Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os palestinos em Gaza estão cansados do ciclo de destruição e reconstrução

Voluntários limpam um beco no distrito comercial de Al-Remal na cidade de Gaza, recentemente alvo de ataques aéreos israelenses, em 23 de maio de 2021 [Emmanuel Dunand/AFP via Getty Images]
Voluntários limpam um beco no distrito comercial de Al-Remal na cidade de Gaza, recentemente alvo de ataques aéreos israelenses, em 23 de maio de 2021 [Emmanuel Dunand/AFP via Getty Images]

Gaza sofreu durante catorze anos com o bloqueio liderado por Israel, que teve o efeito de uma quarentena forçada. Isso é algo com o qual o restante de nós já está bem acostumado, graças à pandemia do coronavírus. Você já está entediado com a quarentena e as restrições na vida cotidiana? E as viagens restritas e as oportunidades de negócios? Os palestinos na Faixa de Gaza enfrentam isso há quatorze longos anos.

Durante esse tempo, aconteceram inúmeras ofensivas e incursões militares israelenses de grande e pequena escala. O último viu Israel destruindo blocos de torres residenciais e de uso misto, deixando milhares de pessoas desabrigadas e centenas de desempregados. O ataque contra a maioria da população civil ocorreu após a defesa dos grupos de resistência da Mesquita de Al-Aqsa e das pessoas no bairro Sheikh Jarrah em Jerusalém que enfrentam ser expulsas de suas casas para dar lugar a colonos israelenses ilegais.

Os israelenses também visaram a infraestrutura civil em Gaza. As linhas de eletricidade explodiram e os já escassos suprimentos de água foram cortados ainda mais. Até as estradas que levam ao Hospital Al-Shifa da Cidade de Gaza foram atacadas, tornando impossível para as ambulâncias passarem com as vítimas.

LEIA: ‘Morte aos judeus’ seria um escândalo internacional, mas Israel tem passe livre

De acordo com o autor e cientista palestino Dr. Mazin Qumsiyeh, estamos testemunhando um “genocídio em câmera lenta”. O especialista em biodiversidade está envolvido no treinamento de jovens palestinos em técnicas de agricultura e pesca usando recursos limitados em espaço limitado. A ocupação torna difícil até mesmo fazer isso.

De acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA, na sigla em inglês), oitenta por cento da população de Gaza depende de ajuda humanitária. O fechamento das passagens de fronteira limita o acesso à educação, ao emprego e a outras oportunidades, incluindo cuidados médicos. As instalações para fornecer água potável e eletricidade para quase dois milhões de palestinos no território costeiro dependem de materiais e peças sobressalentes que não podem ser importados devido ao bloqueio.

Essa situação caótica criada pela ocupação israelense significa que a Palestina atrai pouco Investimento Estrangeiro Direto (IED). O Relatório de Investimento Mundial de 2020 da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento observa que o IED na Palestina foi responsável por US$ 176 milhões em 2019, abaixo dos US$ 252 milhões recebidos em 2018.

LEIA: Israel solicitará US$ 1 bilhão a mais em ajuda militar dos EUA

Enquanto isso, algumas empresas privadas estão competindo para ajudar na reconstrução de Gaza. Uma das iniciativas mais importantes é a promovida pelo enviado do Catar a Gaza, Mohammed Al-Emadi, que persuadiu a empresa de gás Delek a canalizar parte do gás natural offshore de Israel para uma estação de energia na empobrecida Faixa em 2019, sob um contrato entre Delek e Autoridade Palestina. Vários países apoiam esta iniciativa.

Ter um fornecimento de energia seguro ajuda a aliviar a terrível situação econômica e humanitária em Gaza. Há apenas uma usina no território e esta depende do diesel da Israel Electric Corporation, bem como do Egito, para a maior parte de sua energia. Ademais, o Catar compra cerca de US$ 5 milhões em combustível todos os meses para a usina.

Além disso, os EUA planejam reabrir uma missão em Jerusalém ocupada para administrar as relações com os palestinos, que foram rebaixadas pelo governo Trump. Washington também anunciou que a Casa Branca de Biden está pedindo ao Congresso US$ 75 milhões em ajuda para os palestinos, incluindo US$ 5,5 milhões em ajuda imediata para o trabalho de reconstrução em Gaza. Essa é uma gota no oceano quando comparada com os US$ 3 bilhões que os EUA dão a Israel todos os anos apenas em ajuda militar.

Com o Egito dizendo estar alocando US$ 500 milhões para os esforços de reconstrução na Faixa de Gaza, as coisas parecem um pouco mais brilhantes para os palestinos no enclave, mas eles perguntam, com toda a legitimidade, quanto tempo isso vai durar. Os países doadores gastaram bilhões de dólares para reconstruir o que foi destruído por Israel em 2014. Agora, eles colocarão mais dinheiro no território para reconstruir o que foi explodido na última ofensiva de Israel. É perfeitamente razoável que os palestinos estejam fartos desse ciclo constante de destruição e reconstrução.

Em qualquer caso, a reconstrução de Gaza não será fácil, pois Israel controla praticamente tudo que entra na Faixa, bem como quem pode ou não pode entrar e sair. As exportações também são rigidamente controladas, de modo que as dificuldades econômicas são um fato da vida.

LEIA: A dicotomia de viver em dois mundos

Um ativista palestino tuitou uma fotografia recentemente mostrando pessoas comuns limpando suas ruas depois que o cessar-fogo entrou em vigor. É uma imagem poderosa que nos mostra o que há de melhor no poder das pessoas. Os palestinos na Faixa de Gaza reconstruirão tijolo por tijolo se for necessário, com ou sem apoio de outros lugares.

https://twitter.com/MuhammadSmiry/status/1396396943635533826

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments