Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mesquitas são usadas como proteção enquanto crise da covid se agrava na Índia

Um trabalhador de saúde é visto em uma instalação improvisada de quarentena d covid-19 instalada em Nova Delhi, Índia, em 27 de abril de 2021 [Amarjeet Kumar Singh/Agência Anadolu]
Um trabalhador de saúde é visto em uma instalação improvisada de quarentena d covid-19 instalada em Nova Delhi, Índia, em 27 de abril de 2021 [Amarjeet Kumar Singh/Agência Anadolu]

Como os hospitais e instalações médicas indianos ficaram sobrecarregados com o recente aumento de casos de covid-19, organizações e indivíduos muçulmanos se apresentaram para ajudar a aliviar a crescente carga sobre o sistema de saúde do país, oferecendo suprimentos de oxigênio e espaço para leitos para pacientes críticos.

A Índia, o segundo país mais afetado pela pandemia de coronavírus depois dos Estados Unidos, tem atualmente mais de 18,3 milhões de casos confirmados e 204.832 mortes, embora alguns especialistas acreditem que os números sejam subestimados. O Ministério da Saúde da Índia anunciou mais um número recorde de casos e mortes nas últimas 24 horas, com 379.257 novos casos e 3.645 novos óbitos.

Ontem, o Arab News informou que grupos muçulmanos começaram a converter mesquitas em instalações de cuidados à covid-19 temporárias, como a mesquita Jahangirpura no estado ocidental da cidade de Vadodara, em Gujurat.

“A situação da covid-19 na cidade não é boa e as pessoas não estão tendo leitos em hospitais, então decidimos abrir as instalações para fornecer socorro às pessoas”, disse Irfan Sheikh, administrador da mesquita.

LEIA: Parlamento Europeu critica Bolsonaro e pede combate à desinformação sobre a covid-19

“Poucos dias após a inauguração das instalações, todos os 50 leitos estavam ocupados, então você pode imaginar o tipo de pressão que os hospitais estão sofrendo.” Sheikh disse que a instalação poderia adicionar mais 50 leitos se o suprimento de oxigênio fosse confiável.

“Estamos enfrentando dificuldades no suprimento de oxigênio e a mesquita abriu seu espaço para servir à humanidade sofredora”, acrescentou.

A mesquita Darool Uloom, na mesma cidade, também abriu suas portas oferecendo 142 leitos equipados com oxigênio, bem como 20 enfermeiras e três médicos no local. “Podemos fazer instalações para 1.000 leitos, mas o suprimento de oxigênio é uma restrição”, disse Ashfaq Malek Tandalja, membro do comitê administrativo da mesquita, ao Arab News.

Gujurat, o estado natal do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, é um dos mais afetados do país. Ele relatou cerca de 1.500 casos e mais de 150 mortes na terça-feira. As autoridades locais anunciaram toques de recolher mais rígidos em meio ao aumento de casos no estado.

A autora indiana Arundhati Roy criticou a maneira como Modi lidou com a crise do coronavírus e seu “triunfo” inicial sobre o coronavírus, descrevendo-a como “crime absoluto contra a humanidade”.

“O sistema não entrou em colapso. O governo falhou. Talvez ‘falhou’ seja uma palavra imprecisa, porque o que estamos testemunhando não é negligência criminosa, mas um crime absoluto contra a humanidade”, escreveu ela ao Guardian.

LEIA: Líbano suspende chegadas da Índia e Brasil por vírus

Categorias
Ásia & AméricasCoronavírusÍndiaNotícia
Show Comments
Show Comments