Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-ministro acusa lobby pró-Israel por “interferência nojenta” na política britânica

O ex-ministro de Estado britânico para a Europa e as Américas, Sir Alan Duncan, faz discurso durante a reunião do Conselho de Segurança sobre a situação na Venezuela, na sede das Nações Unidas em Nova York, Estados Unidos, em 26 de janeiro de 2019 [Atılgan Özdil /Agência Anadolu]
O ex-ministro de Estado britânico para a Europa e as Américas, Sir Alan Duncan, faz discurso durante a reunião do Conselho de Segurança sobre a situação na Venezuela, na sede das Nações Unidas em Nova York, Estados Unidos, em 26 de janeiro de 2019 [Atılgan Özdil /Agência Anadolu]

O ex-ministro das Relações Exteriores, Sir Alan Duncan, acusou os lobistas pró-Israel de “a mais nojenta interferência” na política britânica e de influenciar negativamente a política externa do país no Oriente Médio. O veterano político também alegou que o Partido Conservador Amigos de Israel (CFI) ficou “balístico” e o impediu de assumir um novo cargo cobrindo os assuntos da região.

Duncan, um ex-deputado conservador e ministro do governo, faz as afirmações em suas memórias recém publicadas “Os diários particulares de um ministro” (In The Thick of It: The private diaries of a minister, publicado por William Collins, 2021). Falando ao jornalista Michael Crick sobre seu livro para o website MailPlus, ele, que tem 64 anos, criticou o CFI e sua influência indevida na política britânica.

Os amigos conservadores de Israel, disse ele, haviam injetado uma “visão do tipo Netanyahu da política israelense em nossa política externa”, referindo-se ao primeiro-ministro de direita de Israel. Ele alegou que havia exercido pressão sobre o governo de Theresa May para impedi-lo de se tornar ministro do Oriente Médio no Ministério das Relações Exteriores.

LEIA: ‘É impossível subornar novo promotor’, diz ex-promotor do TPI

Em seu livro, Duncan afirma que seu novo papel estava definido até que o então Ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, o alertou para o fato de que o CFI “está se tornando agressivo”. Ele insiste que foi impedido de assumir o cargo porque acredita nos direitos dos palestinos.

Em uma entrada no diário, Duncan está se queixando da bajulação dos deputados conservadores sobre Benjamin Netanyahu durante sua visita à Grã-Bretanha. Ele estava “envergonhado” do governo britânico, acusando as autoridades de permitir que Netanyahu “vendesse propaganda a favor da colonização”.

Duncan descreveu a Crick a cultura do medo criada pelo CFI. “Muitas coisas não acontecem na política externa ou no governo por medo de ofendê-los porque é assim que é colocado a eles pelo CFI”.

Ele advertiu: “É uma espécie de escândalo enterrado que tem que parar… eles irão interferir em alto nível na política britânica no interesse de Israel, à custa do poder doador no Reino Unido”. Em última análise, ele apontou, a influência do grupo de lobby pró-Israel veio às custas dos palestinos.

Duncan tem sido um alvo importante para o lobby pró-Israel. Em 2017, um documentário da Al Jazeera expôs as operações dos lobistas pró-Israel que trabalham com a Embaixada de Israel em Londres para “derrubar” um ministro da Coroa. Duncan, o colega deputado conservador, Crispin Blunt, e o ex-líder trabalhista, Jeremy Corbyn, foram marcados como alvos. Escrevendo para a Al Jazeera na época, Robert Grenier, um veterano aposentado de 27 anos do Serviço Clandestino da CIA, alertou contra o que ele chamou de “ameaças insidiosas” do lobby pró-Israel.

LEIA: Fatou Bensouda e o dedo na ferida do Direito Internacional

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments