Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Forças de defesa de Israel revelam localizações de bases secretas por engano

Soldados israelenses participam de exercícios militares perto da área de Elyakim, ao norte, em 14 de outubro de 2020. [Emmanuel Dunand/AFP via Getty Images]
Soldados israelenses participam de exercícios militares perto da área de Elyakim, ao norte, em 14 de outubro de 2020. [Emmanuel Dunand/AFP via Getty Images]

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) confirmaram que material sensível foi publicado por engano, incluindo a localização de bases militares secretas em todo o país, informou o Haaretz. O vazamento continha informações confidenciais, incluindo os limites e nomes das bases.

O Haaretz disse que a IDF corrigiu o erro após ser alertado sobre ele pelo jornal. Um porta-voz militar admitiu que o mapa foi publicado por engano e agora foi removido da vista do público.

“O mapa era de um site civil que fornece serviços públicos globais para tornar os mapas acessíveis em todo o mundo e em Israel”, disse o porta-voz. “Marcar os campos e as bases da FDI não foi feito pelos militares, mas copiado do mapa existente no site.”

A IDF normalmente não permite a publicação de tais informações, temendo que sejam usadas para coletar inteligência ou alvejar suas bases durante uma guerra, foi apontado.

LEIA: Israel lança manobra aérea ‘surpresa’ perto da Síria e Líbano

O mapa foi postado no site do Portal de Emergência Nacional como parte do envolvimento do exército no tratamento da pandemia de coronavírus pelo estado. A IDF tem trabalhado em estreita colaboração com o Ministério da Saúde e outros órgãos civis para estabelecer locais de teste e vacinação. No entanto, junto com a localização dos centros de teste de covid-19 em áreas residenciais, as instalações e bases da IDF usadas pela força aérea e inteligência militar também foram mostradas.

Israel começou a diminuir as restrições ao bloqueio da pandemia, abrindo restaurantes, bares e cafés. Cerca de 53% dos nove milhões de habitantes receberam pelo menos uma dose da vacina Pfizer, de acordo com dados do Ministério da Saúde; 38% receberam ambas as doses.

Enquanto isso, as cidades palestinas introduziram bloqueios totais nas últimas duas semanas para controlar o aumento das infecções por covid-19. De acordo com a agência de notícias Wafa, a Cisjordânia ocupada, onde vivem 3,1 milhões de palestinos, sofreu um aumento significativo no número de novas infecções. Grupos internacionais de direitos humanos e funcionários da ONU apelaram a Israel por se esquivar de suas responsabilidades para com os palestinos como potência ocupante segundo o direito internacional.

LEIA: Intimidação de Israel à AP é infantil

Categorias
IsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments