Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Todo mundo era um alvo’, diz testemunha dos ataques israelenses à mesquita de Al-Aqsa

Fotojornalista palestino Mohammed Ateeq [Mohammed Ateeq]
Fotojornalista palestino Mohammed Ateeq [Mohammed Ateeq]

O fotojornalista palestino Mohammed Ateeq estava cobrindo os ataques israelenses contra fiéis nos pátios da mesquita de Al-Aqsa na semana passada, quando as forças de segurança atiraram nas costas dele com balas de aço revestidas de borracha. Ele e seus colegas também foram feridos por estilhaços de granadas disparadas diretamente contra eles pelas forças israelenses, que também dispararam gás lacrimogêneo, fazendo com que jornalistas e fiéis desmaiassem e sufocassem no local sagrado. Esses ataques começaram na sexta-feira, 7 de maio.

De acordo com o sheikh Azzam Al-Khatib, diretor-geral do Departamento de Doações Islâmicas em Jerusalém, naquele dia cerca de 70.000 palestinos realizaram a quarta e última oração da sexta-feira do Ramadã na Mesquita de Al-Aqsa na cidade ocupada, apesar das restrições israelenses.

Fotojornalista palestino Mohammed Ateeq (esq.) [Mohammed Ateeq]

Fotojornalista palestino Mohammed Ateeq (esq.) [Mohammed Ateeq]

“O grande número de fiéis levantou preocupações das autoridades israelenses, especialmente porque havia planos para 30.000 colonos israelenses celebrarem um feriado judaico alguns dias depois, chamado de Dia de Jerusalém”, disse-me Ateeq. O ataque israelense à mesquita foi uma tentativa de esvaziar o santuário.

“As forças israelenses invadiram Al-Aqsa e alvejaram as pessoas enquanto elas oravam”, lembrou ele. “A duração da oração foi de duas horas. Ao longo dessas duas horas, as vítimas aumentaram. Metade dos fiéis estava orando e a outra metade tentou protegê-los dos ataques.” Mais de 70 por cento dos fiéis foram expulsos da mesquita e forçados a deixar o Nobre Santuário.

“Segunda-feira foi o dia da grande tempestade, após três dias de ataques contínuos aos fiéis”, explicou Ateeq. “Três mil soldados entraram na mesquita, a primeira vez para um número tão grande desde o levante de 2000. Muitas pessoas ficaram feridas, porque os soldados miraram deliberadamente em suas cabeças, rostos e olhos. Eu vi pessoas que perderam os olhos. Todo mundo era um alvo, e a intenção era claramente ferir as pessoas.”

O escritório de assuntos humanitários da ONU nos territórios palestinos ocupados (OCHA) disse que as forças israelenses feriram 1.000 palestinos em Jerusalém Oriental entre 7 e 10 de maio. “O número real de feridos é muito maior do que os números oficiais relatados. A maioria dos casos como o meu não foi registrada porque não íamos aos hospitais para o caso de sermos presos”, destacou Ateeq.

Apenas duas semanas antes dos ataques à mesquita, ele foi de fato preso enquanto se dirigia para a segunda oração do Ramadã na sexta-feira na mesquita de Al-Aqsa. Ele só foi libertado cinco dias depois e forçado a assinar uma promessa de que seria detido por um mês e multado em 1.000 siclos se fosse pego entrando nos territórios ocupados novamente, incluindo Al-Aqsa.

LEIA: NAKBA: o povo palestino continuará resistindo.

A polícia israelense fechou as portas da mesquita Qibli dentro do complexo de Al-Aqsa com correntes, apesar da presença de fiéis, incluindo crianças, no interior, alegou Ateeq. “Os israelenses trancaram os fiéis dentro da mesquita de Al-Aqsa enquanto tentavam escapar dos ataques. Eles quebraram as janelas da mesquita através da qual atiraram granadas e bombas de gás lacrimogêneo contra os que se abrigavam lá.”

 

Além de atacar fiéis e jornalistas, as forças israelenses também tinham como alvo a equipe médica palestina que tentava oferecer primeiros socorros e recuperar as vítimas. O Crescente Vermelho Palestino disse em um comunicado publicado em 11 de maio que as forças israelenses também danificaram duas ambulâncias.

“A intenção era claramente bloquear qualquer ajuda médica dada às vítimas dos ataques”, disse Ateeq. Os apelos de alto-falantes dos Imams na mesquita para acabar com a violência foram ignorados. “Comecei a chorar por causa da sensação de impotência. Foi muito doloroso.”

LEIA: O uso da força por Israel contra os palestinos continua, já que nunca foi responsabilizado, diz HRW

É crença de Ateeq que o que está acontecendo em Al-Aqsa é uma tentativa das autoridades de ocupação israelenses de acabar com o culto islâmico na mesquita e transformá-la em uma atração turística apenas.

“Eles querem impor uma divisão temporal e espacial do complexo da mesquita de Al-Aqsa: manhã e meio-dia para colonos ilegais e à tarde para os muçulmanos”, concluiu.

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments