Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel considera possibilidade de ataque devastador pela Síria, Líbano, Irã e Iraque

Tropas israelenses são fotografadas nas Colinas de Golan anexadas a Israel na fronteira com a Síria, em 3 de janeiro de 2020. [Jalaa Marey/AFP via Getty Images]
Tropas israelenses são fotografadas nas Colinas de Golan anexadas a Israel na fronteira com a Síria, em 3 de janeiro de 2020. [Jalaa Marey/AFP via Getty Images]

O Instituto de Estudos de Segurança Nacional especulou, em um relatório intitulado Nothing Remains the Same, que Israel está avaliando a possibilidade de que grandes cidades e locais estratégicos sejam duramente atingidos por foguetes de precisão de várias frentes.

O brigadeiro-general Udi Dekel, que preparou o relatório, afirmou que o cenário é “extremo, mas relevante”, acrescentando que a frente interna: “É um ponto fraco e não há investimento suficiente para se preparar para um evento semelhante”.

De acordo com Israel Hayom, a possibilidade de alvejar a frente doméstica israelense por um ataque maciço de mísseis e ofensivas generalizadas “tem até agora uma presença relativamente fraca na análise do público e da mídia”. No entanto, durante os últimos dois anos, o instituto colocou a ameaça de um ataque maciço de mísseis: “No topo do mapa de ameaças atualizadas para Israel”.

Esse cenário extremo afirma que existe “um arsenal de armas que será dirigido contra nós”, incluindo: “Mísseis e drones da Síria e do Líbano, foguetes balísticos e mísseis de cruzeiro do Irã e do Iraque”.

Um segundo cenário também sugere o lançamento de “veículos aéreos não tripulados e morteiros da Faixa de Gaza”, explicando que a preocupação é que “essas forças compatíveis estejam aproveitando as excelentes capacidades militares que possuem para iniciar uma operação repentina, salvas de mísseis, esquadrões e drones, em uma tentativa de paralisar muitos alvos dentro de Israel”.

LEIA: Forças de defesa de Israel revelam localizações de bases secretas por engano

O relatório mencionou um grupo de alvos proeminentes em Israel, que o relatório chama de “alvos estratégicos valiosos”, tais como: “Baterias de defesa aérea, refinarias em Haifa, estações de energia e transmissão e instalações de dessalinização de água, estoques de substâncias tóxicas, infraestrutura de gás, o escritório do presidente, o Knesset, o edifício do Estado-Maior, quartéis-generais soberanos, unidades de armazém de emergência, bases da força aérea, aeroporto, portos marítimos, bases militares, o primeiro comando do exército israelita no edifício do Ministério da Segurança e sistemas de intercepção”.

Dekel acrescentou em seu relatório: “Se o inimigo conseguir lançar um grande número de mísseis ao mesmo tempo de diferentes arenas”, o que, de acordo com Dekel, “não é uma capacidade irracional”, então se espera que “a defesa aérea terá dificuldade em enfrentar essa ameaça”.

Ele indicou que o resultado desse cenário “possível” será destrutivo e levará em certas circunstâncias “a um número muito alto de mortes entre a população”, ao mesmo tempo em que observou que Israel nunca experimentou um ataque com mísseis de precisão em suas principais cidades e locais estratégicos no passado.

Categorias
IrãIraqueIsraelLíbanoNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments