Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu precisa de partidos anti-árabes e islâmicos para formar uma coalizão

Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em Jerusalém em 8 de fevereiro de 2021 [Reuven Castro/ Pool/ AFP/ Getty Images]
Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em Jerusalém em 8 de fevereiro de 2021 [Reuven Castro/ Pool/ AFP/ Getty Images]

Pela primeira vez na história, Israel enfrenta a tentativa de reunir um partido extremista de direita e anti-árabe e um partido islâmico para formar um governo de coalizão.

O Likud do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ganhou apenas 30 cadeiras na última eleição e ele é capaz de formar um bloco de 52 cadeiras no Knesset contra um bloco de 57 cadeiras liderado pelo segundo maior partido no Knesset – Yesh Atid liderado por Yair Lapid .

O bloco que formar uma coalizão de 61 cadeiras poderá formar o próximo governo.

Como resultado, Netanyahu só consegue formar um governo se conseguir os sete assentos obtidos pelo Partido Yamina, liderado pelo ex-ministro da Defesa Naftali Bennett, e os quatro assentos do Partido Raam, liderado por Abbas Mansour, que é um líder do ramo sul do Movimento Islâmico em Israel, juntos sob uma coalizão.

No entanto, os parceiros de Netanyahu, incluindo o Partido Religioso Sionista liderado pelo extremista direitista Bezalel Smotrich, recusaram-se a aderir a uma coalizão que inclua partidos árabes. Embora Raam tenha dito que também não se sentaria em um governo com Smotrich ou Itmar Ben Gvir, membro kahanista de seu partido.

LEIA: Netanyahu inicia contato com Arab MK para formar governo de coalizão

Categorias
Eleições israelensesIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments