Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A luta para construir, reconstruir e manter funcionando as escolas maternais palestinas

Suleiman Mleahat, Diretor do Programa de Educação da American Near East Refugee Aid (ANERA) [Suleiman Malahat]
Suleiman Mleahat, Diretor do Programa de Educação da American Near East Refugee Aid (ANERA) [Suleiman Malahat]

O direito fundamental à educação está consagrado no direito internacional. Por décadas, porém, o setor de educação na Palestina teve que lidar com a imposição opressiva e violenta da ocupação ilegal de Israel. Sem dúvida, teve um efeito negativo.

Escolas foram danificadas e demolidas e equipamentos foram confiscados. Juntamente com o fechamento forçado, isso restringiu o acesso das crianças à educação, e os pré-escolares palestinos não ficaram isentos de tais dificuldades. E, no entanto, este é o estágio mais significativo da educação de uma criança, disse-me o Diretor do Programa de Educação da American Near East Refugee Aid (ANERA), Suleiman Mleahat.

“O período da primeira infância, da concepção aos cinco anos de idade, é o período mais crítico na vida de qualquer pessoa, pois é quando as crianças formam sua personalidade e suas habilidades cognitivas e de linguagem”, explicou ele. “Como tal, nutrição, segurança, saúde, estimulação e cuidados são essenciais nos primeiros cinco anos de vida de qualquer pessoa. Você pode determinar muito bem a vida de uma pessoa a partir de como ela viveu e cresceu nos primeiros anos.”

LEIA: Hamas denuncia negligência da UNRWA em relação aos deslocados para suas escolas em Gaza

Tendo passado sua própria infância vivendo em uma comunidade de refugiados pobres no sul da Palestina, Mleahat se sente compelido, quando adulto, a trabalhar duro para melhorar as perspectivas para as crianças palestinas. A necessidade de proteger o acesso dos palestinos à educação é mais urgente agora do que nunca, disse ele. “Estou muito ciente do que uma educação de qualidade pode ter no futuro de uma criança. É transformadora em todos os sentidos da palavra.”

Destruindo a esperança e os meios de educação e, com isso, o futuro das crianças e jovens palestinos, Israel impede os palestinos de construir escolas e outras estruturas públicas, negando-lhes as licenças de construção. Essas escolas palestinas que existem há muito tempo estão sujeitas à violência israelense. Nesta semana, o exército israelense ameaçou explodir as escolas Al-Aqsa e Al Bouraq na Faixa de Gaza, enquanto se preparavam para acomodar os deslocados pela última ofensiva militar do estado de ocupação.

Pelo menos 212 palestinos foram mortos, incluindo 61 crianças, no ataque de Israel a Gaza desde 10 de maio, de acordo com o Ministério da Saúde no território. Mais de 11.305 pessoas também ficaram feridas, com dezenas de prédios destruídos ou danificados no bombardeio. Como resultado, pelo menos 52.000 pessoas agora não têm onde morar. À medida que a ofensiva contra os palestinos continua, muitos temem que as ameaças de bombardear as escolas se tornem realidade, até porque as chamadas Forças de Defesa de Israel têm um histórico de ataques a escolas.

Durante a ofensiva israelense de 2014 contra a grande maioria da população civil em Gaza, os israelenses destruíram 24 escolas. Além disso, a artilharia israelense matou pelo menos quinze palestinos abrigados em uma escola administrada pela ONU e outros dezessete em um mercado de rua próximo. Em fevereiro de 2018, o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) disse que pelo menos 45 escolas na Palestina estavam enfrentando a ameaça de destruição pelas autoridades de ocupação israelenses.

A ANERA foi criada após a Guerra dos Seis Dias de 1967 para atender às necessidades humanitárias dos refugiados palestinos. É uma organização não governamental (ONG) que investe na reforma de escolas e na formação de professores dos primeiros anos na Palestina e no Líbano. Nas últimas cinco décadas, ela gastou dezenas de milhões de dólares em programas humanitários, agrícolas, de água, saneamento, educação e saúde.

Sulieman Mleahat possui mestrado em desenvolvimento internacional pela University of Bristol, na Grã-Bretanha, com foco em Desenvolvimento na Primeira Infância e Educação Básica de Qualidade.

LEIA: Na batalha pela libertação, Gaza está mais perto de Jerusalém do que Ramallah

“A pré-escola desempenha um papel importante na educação das crianças na Palestina”, ressaltou. “Ele oferece a oportunidade para as crianças receberem refeições e cuidados de saúde, além de um bom estímulo para o desenvolvimento cognitivo do cérebro. Sem esse estímulo, ele começa a fechar e é altamente improvável que você se revigore. ”

As crianças na Cisjordânia ocupada – que tem sido atingida por uma onda de violência nas últimas semanas – sofrem os efeitos de traumas graves e prolongados, em números “grandes demais para determinar”. O ambiente hostil tem um impacto severo sobre sua condição psicossocial e desenvolvimento, impactando adversamente ainda mais sua capacidade de receber uma educação de padrão aceitável.

“Vejo o impacto que a ocupação tem sobre o povo palestino. Afeta a maneira como eles se comunicam, pois tendem a ficar mais violentos. Problemas de saúde mental são comuns. Existem muitos fatores de risco associados ao crescimento de uma criança palestina na Cisjordânia, Gaza e campos de refugiados em países vizinhos. O investimento na educação dos primeiros anos tende a abordar e diminuir o impacto desses fatores. A educação pré-escolar é uma das formas mais fortes de apoiar as crianças a sobreviver e prosperar. ”

Quando Mleahat ingressou na ANERA em 2010, o setor de educação pré-escolar na Palestina estava em um “estado terrível”, sem instalações básicas e com apenas 30 por cento das crianças atendidas. O Ministério da Educação era incapaz de fornecer os meios para o planejamento, sincronização e orçamento ao mesmo tempo em que lida com a situação geral do crescimento dos alunos no contexto da ocupação israelense em andamento.

“A maioria das pré-escolas não era adequada para o cuidado e a educação de crianças e quase todos os professores não tinham qualificações para ensinar nessa faixa etária”, observou. “Na época, o ministério administrava apenas duas creches e a maior parte da educação pré-escolar era atendida pelo setor privado e de caridade, com padrões mistos de atendimento e educação.”

Em suma, parece que o setor pré-escolar e a faixa etária foram simplesmente negligenciados porque os políticos não reconheciam a importância e o valor dessa educação. Assim, em colaboração com o ministério e outras organizações que buscam gerar maior interesse e investimento para o setor pré-escolar, a ANERA atualizou e equipou mais de 200 creches e treinou mais de 1.000 professores na última década.

“Nossa missão para os próximos dez anos é direta”, concluiu o Diretor do Programa de Educação da ANERA. “Queremos construir o maior número possível de creches para que as crianças tenham ambientes seguros e estimulantes com boa pedagogia para que elas – e a Palestina – tenham um futuro melhor”.

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments