Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sudão recupera ativos no valor de milhões do ex-presidente

O presidente deposto do Sudão, Omar al-Bashir, aparece durante seu julgamento junto com outros sobre o golpe militar de 1989 que os levou ao poder, no tribunal especial estabelecido no Instituto de Treinamento de Oficial na capital, Cartum, em 2 de fevereiro de 2021. [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]
O presidente deposto do Sudão, Omar al-Bashir, aparece durante seu julgamento junto com outros sobre o golpe militar de 1989 que os levou ao poder, no tribunal especial estabelecido no Instituto de Treinamento de Oficial na capital, Cartum, em 2 de fevereiro de 2021. [Mahmoud Hjaj/Agência Anadolu]

O Comitê oficial de Anticorrupção e Recuperação de Fundos no Sudão revelou que recuperou ativos no valor de centenas de milhões de dólares do ex-presidente Omar Al-Bashir. O comitê também mencionou as críticas que tem enfrentado por supostamente implementar medidas de “justiça seletiva”.

O povo sudanês tem seguido as declarações do comitê na televisão com entusiasmo. Eles começaram no ano passado a revelar detalhes sobre as propriedades da elite da era Bashir que foram confiscadas pelo Estado. Isso inclui imóveis com vista para o Nilo na capital Cartum, terras férteis e empresas lucrativas. Entre os bens recuperados estão hotéis, escolas, fábricas e um campo de golfe nos arredores de Cartum, todos com prestação de serviços.

Wagdy Saleh é advogado, político e faz parte do comitê de 18 membros. Ele disse que o órgão estadual recuperou ativos no valor de mais de US$ 1 bilhão e os entregou ao Ministério da Fazenda. Outros $ 400 milhões foram repassados ​​ao Ministério de Assuntos Religiosos e Dotações.

LEIA: Cerca de 80% da dívida do Sudão com o Reino Unido são juros

Saleh disse à Reuters que os membros do comitê enfrentaram ameaças de morte e acrescentou que não recebeu os fundos de que precisava para realizar seu trabalho. As autoridades, afirmou ele, demoraram a realizar as investigações necessárias. Isso, disse Saleh, expõe as raízes profundas do regime de Al-Bashir, mesmo dentro do governo de transição designado para conduzir o país às eleições até o final de 2023.

“Quem quer que se interponha no processo de desmantelamento do regime de 30 de junho [data em que Al-Bashir liderou um golpe sem derramamento de sangue em 1989] faz parte do antigo regime ou tem interesses ligados ao antigo e, portanto, tenta mantê-lo de pé”, alegou.

O ministro da Informação e porta-voz do governo, Hamzah Balloul, destacou que o comitê está cumprindo seus deveres constitucionais e que seus esforços para recuperar ativos suspeitos são muito apreciados.

O comitê estadual nomeado para recuperar os ativos saqueados inclui políticos, oficiais militares seniores e funcionários do governo. Deve operar até o final do período de transição.

Categorias
ÁfricaNotíciaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments