Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É difícil imaginar o que é perder sua casa, mas os palestinos sabem, diz oficial de direitos humanos

Zakariya Odeh, coordenador da Coalizão Civil pelos Direitos Palestinos em Jerusalém [CCPRJ]
Zakariya Odeh, coordenador da Coalizão Civil pelos Direitos Palestinos em Jerusalém [CCPRJ]

Um fedor paira sobre o Sheikh Jarrah hoje, enquanto seus residentes continuam a ser perseguidos pelas autoridades de ocupação. Os palestinos no pequeno bairro da Jerusalém Oriental ocupada estão sendo espancados brutalmente e presos por soldados israelenses armados e prontos para o combate, alguns a cavalo. Balas de aço revestidas de borracha também foram disparadas. O cheiro vem do esgoto espalhado pelos israelenses em casas, lojas, restaurantes, espaços públicos e instituições culturais palestinas.

“Os soldados israelenses estão usando a água suja como uma das muitas maneiras de impedir os palestinos de se reunirem para protestar contra a expropriação forçada de várias famílias em Sheikh Jarrah”, explicou Zakariya Odeh, coordenador da Coalizão Civil pelos Direitos Palestinos em Jerusalém (CCPRJ, na sigla em inglês). O líquido fedorento, conhecido como água de gambá, causa náusea, dor de estômago e irritação na pele. Foi desenvolvido por uma empresa israelense para dissuadir os manifestantes de exercerem seus direitos democráticos.

Sheikh Jarrah já foi um pomar arejado situado a menos de um quilômetro ao norte das antigas muralhas da Cidade Velha de Jerusalém. As casas onde os palestinos locais viveram por 65 anos estão repletas de móveis entalhados à mão, tapetes ornamentados e bordados tradicionais. Agora o bairro foi transformado em zona militar.

Um total de oito famílias, cerca de 78 pessoas, incluindo 28 crianças, estão agora ameaçadas de expulsão de suas casas e terras para dar lugar aos colonos israelenses. É um movimento que é ilegal segundo o direito internacional.

“Os soldados israelenses colocaram barreiras em todas as entradas do bairro”, explicou Odeh. “O bairro está bloqueado, barricado com barreiras de cimento. Qualquer pessoa que não seja residente está proibida de entrar para impedir que os palestinos mostrem seu apoio.”

LEIA: Que tipo de apoio Turquia dará ao povo palestino?

Nem mesmo as filhas casadas e os filhos das famílias que vieram nos visitar durante o Ramadã foram autorizados a entrar, porque o endereço em suas identidades não era de Sheikh Jarrah, ele ressaltou. Os soldados permitem que grandes grupos de colonos armados vaguem fora das casas à vontade, no entanto. Eles provocam os palestinos roubando do comércio local e espancando os residentes.

As 28 famílias que estão no centro da questão moram em Sheikh Jarrah desde 1950, depois de serem forçadas a abandonar ou fugir de suas casas durante a limpeza étnica da Nakba de 1948. Eles foram realojados no bairro pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). “Sheikh Jarrah é um bairro estabelecido em 1956 pelo governo jordaniano e pela UNRWA”, disse Odeh. “Eles construíram casas para 28 famílias que se tornaram refugiadas em 1948.”

Jerusalém Oriental era administrada na época pelo Reino Hachemita da Jordânia. Governou a Cisjordânia de 1948 a 1967. Parte do acordo de moradia entre a UNRWA e a Jordânia era que a propriedade das casas passaria para as famílias se elas renunciassem ao status de refugiado. As escrituras oficiais de suas casas estão em seus nomes.

Israel ocupou a Cisjordânia e Jerusalém Oriental na Guerra dos Seis Dias de 1967 e ainda está lá. O governo israelense afirma que o que está acontecendo em Sheikh Jarrah é “uma disputa imobiliária”. Isso, disse Odeh, é risível.

