Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O ‘real’ apartheid

Forças israelenses em um protesto palestino na Cisjordânia, em 5 de junho de 2020 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

“Este é o verdadeiro apartheid”, tuitou a advogada judia americana Brooke Goldstein na semana passada. “O fato de os judeus não poderem entrar no ‘território palestino’”, afirmou ela, “rejeito que alguns lugares sejam perigosos para mim porque SOU JUDIA”.

Goldstein acompanhou seu tweet com uma foto de uma grande placa vermelha na Cisjordânia que diz (em hebraico, árabe e inglês): “Essa estrada leva à aldeia palestina, a entrada para cidadãos israelenses é perigosa”.

Mas Goldstein, mesmo além de seu flagrante fusão de judeus com israelenses, deixou de fora um fato vital – o sinal foi feito por Israel, não pelos palestinos. Ao fazer isso, ela deturpou os palestinos como culpados de “ódio aos judeus”.

É o regime do apartheid de Israel que dita quem pode ir aonde na Cisjordânia. É o sistema ditatorial de Israel de postos de controle militares, bases do exército e elaborado sistema de passes que decreta quem pode se mover, onde e por quê.

A postagem de Goldstein foi amplamente ridicularizada pelos usuários do Twitter.

Recebeu o que os jovens chamam de “proporção”. Em outras palavras, recebeu muito mais respostas (1.100 até o momento) do que “curtidas” (378) ou retuítes (apenas 145). As respostas e os tweets com citações são quase todos críticos e zombeteiros, e alguns deles bastante irônicos.

 

Esses sinais vermelhos são comuns na Cisjordânia. Qualquer pessoa que tenha viajado para lá os viu entrando em áreas palestinas maiores.

Mas tais exclusões são consequência do racismo do regime do apartheid israelense, e não de algum antissemitismo palestino endêmico e imaginário. O exército israelense começou a colocar as placas por volta do ano de 2006, quando eu morava na Cisjordânia.

LEIA: A rejeição de Israel à investigação pelo TPI de crimes de guerra é sobre política, não justiça

Esses sinais não são únicos na história do separatismo racista e colonial. É amplamente lembrado que no Jim Crow South nos Estados Unidos (antes do movimento pelos direitos civis obter suas vitórias mais decisivas na década de 1960) e na África do Sul na era do apartheid, esses regimes se engajaram no que às vezes é denominado “pequeno apartheid”.

Eles colocaram placas e outras infraestruturas designando muitos espaços públicos “somente para brancos” ou “somente para europeus”. Os negros não tinham acesso a bebedouros públicos e até a lanchonetes e outros negócios.

Mas o corolário natural dos sinais racistas “apenas para brancos” acompanhava os sinais “Apenas para negros” ou “Apenas para cor”, também colocados em prática por esses mesmos regimes de supremacia branca. De forma muito semelhante, o regime do apartheid israelense ergue esses sinais vermelhos como uma forma de manter os palestinos “em seus lugares”.

Eles não têm a intenção de manter os israelenses – e certamente não os judeus – fora das áreas palestinas da Cisjordânia. Em vez disso, eles visam fazer cumprir a ideologia europeia de separatismo racial, negando humanidade igual aos povos indígenas “não brancos”.

Obras de construção depois que Israel aprovou a construção de novas unidades de assentamento na Cisjordânia [Mahfouz Abu Turk/Apaimages]

O objetivo é fazer cumprir algo que no Jim Crow South foi considerado “separado, mas igual”. Claro, na realidade, era tudo menos igual. Os afro-americanos foram sistematicamente mantidos na mais terrível pobreza, de maneira muito semelhante à forma como o apartheid da África do Sul manteve a maioria negra africana na pobreza sistêmica.

O regime do apartheid israelense nega aos palestinos acesso igual a escolas, financiamento, infraestrutura e outras funções normais do estado, em comparação com os investimentos generosos que faz nas comunidades israelenses judaicas. Isso se aplica aos palestinos que são supostamente “cidadãos” de Israel, antes mesmo de entrar na questão da Cisjordânia ocupada, que é uma pura ditadura dominada pelos militares israelenses, na qual os palestinos têm direitos zero.

Compreendendo essa ideologia, você pode começar a ver por que muitas das pessoas que zombam de Goldstein por ser estúpida podem ter perdido um pouco o ponto, embora seja absolutamente correto que ela deva ser ridicularizada.

LEIA: Israel deve pagar US$ 600.000 a um palestino que aos 15 anos levou tiro no olho

Goldstein não cometeu um simples mal-entendido. Tampouco é provável que ela ignorasse o fato de que é Israel quem coloca esses sinais vermelhos. É muito mais plausível que ela mentisse deliberadamente como forma de desviar a atenção da aceitação cada vez mais dominante do fato de que Israel é um regime de apartheid. É por isso que ela afirmou que o sinal é o “verdadeiro apartheid”.

Goldstein não é apenas um tique-taque azul aleatório e sem noção no Twitter, você vê. Ela é uma racista antipalestina comprometida, dedicada a fazer duras campanhas pela aplicação do regime de apartheid de Israel – e até mesmo para punir e perseguir defensores dos direitos palestinos em todo o mundo.

Ela dirige uma organização sionista chamada Lawfare Project, dedicada a atacar palestinos e seus apoiadores nos Estados Unidos e em todo o mundo usando processos judiciais espúrios.

Ela até afirmou uma vez: “Não existe tal coisa como uma pessoa palestina”.

Portanto, a falsa alegação de Goldstein sobre o antissemitismo palestino foi um caso típico de projeção em que o racista assume que todos os outros – especialmente suas vítimas – compartilham suas visões racistas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoInquéritoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments