Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O poderoso exército dos EUA foi humilhado pelo Taleban

O presidente dos EUA, Joe Biden, caminha pelo cemitério do Arlington National para homenagear os veteranos do conflito afegão em Arlington, Virgínia, em 14 de abril de 2021 [Brendan Smialowski/ AFP via Getty Images]

A guerra no Afeganistão foi considerada o conflito mais inútil de todos os tempos. É provavelmente o empreendimento militar mais desastroso lançado pelos EUA, Grã-Bretanha e seus aliados nos últimos 100 anos. O Taleban, porém, celebrará o que considera uma vitória histórica quando as forças da Otan deixarem o Afeganistão em setembro. Devemos lembrar que nem todo mundo vê o conflito de 20 anos com lentes ocidentais.

Expulso de Cabul no final de 2001, o governo talibã recusou-se a se render e iniciou uma guerra assimétrica contra os militares mais poderosos do mundo. Espero vê-los voltar triunfantes à capital no 20º aniversário; será um nítido contraste com sua saída caótica e apressada.

Não importa o quanto você dê brilho a esses 20 anos, a intervenção da OTAN liderada pelos EUA foi um desastre. Como acontece com a maioria dos conflitos, o número exato de mortes de civis é desconhecido e provavelmente permanecerá assim, até porque ninguém começou a contar até 2009. As estimativas apontam para cerca de 200 mil, aos quais devemos adicionar os milhares de afegãos, americanos, britânicos , e outros soldados da OTAN que foram mortos. E não devemos esquecer os muitos que foram mutilados para o resto da vida.

Não tenho prazer em estar certo sobre o fim do jogo no Afeganistão, mas … qualquer estudante de história digno desse nome poderia ter dado o mesmo conselho em 13 de novembro de 2001, depois que o Taleban fugiu da capital afegã para Kandahar e as forças da coalizão lideradas pelos americanos marcharam para Cabul com a Aliança do Norte. Qual seria esse conselho? “Dê o fora enquanto pode.”

Os historiadores citam como evidência a aparente impossibilidade de subjugar os afegãos a sorte mista de Alexandre, o Grande; o fracasso das hordas mongóis de Genghis Khan; vários exércitos derrotados no auge do Império Britânico; e uma ocupação igualmente desastrosa da União Soviética no final do século XX. Os historiadores do futuro poderão incluir os EUA e seus aliados da OTAN nessa lista da infâmia.

LEIA: Os EUA desperdiçaram pelo menos US$ 2,4 bilhões no Afeganistão, diz watchdog

Eu não tinha muito conhecimento da história do Afeganistão em 2001, mas rapidamente descobri o óbvio quando fui capturado pelo Taleban enquanto trabalhava como repórter-chefe do Sunday Express da Grã-Bretanha. Foi uma aula de história com batismo de fogo. Durante os 11 dias terríveis em que estive detido pelo regime, percebi muito rapidamente que eles nunca se renderiam, e disse isso a ninguém e a todos quando fui libertado.

Se alguém tivesse se importado em me ouvir, talvez milhares de mortes pudessem ter sido evitadas e trilhões de dólares economizados, pela simples razão de que havia uma solução muito melhor. Mas não. O então presidente dos Estados Unidos, George W Bush, e seu poodle Tony Blair, o primeiro-ministro britânico, estavam aparentemente decididos a se vingar dos horríveis acontecimentos de 11 de setembro. Eles poderiam ter optado por trabalhar com o Taleban, fornecido a tão necessária ajuda humanitária e talvez, até mesmo, por meio do diálogo pacífico, alcançado alguma forma de compromisso e entendimento mútuo. Afinal, Bush havia dado ao Taleban US$ 43 milhões em maio de 2001 para seu programa antidrogas, que até então teve um grande impacto sobre o cultivo do ópio no Afeganistão.

Manifestantes usando máscaras retratando o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair (L) e o ex-presidente dos EUA George W. Bush protestam em frente ao QEII Centre em Londres em 6 de julho de 2016 [Daniel Leal-Olivas/ AFP via Getty Images]

Durante meu breve cativeiro, percebi rapidamente que não havia grande amor entre o Taleban e a Al-Qaeda. “Eles chegaram como nossos convidados e tentaram se tornar nossos mestres”, disse-me um oficial do Taleban quando perguntei sobre a conexão. Não havia relacionamento especial; isso aconteceu quando a América foi à guerra no Afeganistão e inadvertidamente forçou os dois grupos a trabalharem juntos contra um inimigo comum.

Para crédito do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ele obviamente aceitou que a guerra é invencível. Isso é algo que Bush, Barack Obama e Donald Trump provavelmente também foram avisados, mas eles optaram por deixar o problema para o próximo presidente resolver.

Voltei ao Afeganistão muitas vezes desde aquele pequeno episódio e, durante minha última visita, o Taleban controlava cerca de 70% do país; essa ainda é a posição hoje. Quando as forças estrangeiras partirem, o governo do presidente Ashraf Ghani lutará para manter o poder com os 300 mil soldados afegãos treinados e armados pelos EUA e pela OTAN nos últimos 20 anos. Há um sentimento geral de que, uma vez que eles partam, ou Ghani também irá embora silenciosamente ou haverá outra guerra civil sangrenta.

Com um acordo negociado no Catar no ano passado, o Taleban prometeu defender os direitos humanos, especialmente os direitos estabelecidos das mulheres. Meus ex-captores até me convidaram para testemunhar a ocasião, mas infelizmente a pandemia pôs fim aos meus planos de voar para Doha. Agora há outra oportunidade para o Taleban continuar a se engajar no processo de paz, com uma cúpula na Turquia, no sábado.

O Paquistão está desempenhando um papel de apoio e está pedindo ao Taleban que se concentre no processo de paz depois que o grupo ameaçou se retirar da conferência. A ameaça foi feita depois que Biden fez seu anúncio de retirada em setembro, o que contradiz o prazo anterior de 1º de maio estabelecido pela administração Trump.

O processo de paz pode estar em desordem, mas isso não preocupa o Taleban. Eles esperaram duas décadas para ter seu país de volta e agora, ao que parece, estão ditando os termos de um acordo político entre eles e o governo afegão.

LEIA: O Irã pretende contribuir para uma paz duradoura no Afeganistão, diz ministro

É encorajador ver os países muçulmanos do Catar, Paquistão e Turquia ajudando a facilitar e encorajar um resultado pacífico no Afeganistão dilacerado pela guerra. A compreensão de que o Ocidente costuma ser o problema, e não a solução, está lentamente começando a surgir no mundo. O fato de os poderosos militares dos EUA terem sido humilhados pelo Taleban deve acelerar esse processo.

Se a paz pode ser alcançada no Afeganistão pela intervenção positiva de países muçulmanos, então talvez essas mesmas influências estratégicas em Doha, Islamabad e Ancara possam trabalhar em soluções em outras regiões de conflito. Caxemira e Palestina vêm à mente por razões óbvias; as pessoas de ambos continuam a resistir a ocupações militares brutais após mais de 70 anos com grande coragem. Como o Taleban, os caxemires e palestinos se recusaram a se render, apesar de serem confrontados diariamente por um poder de fogo muito superior e pelo opróbrio de organismos internacionais influenciados por narrativas distorcidas de indianos e israelenses. Há uma lição nisso para aqueles que acreditam estar sempre certos. Não estáo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasCatarEstados UnidosEuropa & RússiaOpiniãoPaquistãoTurquia
Show Comments
Show Comments