Em 1982, observou ele, os residentes de Sheikh Jarrah foram enganados por um advogado israelense designado para defendê-los quando as organizações de colonos entraram com um pedido de despejo contra 24 famílias. Após anos de disputas legais, a advogada, Tosia Cohen, fez um acordo com os colonos sem consultar as famílias palestinas.

“A propriedade da terra passou para os grupos de colonos, e os moradores do bairro tornaram-se inquilinos em suas próprias casas. O acordo que Cohen fez com os colonos desde então se tornou a base legal para a expulsão de mais famílias palestinas.”

A violência e as expulsões forçadas no bairro já duram mais de dez anos. Agora está em uma escala muito maior e mais ameaçadora.

LEIA: Os próximos confrontos em Jerusalém podem levar a uma nova Intifada

Dezenas de milhares de pessoas marcham de Embankment para Hyde Park em solidariedade com o povo palestino, em 22 de maio de 2021, em Londres, Inglaterra [Foto de Guy Smallman/Getty Images]

Dezenas de milhares de pessoas marcham de Embankment para Hyde Park em solidariedade com o povo palestino, em 22 de maio de 2021, em Londres, Inglaterra [Foto de Guy Smallman/Getty Images]

Memórias dolorosas ainda estão frescas na mente de Odeh. Em 2002, 43 palestinos foram expulsos da área e colonos israelenses assumiram suas propriedades. Ele lembrou que, em 2009, os Ghawis, junto com a família Hanoun – um total de 55 pessoas -, foram forçados a deixar suas casas; seus móveis e pertences estavam espalhados pelo gramado.

Essas expulsões têm sido criticadas em todo o mundo, inclusive na ONU, pelos Estados Unidos e pela União Europeia. No entanto, meras palavras sobre a ocupação de Israel e a agressão de rotina contra os palestinos não são mais suficientes. Desde a criação de Israel na Palestina ocupada em 1948, o estado violou repetidamente o direito internacional. Odeh acredita que deve enfrentar sanções por isso.

“Uma delegação de 25 diplomatas chegou da UE e ficou acalorada quando famílias do Sheikh Jarrah disseram a eles que as declarações condenando os ataques israelenses não são suficientes, porque Israel simplesmente desconsidera todos eles”, ele me disse. “Deixamos bem claro para eles que, a menos que haja alguma ação séria por parte da UE e da comunidade internacional, Israel continuará a fazer o que tem feito durante toda a ocupação.” Em outras palavras, a limpeza étnica iniciada em 1948 continuará.

LEIA: ‘Todo mundo era um alvo’, diz testemunha dos ataques israelenses à mesquita de Al-Aqsa

O coordenador do CCPRJ insistiu que o governo jordaniano e a UNRWA têm o dever de proteger os refugiados no distrito cujo status foi rescindido em 1956 em troca de uma promessa que nunca foi cumprida. Ele exigiu que o governo jordaniano pressionasse as autoridades israelenses a reconhecer que os residentes são os proprietários legais de suas casas, não os colonos.

“Esses governos e autoridades nunca podem imaginar o que significa perder sua casa. Eles nunca vão entender como é ser expulso com seus filhos e não ter para onde ir; ter seus direitos básicos violados e minados. Mas os palestinos sim.”

O destino de suas famílias e terras é incerto. No entanto, Zakariya Odeh disse estar esperançoso por causa da mobilização de palestinos e pessoas ao redor do mundo contra a expropriação forçada, que ele acredita ter sido suficiente para fazer a Suprema Corte de Israel adiar uma decisão que poderia ter feito algumas famílias serem expulsas de suas casas até 6 de maio.

“Para onde as famílias devem ir? Para as ruas?”, ele perguntou. “As crianças estão traumatizadas o suficiente, estão com medo de sair de suas casas por causa dos guardas fortemente armados e dos colonos vagando por aí. Já chega.” De fato; o suficiente certamente é o suficiente.

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments