolução do parlamento. A Tunísia também completou 64 anos desde a proclamação da República ontem.

O Ennahda, que detém o maior bloco parlamentar, disse em um comunicado que “em 25 de julho, grupos anarquistas que não conseguiram convencer a opinião pública de suas opções populistas e não democráticas, atacaram algumas das sedes do movimento no país e tentaram intimidar os que estavam dentro e ameaçar suas vidas”.

Um vídeo postado nas redes sociais mostrou grupos de pessoas invadindo e vandalizando a sede do movimento em várias províncias.

O Ennahda condenou o que descreveu como “gangues criminosas apoiadas por partidos de fora e dentro das fronteiras do país” por atacar “a sede do movimento” e espalhar “caos e vandalismo, a fim de servir a agendas que buscam derrubar o caminho democrático e abrir caminho para o retorno da opressão e da tirania”.

A Tunísia é vista como o único país árabe que conseguiu realizar uma transição democrática durante a Primavera Árabe em 2011.

A Tunísia vem sendo atingida por uma crise política desde janeiro, quando o primeiro-ministro, Hichem Mechichi, demitiu cinco ministros, conhecidos por serem próximos ao presidente, e designou outros funcionários para os cargos vagos no período interino.

O presidente, Kais Saied, acusou Mechichi de “violar as disposições da constituição” e se recusou a permitir que os novos funcionários prestassem juramento antes de assumir seus cargos.

Posteriormente, Saied também se recusou a selar um projeto de lei sobre a formação do Tribunal Constitucional, embora tenha sido aprovado pelo parlamento em duas ocasiões consecutivas.

O líder do Ennahda e presidente do Parlamento Rached Ghannouchi disse que Saied não tem o poder de recusar nomeações depois que um voto de confiança foi concedido a eles no Parlamento, acrescentando que seu papel é “simbólico“.

LEIA: Polícia da Tunísia invade sede da Al Jazeera e expulsa jornalistas

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Show Comments