Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descoberta de apartheid de Israel pela HRW aproxima justiça para os palestinos

Uma mulher israelense segura uma placa que diz “Não faça o Apartheid Grande Novamente” enquanto ela protesta contra o plano do governo de Israel, em 23 de junho de 2020, em Tel Aviv, Israel [Amir Levy/Getty Images]
Uma mulher israelense segura uma placa que diz “Não faça o Apartheid Grande Novamente” enquanto ela protesta contra o plano do governo de Israel, em 23 de junho de 2020, em Tel Aviv, Israel [Amir Levy/Getty Images]

Em uma escalada dramática representativa da indignação global contra o tsunami de crimes de Israel contra o povo da Palestina ocupada, a Human Rights Watch (HRW), com sede em Nova Iorque, divulgou um relatório legal detalhado declarando que o governo israelense está cometendo crimes de apartheid. A séria acusação de apartheid é inovadora, porque é o primeiro uso oficial do termo pelo grupo de direitos.

Abrangente e extremamente bem pesquisado, o relatório de 213 páginas intitulado Um limiar cruzado: autoridades israelenses e os crimes do apartheid e da perseguição faz acusações contundentes de décadas de perseguição aos palestinos. Ele cita a “intenção de Israel de manter o domínio dos judeus israelenses sobre os palestinos” e descarta a frequentemente repetida propaganda de “segurança” usada por Israel para justificar suas políticas repressivas. Apropriadamente, ele destaca o uso do regime militar para garantir uma maioria judaica em todos os territórios combinados de Israel e da Cisjordânia ocupada.

No cerne de seu relatório, está a descoberta da HRW de que o governo israelense não só discrimina sistematicamente os não judeus em todas as áreas sob seu controle – incluindo seus próprios dois milhões de cidadãos árabes dentro das fronteiras do estado de 1948 – como também que uma camada adicional de graves abusos dos direitos humanos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza constituem o crime de apartheid.

O relatório tem o potencial de abalar as fundações sionistas do regime israelense, especialmente se os comentários dos representantes da HRW, conforme relatados em vários meios de comunicação, servirem de base para seguir. Eric Goldstein, por exemplo, é o diretor interino da divisão do Oriente Médio da Human Rights Watch. Ele foi citado como tendo dito que o relatório tem como objetivo mostrar que os abusos israelenses contra palestinos não são uma coleção de incidentes isolados.

“Por anos, a comunidade internacional – e muitos israelenses – têm a tendência de pensar nos casos que documentamos como lamentáveis ​​sintomas de falta de paz”, disse Goldstein. “Mas o processo de paz infelizmente não deu em nada e os abusos apenas se tornaram mais arraigados.”

As recomendações feitas por HRW devem enervar e desestabilizar o regime, mesmo além da acusação de apartheid. Entre eles, um é dirigido à Autoridade Palestina (AP), pedindo-lhe que encerre sua cooperação de segurança com Israel.

LEIA: Os palestinos já chamavam Israel de estado de apartheid décadas atrás

Mahmoud Abbas obviamente não ficará satisfeito por ter uma pequena, embora extremamente significativa, parte do relatório da HRW focalizando um assunto que continua a ser objeto de muito descontentamento entre os palestinos. O pacto de segurança AP-Israel tem sido severamente criticado há algum tempo pelos principais membros das várias facções palestinas, mas até agora Abbas não cedeu aos apelos para que fosse anulado.

Se a Autoridade Palestina finalmente abandonar a colaboração com as agências de segurança genocidas de Israel em resposta à recomendação do HRW, ela não apenas concederá legitimidade ao relatório, mas também quebrará a espinha dorsal da rede de segurança ilegal e imoral de Israel na Cisjordânia ocupada.

O outro apelo crucial é para que os EUA tornem sua ajuda militar a Israel condicional ao fim do estado de ocupação de “cometer crimes de apartheid e perseguição”. O poder dessa recomendação não deve ser perdido na semântica, pois ela confirma a forte afirmação feita pelos palestinos de que a ajuda dos EUA é o mais importante habilitador dos crimes de Israel. Assim como Abbas tem um grande apelo a fazer, o mesmo acontece com o presidente dos EUA, Joe Biden, ao decidir se continuará a despejar dólares de impostos dos EUA nos aparentemente insaciáveis ​​cofres de Israel.

Vista de um campo de refugiados palestinos atrás do muro do apartheid de Israel em Jerusalém Oriental, em 3 de dezembro de 2014 [Muammar Awad/Apaimages]

Vista de um campo de refugiados palestinos atrás do muro do apartheid de Israel em Jerusalém Oriental, em 3 de dezembro de 2014 [Muammar Awad/Apaimages]

Um apelo igualmente importante feito pela HRW é que todos os países imponham sanções específicas e outras restrições às autoridades israelenses implicadas no relatório. Além de pedir um boicote total, essa recomendação ainda dará ao movimento global de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) um impulso em sua campanha pacífica contra o estado colonial colonizador.

A implicação total do relatório testará a vontade política de muitos governos. Eles acatarão a recomendação de iniciar sanções ou irão ignorar suas responsabilidades como Estados membros da ONU que, ostensivamente, estão comprometidos com a defesa dos valores universais dos direitos humanos?

LEIA: A política de baixo para cima vê o ativismo popular por trás de uma mudança pró-Palestina nos EUA

No que diz respeito à África do Sul, as descobertas do HRW irão testar a determinação do governo liderado pelo ANC. Como beneficiários de uma campanha global sob a bandeira do movimento antiapartheid para isolar o antigo regime racista branco em Pretória, espera-se que a África do Sul lidere um boicote igualmente abrangente ao apartheid de Israel.

Não pode e não deve haver nenhum medo de uma reação de difamação alegando “antissemitismo”. Afinal, o relatório da HRW segue dois outros escritos por grupos israelenses de direitos humanos: a opinião jurídica de Yesh Din publicada há alguns meses também concluiu que Israel está cometendo apartheid na Cisjordânia ocupada; e, mais recentemente, o documento de posição do B’Tselem revelou que o tratamento de Israel aos palestinos equivale ao apartheid.

Curiosamente, HRW também descobriu que, além do crime de apartheid, Israel é culpado de “perseguição” sob a lei internacional, porque priva os palestinos de “direitos fundamentais” com base em “sua identidade como palestinos”. Esse é um argumento legal convincente sobre o tratamento de Israel aos palestinos, que vai muito além do que é necessário para administrar uma ocupação.

Os exemplos que cita são muito bem documentados e relatados, porque as atrocidades israelenses são perpetradas diariamente. Eles incluem apropriações ilegais de terras, o confisco forçado de casas de palestinos para uso exclusivo de colonos judeus e a situação precária dos palestinos que vivem na Jerusalém ocupada.

Dado que o Tribunal Penal Internacional finalmente iniciou sua investigação de Israel por possíveis crimes de guerra, as conclusões publicadas por B’Tselem e HRW em particular, que afirmam que Israel é um estado de apartheid, nos dão motivos para acreditar que a justiça para os palestinos foi trazida um passo mais perto.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoHRWIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments