Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cuba comemora o aniversário da primeira missão médica na Argélia

Presidente argelino Ahmed Ben Bella (C) 5 de julho de 1964 em Argel [STF / AFP via Getty Images]
Presidente argelino Ahmed Ben Bella (C) 5 de julho de 1964 em Argel [STF / AFP via Getty Images]

Cuba celebrou o 58º aniversário do envio de sua primeira missão médica à Argélia em 23 de maio de 1963. O então presidente Fidel Castro pediu aos cubanos que contribuíssem para suprir a falta de profissionais de saúde no país com a saída do poder colonial frances.

Uma equipe médica foi composta por 54 profissionais de saúde que partiram para a Argélia. Eram 29 médicos, quatro dentistas, 14 enfermeiras e sete técnicos de saúde.

Antes de viajar a Cuba na época, o primeiro ministro da Argélia, Ahmed Ben Bella, foi a Nova York para participar da cerimônia de admissão de seu país às Nações Unidas. Ben Bella embarcou no avião com destino à ilha caribenha no dia seguinte e foi recebido no Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, por Fidel Castro, comandante em chefe da Revolução Cubana.

Poucas horas depois da chegada de Ben Bella, o líder cubano discursou na inauguração do Instituto Victoria de Giron de Ciências Básicas e Pré-clínicas, em Havana. Ele disse que a missão médica enviada para ajudar a Argélia amenizou a partida de médicos franceses após independência, quando o país lutava contra a escassez significativa de profissionais de saúde.

“A maioria dos médicos da Argélia eram franceses e muitos deles deixaram o país”, explicou Castro. “São milhões de argelinos e o colonialismo deixou-os com muitas doenças. A população da Argélia é quatro milhões a mais que a de Cuba, mas eles têm apenas um terço do número de nossos médicos, menos ainda … Por isso eu disse aos alunos que precisamos 50 médicos como voluntários para irem para a Argélia. ”

As palavras de Castro foram bem recebidas por muitos médicos que expressaram sua vontade de ir ajudar os argelinos. Foi assim que começou a primeira missão de solidariedade médica de Cuba para fornecer serviços de saúde além das fronteiras do país.

LEIA: Lutas irmãs: a América Latina rebelde que sofre por Gaza

Categorias
ÁfricaArgéliaCaribeCubaNotícia
Show Comments
Show Comments