Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupos de jornalistas alemães exigem ação contra software espião israelense

Uma mulher israelense caminha em frente ao prédio que abriga o grupo israelense NSO, em 28 de agosto de 2016, em Herzliya, perto de Tel Aviv [Jack Guez/AFP via Getty Images]

Na segunda-feira, associações de jornalistas alemãs exigiram esclarecimentos e contramedidas após as revelações sobre o uso de um software de espionagem israelense contra ativistas e repórteres, disse a Agência Anadolu.

Falando sobre o “escândalo de vigilância sem precedentes”, Frank Ueberall, presidente da Federação Alemã de Jornalistas (DJV, na sigla em inglês) com sede em Berlim, em um comunicado, disse que as autoridades teriam que esclarecer se o notório software Pegasus da empresa israelense NSO também foi usado contra jornalistas alemães.

A empresa israelense acusada de fornecer spyware a governos foi associada a uma lista de dezenas de milhares de números de smartphones, incluindo ativistas, jornalistas, executivos de negócios e políticos em todo o mundo.

O NSO Group e seu malware Pegasus – capaz de ligar a câmera ou microfone de um telefone e coletar seus dados – estão nas manchetes desde 2016, quando pesquisadores o acusaram de ajudar a espionar um dissidente nos Emirados Árabes.

Enquanto isso, Monique Hofmann, presidente do Sindicato dos Jornalistas Alemães (DJU, na sigla em inglês), pediu restrições à exportação de tecnologia de vigilância.

LEIA: Cerca de 50 mil telefones foram selecionados em escândalo global de hackers envolvendo o Grupo NSO de Israel

“Estados autoritários usam Pegasus para silenciar vozes críticas e de oposição. Software espião não deve ser fornecido a países onde os direitos humanos são repetidamente violados”, disse ela.

Trabalhar com novos dados do jornalismo sem fins lucrativos Forbidden Stories e do grupo de direitos humanos Anistia Internacional, o Crime Organizado e o Projeto de Reportagem de Corrupção e 16 parceiros de mídia em todo o mundo trabalharam para descobrir quem pode ter sido vítima de Pegasus e contar suas histórias.

O NSO afirma que o software foi “vendido apenas para agências de aplicação da lei e serviços secretos de governos auditados com o único objetivo de salvar vidas humanas ao prevenir crimes e atos de terrorismo”.

Categorias
AlemanhaAnistia InternacionalEuropa & RússiaIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments