Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-soldado põe fogo ao corpo após trauma pela ação militar de 2014

Ex-soldado israelense ateou fogo a si mesmo após sofrer de transtorno de estresse pós-traumático devido à operação contra Gaza em 2014

Um ex-soldado que participou da brutal ofensiva militar de Israel em 2014 contra os palestinos na Faixa de Gaza incendiou o próprio corpo na noite de segunda-feira, em frente aos escritórios de reabilitação do Ministério da Defesa, informou a mídia local. O ministério confirmou que o veterano Itzik Saidian, de 26 anos, foi diagnosticado com transtorno de estresse pós-traumático (PTSD) após participar da Operação Protective Edge, sete anos atrás.

Saidian foi levado às pressas para o Centro Médico de Sheba com extensas queimaduras após se autoimolar em Petah Tikva. O hospital disse que o seu estado era “crítico”, com “queimaduras profundas por todo o corpo”. Em declarações aos jornalistas no hospital, seu irmão Avi, disse chorando: “Ele viu coisas horríveis e ninguém cuidou dele”.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu lançou a ofensiva em 8 de julho de 2014, e o índice de vítimas fez deste um dos anos mais sangrentos da história palestina. De acordo com um relatório da ONU, o exército israelense atingiu Gaza com 6.000 ataques aéreos e quase 50.000 tanques e granadas de artilharia em 50 dias.

Todos os cidadãos israelenses judeus e drusos com mais de 18 anos devem servir no exército. Os 20% da população árabe de Israel e alguns judeus ultraortodoxos estão isentos.

LEIA: Israel a caminho de um ‘abismo racista’, alerta filho de veterano do exército

As investigações iniciais sugerem que o ex-soldado retirou de uma garrafa um conteúdo inflamável, derramou sobre si mesmo e incendiou-se na entrada de um prédio pertencente ao Ministério da Defesa.

De acordo com o Haaretz, durante uma entrevista ao Canal 12News de Israel, há quase 18 meses, Saidian reclamou de sua falta de perspectivas de vida depois de deixar o exército israelense com uma pequena pensão mensal por invalidez. “A maioria das pessoas da minha idade não está onde estou. Não do ponto de vista psicológico e econômico. Sinto as diferenças”, disse na época. “Você tem meia hora para descrever o que passou nos últimos cinco anos. Se você quiser atenção, pague a um advogado dezenas de milhares de shekels.”

Ao procurar emprego, ele teria sido informado de que um aumento na renda afetaria seu benefício por invalidez.

Netanyahu disse que ficou “muito chocado” com a notícia da autoimolação de Saidian. “Estou determinado a realizar uma reforma completa na maneira como cuidamos de nossos veteranos deficientes e feridos”, acrescentou.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, anunciou uma “investigação completa para encontrar as razões para este trágico evento”. Seu ministério prometeu “melhorar substancialmente o tratamento de soldados pós-traumáticos”.

LEIA: Prisão de crianças palestinas equivale a tortura, denuncia novo relatório

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments