Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Como as relações melhoradas entre Ancara e Cairo refletem positivamente em Trípoli

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan (dir.) e o primeiro-ministro do Governo de Unidade Nacional da Líbia, Abdul Hamid Dbeibeh, participam da cerimônia de assinatura entre dois países no Complexo Presidencial em Ancara, Turquia, em 12 de abril de 2021 [Adem Altan/AFP via Getty Images]

Cairo e Ancara estiveram em lados opostos durante boa parte dos últimos oito anos. Ancara viu a ascensão do presidente Abdel Fattah Al-Sisi ao poder em 2013 e a prisão de seu aliado, o ex-presidente Mohamed Morsi, como um golpe flagrante contra o presidente democraticamente eleito no Egito. Irritado, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou o governo egípcio de matar Morsi depois que ele faleceu na prisão em 19 de junho de 2019.

O presidente Al-Sisi, por outro lado, viu a retórica hostil da Turquia e a campanha negativa da mídia em relação a ele dentro do contexto regional mais amplo de disputa de poder e influência. Erdogan acreditava que os militares egípcios, liderados por Al-Sisi, expulsaram do poder o aliado político regional de Ancara, a Irmandade Muçulmana, apesar de vencer as eleições em 2012. O líder turco é regionalmente visto como o líder do Islã político na área, e ele também é uma fonte de inspiração para todos os partidos da Irmandade Muçulmana no Egito, Líbia e além.

A Líbia, vizinho ocidental do Egito, tornou-se o foco do conflito pelo domínio e pela influência regional entre os dois gigantes regionais, Turquia e Egito. Ancara apoiou o antigo governo de Trípoli, enquanto Cairo apoiou o renegado Marechal de Campo Khalifa Haftar. Quando ele lançou seu ataque em abril de 2019 para tomar Trípoli, Ancara e Trípoli assinaram um acordo de segurança e um acordo de demarcação de fronteira marítima. Isso enfureceu ainda mais o Egito e o pressionou a intensificar seu apoio a Haftar.

Eventualmente, Haftar perdeu a guerra em junho de 2020, graças ao apoio de Ancara a seus inimigos. Além de suas tropas regulares, a Turquia forneceu a Trípoli milhares de mercenários sírios para conter as forças de Haftar, que também estão sendo apoiadas por mercenários russos. Depois que as forças de Haftar foram perseguidas até suas posições atuais em torno de Sirte-Jufra, o presidente Al-Sisi traçou sua “linha vermelha” em torno da região da Líbia, não muito longe de seus vastos campos de petróleo e gás – outra causa importante de conflito potencial entre Ancara e Cairo.

LEIA: Exército da Turquia é implantado na Líbia para proteger os direitos e interesses do povo

Quando o novo Governo de Unidade Nacional da Líbia (GNU) chegou ao poder em 15 de março, Ancara e Cairo já estavam conversando secretamente. Os dois centros regionais de poder parecem ter, finalmente, percebido que seu confronto neste momento é prejudicial para ambos. Eles também perceberam que sua rivalidade provavelmente afetará negativamente a situação na Líbia. Ancara e Cairo têm a perder com os prolongados conflitos civis na Líbia, enquanto a estabilidade da Líbia apresenta enormes benefícios econômicos e de segurança para o Cairo em particular.

O primeiro contato diplomático entre Cairo e Ancara veio da Turquia em fevereiro passado, e no mês seguinte viu o primeiro sinal público de reaproximação diplomática. Em seguida, a primeira delegação turca a visitar o Cairo em oito anos, chefiada pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Sedat Onal, chegou ao Cairo para conversações em 5 de maio.

É muito cedo para dizer se o degelo dos laços entre os dois países superará suas diferenças. Eles devem resolver algumas diferenças desafiadoras sobre questões regionais e domésticas para ambas as capitais. Ancara deu início ao gesto positivo recusando canais de TV da oposição egípcia com sede em Istambul e Ancara.

As áreas significativas de conflito ainda a serem tratadas por ambas as partes incluem comércio e segurança regionais, exploração de energia no leste do Mediterrâneo e demarcação da fronteira marítima e conflito na Líbia.

O novo governo de Trípoli sabe que deve manter Cairo e Ancara conversando para prosseguir com sua agenda doméstica, incluindo as eleições presidenciais e legislativas nacionais marcadas para 24 de dezembro. Isso explica porque Cairo e Ancara foram as duas primeiras capitais visitadas pelo primeiro-ministro Abdul Hamid Dbeibeh imediatamente após a posse. Em 21 de abril, Trípoli recebeu uma grande delegação egípcia chefiada pelo primeiro-ministro Mostafa Madbouly. Os dois países assinaram uma série de memorandos de entendimento (MoU) em aviação civil, economia e telecomunicações.

A Turquia ainda tem tropas e milhares de mercenários sírios dentro da Líbia, e o Egito gostaria que essa presença militar acabasse o mais rápido possível. Embora outra rodada de combates entre os protagonistas líbios seja improvável, continua sendo uma possibilidade séria.

Nas últimas semanas, a primeira mulher ministra das Relações Exteriores da Líbia, Najla Mangoush, tem chamado todas as forças estrangeiras, incluindo as tropas turcas, a deixar a Líbia. No entanto, Ancara parece determinada a manter suas tropas na Líbia por um longo prazo e é improvável que aceite qualquer ideia de partida. Se Ancara finalmente decidir deixar a Líbia, não o fará a menos que obtenha garantias do Cairo de que o apoio deste último a Haftar está congelado. Trípoli e Ancara estão vinculados ao acordo de segurança de novembro de 2019 que dá à Turquia o direito de estacionar tropas na Líbia. Cairo não tem muitas opções além da diplomacia para conter o que quer que considere as consequências negativas de tal acordo de segurança entre a Líbia e a Turquia.

O que não está claro, e ainda tem potencial para envenenar a détente Ancara-Cairo, é o que acontecerá na Líbia em relação a duas coisas: segurança e as eleições planejadas para dezembro. O aliado do Egito, Haftar, ainda está por aí, no entanto, sem qualquer papel oficial no novo governo em Trípoli. No entanto, ele ainda tem o poder de interromper qualquer arranjo político de que não goste. Ancara não confia em Haftar, nem em seus aliados russos – o Grupo Wagner da Rússia ainda tem milhares de mercenários na Líbia apoiando Haftar. Cairo, por outro lado, não quer novos combates na Líbia, nem quer uma presença militar turca de longo prazo em solo líbio.

LEIA: Governo da Líbia cria fundo no valor de US$ 335 milhões para a reconstrução de Benghazi e Derna

Com o estado atual das relações, o único resultado sólido parece ser um jogo de soma zero em que Cairo vence, mas apenas se Ancara perder e vice-versa. Embora isso não seja totalmente falso, o papel da diplomacia é transformar a equação em um jogo em que todos ganham, não apenas para Ancara e Cairo, mas também para Trípoli. Se a paz não prevalecer na Líbia, as três capitais têm a perder.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoEuropa & RússiaLíbiaOpiniãoTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments