Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando a invasão de Chipre pela Turquia

Após a concessão da independência da Grã-Bretanha à ilha de Chipre em 1955, os cipriotas eram uma multidão mista de turcos e gregos que viveram lado a lado durante séculos.

O quê: invasão da Turquia ao norte de Chipre após um golpe militar que visava anexar a ilha à Grécia

Quando: 20 de julho de 1974

Onde: Chipre

O que aconteceu?

Após a concessão da independência da Grã-Bretanha à ilha de Chipre em 1955, os cipriotas eram uma multidão mista de turcos e gregos que viveram lado a lado durante séculos.

Ao longo do domínio britânico, entretanto, as sementes da divisão foram, segundo consta, plantadas na estrutura da sociedade cipriota.

A administração colonial, por exemplo, formou uma força policial nativa composta de turcos cipriotas que receberam a ordem de anular os apelos à independência propagados por parte da população grega da ilha e que lutou contra o grupo militante grego, a Organização Nacional da Luta Cipriota (EOKA, na sigla em inglês).

Enquanto a ilha governava a si mesma após a rápida evacuação habitual da Grã-Bretanha de suas ex-colônias, a violência intercomunitária esporádica continuou a eclodir entre as populações turca e grega, cuja divisão só tinha sido fortalecida ainda mais. Em primeiro lugar, surgiram ideologias nacionalistas entre as duas populações, como o conceito grego de ‘Enosis’ (unificação com a Grécia) e o conceito turco de ‘Taksim’ (divisão da ilha).

Depois, houve o nacionalismo que foi doutrinado em ambas as comunidades ao longo das décadas, o exemplo mais claro sendo os ideais do fundador da República Turca, Mustafa Kemal Ataturk, sendo ensinados em escolas turcas cipriotas.

Após inúmeros episódios de violência, os mais populares em 1963-1964 e 1967, a situação atingiu o seu auge em 15 de julho de 1974, quando a Guarda Nacional cipriota – liderada pelas forças gregas sob a junta militar de Atenas – deu um golpe para unir a ilha com a Grécia.

LEIA: A única solução para Chipre é a igualdade para os cipriotas turcos, diz líder

Enquanto o presidente cipriota Makarios II fugia e era evacuado pelos britânicos, um regime militar apoiado por Atenas foi instalado com o político Nikos Sampson nomeado como seu chefe. O que se seguiu foram dias de invasões em casas cipriotas gregas e turcas, a expulsão dos partidários de Makarios e o ressurgimento da violência entre as duas comunidades na ilha.

Em 20 de julho, a Turquia retaliou lançando uma invasão militar do nordeste de Chipre, em esforços para conter o golpe militar e impedir a unificação com a Grécia. A principal razão para a invasão e o subsequente posicionamento das tropas turcas no norte, insistiu Ancara, foi proteger a comunidade turca da ilha de novos ataques e de ser vítima de uma tentativa de anexação por Atenas.

A Turquia citou notavelmente o Tratado de Garantia celebrado em 1960, que disse que lhe permitia fazer manobras para intervir no caso de qualquer perseguição à comunidade turca.

Essas alegações de perseguição não eram totalmente infundadas. Em uma experiência que o jornal britânico Daily Telegraph rotulou de “pogroms antiturcos”, a violência intercomunitária anterior à invasão resultou na morte de 364 cipriotas turcos em comparação com 174 cipriotas gregos, com 109 cipriotas turcos e aldeias mistas destruídas enquanto até 30.000 turcos foram deslocados.

Após a intervenção turca, no entanto, milhares de ambos os lados foram mortos, feridos e desaparecidos.

O que aconteceu depois?

A campanha de Ancara estava destinada a durar cerca de quatro semanas, com uma segunda invasão sendo lançada em 14 de agosto e terminando em 18 de agosto. O resultado foi a extensão do território que capturou na ilha da orla marítima para pouco mais de 36 por cento do território da ilha.

A Linha Verde foi estabelecida, separando o norte do sul. Os cipriotas turcos criaram então um governo autônomo denominado Estado Federado Turco de Chipre (TFSC, na sigla em inglês), apoiado por Ancara e chefiado pelo político cipriota turco Rauf Denktas. A contemporânea República Turca do Chipre do Norte (TRNC, na sigla em inglês) foi proclamada em 1983.

Como a terra foi dividida, ocorreu a migração maciça das populações turca e grega, com dezenas de milhares – alguns relatos dizem que centenas de milhares – de ambas as comunidades sendo expulsas de ambos os lados da ilha para consolidar o norte como um cipriota turco território e o sul como um cipriota grego.

O período serviu como um remanescente duradouro da era pós-otomana quando, após o colapso do império histórico e o nascimento dos Estados-nação contemporâneos após um milênio de coexistência, as populações turcas e gregas foram forçadas a migrar de e para os territórios de seus respectivos estados.

Até hoje, a intervenção turca e a subsequente divisão da ilha continuam a ser um assunto de muita controvérsia, com inúmeras tentativas de paz e negociações de reunificação fracassando ao longo dos anos. O TRNC ainda não é reconhecido como um estado independente por nenhuma nação da comunidade internacional além da Turquia.

Isso pode mudar em um futuro próximo, no entanto, já que surgiram sinais de que os aliados de Ancara, Paquistão e Azerbaijão poderiam reconhecer o Norte de Chipre como uma nação independente quase cinco décadas após a partição.

Enquanto a Grécia e o sul de Chipre favorecem a reunificação da ilha, a Turquia e o TRNC continuam a exigir uma solução de dois estados e o reconhecimento da soberania do norte de Chipre como pré-condições para as negociações de paz.

LEIA: ONU vai sediar negociações de Chipre com Turquia, Reino Unido e Grécia

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ChipreEuropa & RússiaNeste diaOpiniãoOriente MédioReino UnidoTurquiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments