Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Chanceler do Egito apoia “segurança” do Líbano e evita encontro com Hezbollah em Beirute

Ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry (à direita) e o primeiro-ministro designado, Saad Hariri, durante uma visita oficial em Beirute, Líbano, dia 7 de abril de 2021 [Escritório de Imprensa Saad Hariri /Agência Anadolu]
Ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry (à direita) e o primeiro-ministro designado, Saad Hariri, durante uma visita oficial em Beirute, Líbano, dia 7 de abril de 2021 [Escritório de Imprensa Saad Hariri /Agência Anadolu]

O Ministro das Relações Exteriores do Egito disse que o Cairo está interessado na segurança e estabilidade do Líbano e na formação de um novo governo para resolver o estado de impasse político.

Falando em uma coletiva de imprensa em Beirute, Sameh Shoukry disse que o Egito não pouparia esforços para continuar apoiando o Líbano, pois sua estabilidade é vital para a região.

O Egito apoia um governo formado pelo primeiro-ministro designado Saad Al-Hariri, disse Shoukry na conferência, e evitou a reunião com Gebran Bassil e Hezbollah para não “perpetuar a ocupação iraniana”, informou a VDL News.

Al-Hariri foi nomeado em outubro devido à renúncia do primeiro-ministro interino Hassan Diab em agosto passado após a explosão do porto de Beirute, mas ele não conseguiu formar um novo gabinete devido ao impasse político entre ele e o presidente Michael Aoun.

Os Estados Unidos, a União Européia e os países árabes discutiram no início deste mês a imposição de sanções a certos políticos libaneses responsáveis por não formar um governo necessário para supervisionar reformas vitais, enquanto Beirute buscava atrair ajuda internacional.

Milhares de pessoas saíram às ruas no Líbano para exigir um governo independente que tire o país de sua crise econômica em meio ao fracasso dos governantes atualmente no poder.

LEIA: HRW denuncia risco de exclusão de refugiados da vacinação para covid-19 no Líbano

A crise financeira do Líbano, exacerbada pela explosão do porto, criou um desemprego generalizado e bloqueou o acesso dos cidadãos comuns às suas contas bancárias.

O preço de produtos básicos, como cereais e fraldas, quase triplicou, provocando enormes protestos.

As autoridades reprimiram o movimento de protesto desde seu início em outubro de 2019, usando força excessiva contra os manifestantes, incluindo armas de fogo, gás lacrimogêneo e balas de borracha.

As autoridades rejeitaram os apelos para uma investigação internacional sobre a explosão.

Shoukry foi pela última vez ao Líbano em agosto de 2020 depois que o Egito enviou um avião cheio de ajuda médica ao país após a explosão do porto e discutiu os esforços para reconstruir o país.

Categorias
ÁfricaEgitoLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments