Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Crise da Barragem da Renascença está “além do escopo” do Conselho de Segurança da ONU

Obras da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), perto de Guba, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019 [EDUARDO SOTERAS / AFP via Getty Images]
Obras da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), perto de Guba, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019 [EDUARDO SOTERAS / AFP via Getty Images]

O Conselho de Segurança da ONU revelou na quinta-feira que não será capaz de resolver a disputa entre Egito, Sudão e Etiópia sobre a Represa da Renascença no Rio Nilo porque a questão está “além do escopo” do organismo internacional. A reclamação chocou o Egito e o Sudão.

Embora o conselho deva discutir o assunto, explicou o embaixador da França na ONU Nicolas de Rivière – a França tem a presidência rotativa do conselho em julho – não será capaz de resolver o problema relacionado ao segundo enchimento do reservatório atrás da barragem.

“Esta questão é entre Egito, Sudão e Etiópia, e esses três países devem discutir e chegar a acordos logísticos em relação à cooperação e participação nas cotas de água”, disse de Rivière. “Honestamente, não acho que o Conselho de Segurança tenha a experiência logística para decidir quanta água deve ir para o Egito ou Sudão … Esta questão está além do escopo e da capacidade do Conselho de Segurança.”

Ele sugeriu que o conselho pode convidar os três países a expressarem suas preocupações, “algumas das quais” são legítimas. “Então o Conselho de Segurança encorajará as partes a voltarem à mesa de negociações para chegar a uma solução … Não acho que haja mais nada que o Conselho de Segurança possa fazer”.

LEIA: Etiópia rejeita apelo sudanês para levar a questão da barragem à ONU

A Etiópia insiste em um segundo enchimento do reservatório neste mês e em agosto, mesmo que não chegue a um acordo com os países a jusante. O governo afirma que isso não tem a intenção de prejudicar o Egito e o Sudão, mas sim gerar eletricidade para fins de desenvolvimento.

O Egito está insistindo em um acordo tripartite antes de encher e operar a barragem, a fim de garantir o fluxo contínuo de sua parcela anual de água do Nilo. O Sudão, no entanto, expressou sua disposição “condicional” de aceitar um “acordo parcial” proposto pela Etiópia sobre o segundo enchimento do reservatório.

O governo do Cairo alertou o Conselho de Segurança da ONU sobre a internacionalização da crise da Barragem Renascença Etíope. “Depois de dez anos de negociações, a questão evoluiu para causar atrito internacional”, disse o Ministério das Relações Exteriores em carta datada de 25 de junho. “Isso poderia colocar em risco a paz e a segurança internacionais. Portanto, o Egito optou por submeter esta questão ao Conselho de Segurança da ONU.”

O ministério enfatizou a necessidade de realizar uma sessão urgente do Conselho de Segurança sob ‘Paz e Segurança na África’ e observou que “a situação constitui uma ameaça iminente à paz e segurança internacionais e requer consideração imediata.” Instou a ONU a considerar “medidas apropriadas para garantir que a crise seja resolvida de forma justa e de uma maneira que proteja e mantenha a segurança e estabilidade em uma região já frágil, e a tomar as medidas apropriadas para fazê-lo”.

O Egito e o Sudão, apontou o ministério, não têm garantias verificadas de forma independente quanto à segurança da enorme barragem e sua estabilidade estrutural. “Isso levanta preocupações no Sudão sobre a sua barragem Roseires e no Egito sobre a segurança da barragem de Aswan High.”

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudão
Show Comments
Show Comments