Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Boris Johnson pediu para se manifestar contra a proibição do hijab na União Europeia

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deixa 10 Downing Street antes da sessão semanal de perguntas do primeiro-ministro na Câmara dos Comuns em Londres, Inglaterra, em 7 de julho de 2021 [Tayfun Salci/Agência Anadolu]

Um proeminente grupo parlamentar britânico na segunda-feira instou o primeiro-ministro, Boris Johnson, a se manifestar contra a recente decisão do tribunal da União Europeia que proibiu mulheres muçulmanas de usar o hijab, ou lenço de cabeça, no local de trabalho, relatou a Agência Anadolu.

Em uma carta ao primeiro-ministro, o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos (APPG, na sigla em inglês) sobre os muçulmanos britânicos denunciou a decisão do Tribunal de Justiça Europeu (TJE), argumentando que a decisão não afeta apenas os muçulmanos, mas também pessoas de outras religiões que o lenço de cabeça não é apenas um símbolo religioso, mas uma parte fundamental de sua identidade.

“Este julgamento estabelece um precedente perigoso para seu impacto sobre os muçulmanos, mas também judeus, sikhs, cristãos e pessoas de outras religiões. Esta decisão não apenas ameaça as liberdades pessoais, mas cria barreiras adicionais no local de trabalho, especialmente para as mulheres muçulmanas, e abre a porta para justificar mais discriminação e islamofobia”, disse o APPG.

LEIA: Turquia condena corte europeia por restringir o uso de véus

“Pedimos que você se pronuncie contra esta decisão que ameaça as liberdades fundamentais. Pedimos que levante essa questão com seus colegas europeus e enfatize a importância dos direitos humanos, incluindo a liberdade de religião e crença.”

Maryam Pougetoux, líder do sindicato estudantil da Universidade Sorbonne de Paris, gerou polêmica na França depois que ela apareceu na TV usando um lenço na cabeça

A APPG também apontou muitos erros na decisão do TJCE – que argumenta que o hijab é um “sinal de grande porte” que simboliza “crenças políticas, filosóficas ou religiosas”.

O grupo, em vez disso, explicou que a ideia do hijab não é apenas um lenço na cabeça, mas uma maneira pela qual milhões de mulheres optam por se vestir.

Ele desenhou uma contradição entre a decisão e o artigo 9 da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, que permite a liberdade de pensamento, consciência e religião.

A carta ao primeiro-ministro foi assinada por vários parlamentares de vários partidos, incluindo a baronesa Sayeeda Warsi, Naz Shah, Steve Baker, Afzal Khan e Kristen Oswald.

Em 15 de julho, o TJCE confirmou o direito de empregadores privados de demitir funcionários por usarem o hijab ou outros símbolos religiosos. A decisão teve origem em dois casos de mulheres muçulmanas alemãs demitidas de seus respectivos empregos por usarem lenços de cabeça.

Apesar dos tribunais alemães considerarem a demissão das mulheres muçulmanas discriminatória e contrária à Constituição do país, o TJCE decidiu o contrário.

A decisão afirma que as empresas nos estados membros podem proibir os funcionários de usar lenços de cabeça se eles “precisarem apresentar uma imagem neutra aos clientes”.

LEIA: ‘Quero mostrar a todos o poder de nossas mulheres’, afirma primeira patinadora de hijab do mundo

Categorias
ECJEuropa & RússiaNotíciaOrganizações InternacionaisReino UnidoUnião Europeia
Show Comments
Show Comments