Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘A agressão em Gaza está chegando ao fim, o Hamas venceu a batalha da consciência’, disse Yedioth Ahronoth

Ataques israelenses destroem um banco na Faixa de Gaza (Ali Jadallah / Agência Anadolu)

As análises israelenses consideram que a contínua agressão levada a cabo pela ocupação em Gaza desde segunda-feira passada “está chegando ao fim”, indicando que o Hamas venceu uma batalha de consciência. Em contraste, os comandantes do exército israelense se gabam das “conquistas da força aérea”.

O principal comentarista político do Yedioth Ahronoth, Nahum Barnea, transmitiu na sexta-feira: “Apesar de toda a conversa sobre a intensificação dos ataques, a Operação Guardião das Muralhas está chegando ao fim”.

“O comando do exército israelense está orgulhoso das conquistas da Força Aérea, incluindo os maiores danos ao arsenal do Hamas, assassinato de oficiais superiores, incursões subterrâneas, destruição dos escritórios do Hamas e das torres da cidade”, disse Barnea.

Ele ressaltou que, durante a reunião de gabinete, os oficiais do exército de ocupação afirmaram que, de uma perspectiva puramente militar, Israel havia alcançado em 50 horas o que não havia alcançado em 50 dias durante a agressão a Gaza em 2014.

Barnea observou: “O Hamas não luta por seus bens imóveis ou mísseis, mas sim por consciência”. Ele observou que o movimento venceu completamente a batalha da consciência e que “os líderes do Hamas terão coisas para contar na entrevista coletiva após o cessar-fogo”.

LEIA: Confrontos continuam entre palestinos e colonos da ocupação e polícia de Israel

Ele afirmou:

O bombardeio de Jerusalém e do Gush Dan, e os contínuos disparos de foguetes, apesar do pesado bombardeio de Gaza, fizeram o Hamas aparecer para o mundo árabe como o protetor de Jerusalém e dos locais sagrados, que acenderam fogo dentro de Israel.

De acordo com Barnea: “Israel está em um labirinto, já que a liderança política não tem intenção de passar para uma operação terrestre e não há planos para ocupar áreas. Ninguém espera bandeiras brancas tremulando em cima das casas de Gaza”.

Ele acrescentou: “A conclusão é clara para essa operação, que tem um nome, mas não tem uma meta declarada. Há apenas um objetivo, que é o tempo; em boas circunstâncias, sete anos [de calmaria] como a agressão de 2014 e no pior de situações, quatro anos”.

O analista político indicou: “Ninguém pretende mudar o paradigma e chegar a um acordo de longo prazo ou expulsar o Hamas de Gaza. O que foi será de novo”. Ele continuou: “Até o final da semana, saberemos se a atual rodada de luta acabou ou se aconteceu algo que vai complicar e prolongar a guerra”.

Ele afirmou: “Jerusalém, que era a razão por trás do conflito, não está mais no centro das atenções. Nenhuma batalha na Mesquita de Al-Aqsa, nenhuma manifestação em Sheikh Jarrah, nenhuma marcha de bandeiras (liderada pelos colonos) e na Cisjordânia, há um estranho silêncio como se uma guerra estivesse sendo travada em outro continente”.

Barnea concluiu prevendo: “Talvez não seja o fim da guerra, mas talvez seja o começo do fim”.

LEIA: Confrontos com o exército israelense na Cisjordânia deixa 38 feridos

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments