Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Promotor francês abre investigação após reclamação de spyware Pegasus

Edifício que abriga o grupo israelense NSO, em 28 de agosto de 2016, em Herzliya, perto de Tel Aviv [Jack Guez/AFP/Getty Images]

A promotoria de Paris abriu uma investigação na terça-feira sobre alegações do site de notícias investigativas Mediapart e dois de seus jornalistas de que foram espionados pelo Marrocos usando o spyware Pegasus no centro de um escândalo global, relatou a Reuters.

Uma investigação publicada no domingo por 17 organizações de mídia, lideradas pelo grupo de jornalismo sem fins lucrativos Forbidden Stories, disse que o spyware, feito e licenciado pela empresa israelense NSO, foi usado em tentativas e sucesso de hacks de 37 smartphones pertencentes a jornalistas, funcionários do governo e ativistas de direitos humanos.

O Mediapart disse em uma série de tweets na segunda-feira que os serviços secretos do Marrocos usaram o Pegasus para espionar os telefones celulares de dois de seus repórteres.

“A única maneira de descobrir isso é as autoridades judiciais realizarem uma investigação independente sobre a espionagem generalizada organizada pelo Marrocos na França”, disse o Mediapart em um de seus tweets.

Marrocos publicou uma declaração oficial rejeitando o que chamou de “alegações falsas e infundadas”. A NSO também nega qualquer irregularidade.

A declaração do promotor de Paris não menciona o Marrocos e diz apenas que decidiu abrir a investigação depois de receber a denúncia do Mediapart e de seus repórteres.

LEIA: Empresa cibernética de Israel vende spyware do iPhone para a Arábia Saudita

Ele está investigando uma série de crimes em potencial relacionados à espionagem cibernética.

The Guardian, um dos meios de comunicação envolvidos na investigação, disse que a investigação sugere “abuso generalizado e contínuo” do software de hacking da NSO, descrito como malware que infecta smartphones para permitir a extração de mensagens, fotos e e-mails, gravar chamadas e secretamente ativar microfones.

A NSO afirma que seu produto deve ser usado apenas por agências de inteligência governamental e policiais para combater o terrorismo e o crime.

A lista publicada de supostos alvos da Pegasus “não está ligada à NSO”, disse o fundador da NSO, Shalev Hulio, à rádio 103 FM de Tel Aviv na terça-feira.

“A plataforma que produzimos evita ataques terroristas e salva vidas”, disse ele em uma rara entrevista.

Hulio disse que ao longo de seus 11 anos de existência, a NSO trabalhou com 45 países e recusou quase 90 países. Ele se recusou a citar qualquer um deles.

“Acho que, em última instância, isso vai acabar na justiça, com uma decisão judicial a nosso favor, depois que entrarmos com ações de difamação, porque não teremos outra escolha”, disse.

LEIA: Funcionário saudita que supostamente ameaçou investigadora da ONU é nomeado

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaFrançaIsraelMarrocosNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments