Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

91% das crianças de Gaza sofrem traumas psicológicos após a agressão de Israel

Crianças palestinas são vistas brincando em um carro destruído pelos ataques israelenses em Beit Lahia, Gaza, em 07 de junho de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]
Crianças palestinas são vistas brincando em um carro destruído pelos ataques israelenses em Beit Lahia, Gaza, em 07 de junho de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Nove em cada dez crianças na Faixa de Gaza atualmente sofrem algum tipo de trauma relacionado ao conflito depois que o ataque militar israelense terminou há mais de um mês, de acordo com o Euro-Mediterranean Human Rights Monitor (Euro-Med Monitor).

Um relatório de direitos humanos publicado na sexta-feira revelou que 91 por cento das crianças na Faixa de Gaza sofreram traumas psicológicos após a última agressão israelense em maio passado.

Além dos mais de 260 mártires reivindicados pela agressão, incluindo famílias inteiras, centenas ficaram feridos, milhares de casas foram total ou parcialmente destruídas e danos drásticos à economia e à infraestrutura foram causados ​​durante a agressão de 11 dias.

O relatório divulgado pela organização intitulado “One War Older” documenta as estatísticas mais proeminentes das violações sofridas pelos “dois grupos mais vulneráveis ​​na faixa sitiada”, mulheres e crianças. Cerca de 50 por cento da população da Faixa de Gaza – mais de dois milhões de pessoas – são crianças com menos de 15 anos e 49 por cento são mulheres.

O relatório apontou que durante a recente guerra contra Gaza entre 10 e 21 de maio, que a ocupação chamou de “Operação Guardiã dos Muros”, as forças israelenses realizaram ataques desproporcionais contra bairros residenciais densamente povoados com uma população majoritária de crianças e mulheres (75 por cento).

Além do grande número de mortes e ferimentos entre crianças e mulheres, o Euro-Med Monitor divulgou que 241 crianças perderam um ou ambos os pais como resultado do bombardeio, cerca de 5.400 crianças perderam suas casas e 42.000 crianças tiveram suas casas parcialmente estragadas.

Sessenta e seis crianças foram mortas no bombardeio israelense de Gaza em 11 dias, enquanto 470 crianças e 310 mulheres ficaram feridas.

O relatório surge depois de mais de cinco semanas de pesquisa de campo conduzida pela equipe do Euro-Med Monitor, que documentou centenas de casos de alvos diretos contra lares de civis que abrigam um grande número de mulheres e crianças.

Cerca de 72.000 crianças foram deslocadas para escolas da UNRWA ou casas de parentes durante o ataque israelense, enquanto mais de 4.000 crianças permanecem deslocadas, de acordo com o Euro-Med Monitor.

Mariam Dawwas, uma pesquisadora de campo do Euro-Med Monitor, afirmou que ela e a equipe de campo documentaram centenas de casos de alvos diretos de civis em suas casas no ataque feroz e em grande escala sem precedentes na Faixa de Gaza.

Dawwas, que foi deslocada com seu filho depois que jatos de combate israelenses alvejaram seu prédio, explicou: “Não há muita diferença dos três ataques anteriores em Gaza, exceto por uma coisa: hoje eu estava entre aqueles que documentei. Corri com eles e gritei em busca de minha filha e saí de casa depois que um ataque aéreo atingiu o prédio”.

Ela expressou que ela e sua filha de três anos estão procurando razões para viver e passam por “transtorno de estresse pós-traumático, como a grande maioria dos residentes de Gaza”.

O relatório também indicou que cerca de 2.500 mulheres grávidas com parto previsto para os próximos três meses podem sofrer complicações durante o parto como efeito direto ou indireto da crise.

O Euro-Med Monitor divulgou seu primeiro relatório sobre o ataque militar israelense a Gaza, intitulado “Inescapable Hell”, que documentou casos de alvos em massa de famílias e infraestrutura.

A organização deve emitir um novo relatório nos próximos dias sobre as perdas econômicas sofridas pela Faixa de Gaza sitiada devido ao ataque.

LEIA: Jihad Islâmica se recusa a vincular a reconstrução de Gaza a israelenses detidos

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments