Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Etiópia limpa florestas ao redor da Barragem Renascentista

Um trabalhador desce uma escada de construção na Grande Barragem da Renascença Etíope, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019. [Eduardo Soteras/AFP/Getty Images]
Um trabalhador desce uma escada de construção na Grande Barragem da Renascença Etíope, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019. [Eduardo Soteras/AFP/Getty Images]

A Etiópia começou a limpar cerca de 4.854 hectares de florestas ao redor da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD, na sigla em inglês), em preparação para seu segundo enchimento.

A Ethiopian News Agency (ENA) informou que a autoridade estatal de energia elétrica da Etiópia entregou “detalhes sobre o projeto de desmatamento” à administração da barragem.

A ação etíope ocorreu um dia após o presidente egípcio, Abdel Fattah Al-Sisi, advertir duramente contra “encher a barragem unilateralmente”.

“Ninguém pode tirar uma gota d’água do Egito, e quem quiser experimentar, deixe-o tentar”, enfatizou Sisi; alerta de “instabilidade que ninguém imagina na região” caso o GERD fosse preenchido e operado sem acordo conjunto.

A Força Aérea egípcia foi relatada recentemente para ter iniciado exercícios de treinamento conjunto com suas contrapartes sudanesas, intitulado “Nile Eagles 2”, na Base Aérea de Meroe, no Sudão.

LEIA: A Etiópia deve levar em consideração os direitos à água do Nilo dos países a jusante

Na quarta-feira, o embaixador da Etiópia no Egito disse que as negociações da barragem “seriam retomadas em breve para chegar a um acordo satisfatório para todas as partes”. Nesse contexto, o ministro das Relações Exteriores sudanês pediu aos Estados Unidos que se engajassem nas negociações para “obrigar a Etiópia a não iniciar o segundo enchimento do GERD sem o consentimento das partes envolvidas”.

Os três países africanos há muito tempo estão em uma disputa pela construção da barragem, com Egito e Sudão pedindo um acordo legal para enchimento e operação da barragem.

O Egito teme que a represa reduza sua participação no fluxo de água do Nilo, com efeitos potencialmente graves nas necessidades de água do país.

A Etiópia diz que a barragem geraria mais de 6.400 megawatts de eletricidade, aumentando as necessidades de eletricidade de sua população.

LEIA: Etiópia lança operação após a morte de vinte e oito pessoas por atiradores

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudão
Show Comments
Show Comments