Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Fechamento de Gaza por Israel põe vidas em risco, alerta parlamentar palestino

Travessia de Karm Abu Salem (Kerem Shalom), canal fundamental à economia de Gaza, fechada há 33 dias, em 11 de junho de 2021 [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]
Travessia de Karm Abu Salem (Kerem Shalom), canal fundamental à economia de Gaza, fechada há 33 dias, em 11 de junho de 2021 [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

Nesta sexta-feira (9), o parlamentar palestino Jamal Al-Khodari exortou novamente a comunidade internacional a pressionar Israel a abrir as travessias da Faixa de Gaza, dado que o fechamento impõe risco de vida aos dois milhões de residentes do território costeiro.

Em nota, Al-Khodari — presidente do Comitê Popular contra o Cerco a Gaza — relatou que bens estimados em US$60 milhões pertencentes a comerciantes palestinos continuam bloqueados nos postos de controle israelenses há sessenta dias.

Al-Khodari reivindicou intervenção urgente da União Europeia e do Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres, a fim de salvar os habitantes de Gaza das duras condições de vida impostas pelo cerco militar israelense.

O parlamentar agradeceu os apelos de Lynn Hastings, coordenadora humanitária para os territórios palestinos ocupados, pelo fim do bloqueio a Gaza.

Após visitar a região, declarou Hastings:

Sem um retorno à entrada regular de produtos a Gaza, a capacidade das Nações Unidas e nossos parceiros de entregar socorro urgente está em risco, assim como a subsistência e os serviços básicos da população palestina.

Prosseguiu: “As Nações Unidas estimam que 250 mil pessoas [em Gaza] carecem de acesso regular à água encanada e ao menos 185 mil pessoas recorrem a água contaminada ou pagam preços excessivos por garrafas ou galões d’água”.

LEIA: US$485 milhões são necessários para recuperação urgente de Gaza

“O setor agrário, fonte essencial de alimentos e renda, também está em risco, incluindo a colheita atual”, destacou a coordenadora da ONU.

“Necessidades humanitárias, incluindo retomada de saneamento básico e saúde, e a reconstrução de Gaza não podem ser alcançadas sem a entrada de diversos suprimentos, como equipamentos e materiais de construção para reparos e ações humanitárias”.

“A cessação da entrada de bens comerciais impacta o trabalho de centenas de empresários do setor privado de Gaza e a renda de milhares de trabalhadores”, acrescentou Hastings.

“As exportações de Gaza, fundamentais à subsistência, estão virtualmente interrompidas”, argumentou. “Obstáculos enfrentados pelo setor privado precisam ser removidos para recuperá-lo e retomar seu papel como motriz de desenvolvimento e geração de empregos”.

Concluiu Hastings: “Conclamo Israel a atenuar as restrições ao movimento de bens e pessoas da Faixa de Gaza, conforme a resolução 1860 (2009) do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com objetivo de suspender o cerco, em último caso”.

“Apenas ao suspender os fechamentos debilitantes podemos ter esperanças de uma solução sustentável para a crise humanitária e de uma estabilidade de longo prazo”.

Al-Khodari enfatizou que o fechamento das travessias implica em perdas massivas à economia de Gaza, à medida que 90% das fábricas locais deixaram de operar e que o desemprego supera 60% da população disponível.

Segundo o parlamentar palestino, as travessias e as condições de vida da comunidade civil não devem ser parte da equação política e de segurança.

“Fechar as travessias é uma violação flagrante da lei internacional, da Quarta Convenção de Genebra e da Declaração Universal de Direitos Humanos”, reiterou.

LEIA: Abbas se reúne com delegação do Congresso dos EUA e aplaude o apoio de Biden aos palestinos

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments