Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel mostra suas verdadeiras cores

Forças israelenses, que invadiram o painel, intervêm nos palestinos e deteve 4 pessoas, incluindo dois membros da imprensa, no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, em 27 de maio de 2021. [Mostafa Alkharouf/ Agência Anadolu]

Jovens ativistas das redes sociais conseguiram expor o estado de ocupação pelo que realmente é, em termos de fragilidade e fraqueza, por um lado, e brutalidade e tirania, por outro, ao contrário da imagem que tem sido constantemente promovida pelos sionistas que afirmam que Israel é a única democracia no Oriente Médio.

Ativistas documentaram todas essas discrepâncias com som e imagem, enquanto filmavam um soldado brigando com um jovem que subia em seu veículo blindado para erguer a bandeira palestina, gravavam agentes de segurança israelense tentando prender uma vassoura, ou um policial que tentou prender uma criança de sete anos por supostamente atirar pedras! Atrás deles, alguns outros soldados prendiam uma criança com menos de 12 anos pelo “crime” de hastear a bandeira palestina em sua bicicleta.

A ocupação e seus assessores estão desperdiçando energia e esforços em perseguir aqueles que mostram solidariedade ao povo dos bairros onde os palestinos são ameaçados de deslocamento forçado, e perseguindo todos que hasteiam uma bandeira palestina, mesmo que seja puxada por uma pipa.

Há poucos dias, a polícia de ocupação anunciou que o dono de uma loja de sucos foi intimado para interrogatório por supostamente distribuir coquetéis gratuitos com o nome da Intifada de Jerusalém durante os últimos eventos em Jabel Mukaber, na Jerusalém ocupada.

Esses exemplos e muitos outros mostram como os invasores são fracos e como estão cheios de medo.

Por meio de seu racismo e estupidez, a ocupação israelense motiva as pessoas a resistir pelo bem da Palestina, pois insiste em judaizar o Estado e, portanto, exclui outras religiões e pratica leis racistas e discriminatórias contra os cidadãos árabes de Israel.

LEIA: O apartheid colonial avança na Câmara de Deputados

A ocupação dilacerou o país com os muros do apartheid, enquanto tentava implacavelmente expulsar as pessoas das próprias casas, sem falar no assassinato e prisão de crianças, e a lista continua.

Israel continua a ocupar aldeias pertencentes a palestinos em Jerusalém, deslocando muitos de suas casas – Cartoon [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Essas atrocidades deram uma visão da comunidade internacional sobre a verdadeira face do Estado sionista, levando a uma queda dramática do apoio global à ocupação, em favor de uma onda crescente de simpatia pela narrativa palestina, que veio à tona graças às marchas de solidariedade com a Palestina que varreu o mundo durante a recente agressão.

Em seu artigo intitulado Israel should take note: the weight of opinions is turning against it, ( Israel deve tomar nota: o peso das opiniões está se voltando contra ele), o colunista do Guardian, Jonathan Freedland, disse que “o #FreePalestine pode estar a caminho de se juntar ao #MeToo ou #BlackLivesMatter como um problema que uma geração global considera como de de suprema importância, defendida não apenas por políticos, mas pelas luzes da cultura popular, de jogadores de futebol a cantores e influenciadores da moda com milhões de seguidores. ”

Uma pesquisa conduzida pela YouGov, uma empresa de pesquisas de dados e opinião pública global revelou um recente declínio na popularidade do Estado de ocupação em todos os países europeus.

O grupo analítico declarou em seu site que “a favorabilidade de Israel em toda a Europa sofreu significativamente desde que a testamos pela última vez em fevereiro,… caindo pelo menos 14 pontos em todos os países pesquisados.”

O YouGov demonstrou que Israel é o menos apoiado entre os britânicos, e sua favorabilidade é a mais baixa entre os eleitores trabalhistas, dos quais apenas 13 por cento vêem Israel de maneira favorável, enquanto 68 por cento têm uma opinião negativa sobre suas políticas.

A empresa de dados também indicou que 52 por cento dos eleitores conservadores têm uma impressão desfavorável de Israel, em comparação com 29 por cento que vêem o estado sionista de forma favorável, observando que a “próxima maior queda na preferência de Israel” é vista na França, Alemanha, Suécia e outros países ao redor do mundo.

Lembro-me aqui de quando o fundador do Congresso Judaico Mundial (WJC) Nahum Goldmann disse que a confiança dos israelenses em sua superioridade constante havia acabado, pois sua frente moral interna passou por um estado de fraqueza sem precedentes … e esta é a situação mais perigosa que pode ser experimentada pelas nações em geral e por Israel em particular.

LEIA: Derrubando Netanyahu

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AlemanhaArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaFrançaIsraelOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Show Comments