Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grã-Bretanha entra na briga EUA-China

Grã-Bretanha entra na briga EUA-China
O primeiro-ministro britânico Boris Johnson deixa 10 Downing Street em Londres, Reino Unido em 17 de março de 2021 [David Cliff / Agência Anadolu]

O discurso de Boris Johnson em 16 de março perante o Parlamento britânico fez lembrar, pelo menos no tom, o do presidente chinês Xi Jinping em outubro de 2019, no 70º aniversário da fundação da República da China.

A comparação é bastante adequada se nos lembrarmos da mudança há muito esperada na política externa da Grã-Bretanha e da necessidade urgente do governo conservador de Johnson de traçar um novo rumo global em busca de novos aliados – e novos inimigos.

As palavras de Xi em 2019 sinalizaram uma nova era na política externa chinesa, na qual Pequim esperava enviar uma mensagem a seus aliados e inimigos de que as regras do jogo estavam finalmente mudando a seu favor. Uma nova era em que o milagre econômico da China – lançado sob a liderança de Deng Xiaoping em 1992 – não estaria mais confinado ao reino da acumulação de riqueza, mas iria excedê-lo também na política e no poderio militar.

No caso da China, as declarações de Xi não foram uma mudança em si, mas sim uma progressão racional. No entanto, no caso da Grã-Bretanha, o processo, embora em última análise seja racional, dificilmente é simples. Depois de deixar oficialmente a União Europeia (UE) em janeiro de 2020, esperava-se que a Grã-Bretanha articulasse uma nova agenda nacional. Essa articulação, no entanto, foi prejudicada pela pandemia de covid-19 e pelas múltiplas crises que ela gerou.

LEIA: Turquia levanta direitos uigur em reunião com ministro chinês

Vários cenários sobre a natureza da nova agenda da Grã-Bretanha eram plausíveis:

Um – que a Grã-Bretanha mantivesse um certo grau de proximidade política com a UE, evitando assim repercussões mais negativas do Brexit.

Dois – para a Grã-Bretanha retornasse à sua antiga aliança com os Estados Unidos, iniciada para valer na era pós-Segunda Guerra Mundial e com a formação da OTAN, tendo atingido seu auge na corrida para a invasão do Iraque em 2003.

Finalmente, que a Grã-Bretanha desempenhasse o papel de mediadora, mantendo-se a uma distância igual de todas as partes, para colher os benefícios de sua posição única como um país forte com uma rede global massiva.

Um relatório do governo, “Grã-Bretanha Global em uma Era Competitiva”, lançado em 16 de março, e o discurso subsequente de Johnson, indicam que a Grã-Bretanha escolheu a segunda opção.

O relatório claramente prioriza a aliança britânico-americana acima de todas as outras, afirmando: “Os Estados Unidos continuarão sendo o aliado e parceiro estratégico mais importante do Reino Unido”, ressaltando a necessidade da Grã-Bretanha de colocar maior foco na região “Indo-Pacífico”, chamando-a de ” centro de intensificação da competição geopolítica “.

Portanto, sem surpresa, a Grã-Bretanha está agora pronta para enviar um porta-aviões militar para o Mar da China Meridional, e está se preparando para expandir seu arsenal nuclear de 180 para 260 ogivas, em violação óbvia do Tratado de Não-Proliferação (TNP). O último movimento pode ser atribuído diretamente ao novo realinhamento político da Grã-Bretanha, que segue em torno da máxima de “o inimigo de meu amigo é meu inimigo”.

O relatório do governo dá ênfase especial à China, alertando contra sua crescente “assertividade internacional” e “crescente importância no Indo-Pacífico”. Além disso, apela a um maior investimento no reforço das “capacidades para enfrentar a China” e em resposta ao “desafio sistemático” que a China “representa para a nossa segurança”.

LEIA: A política de Biden na China está condenada desde o início

O modo como as ogivas nucleares adicionais permitirão à Grã-Bretanha atingir seus objetivos acima permanece incerto. Comparado com a Rússia e os EUA, o arsenal nuclear da Grã-Bretanha, embora devidamente destrutivo, é insignificante em termos de seu tamanho total. No entanto, como a história nos ensinou, as armas nucleares raramente são fabricadas para serem usadas na guerra – com a única exceção de Hiroshima e Nagasaki. O número de ogivas nucleares e a posição precisa de seu desdobramento operacional geralmente têm o objetivo de enviar uma mensagem, não apenas de força ou determinação, mas também de delineamento da posição de um país específico em termos de suas alianças.

A Guerra Fria EUA-Soviética, por exemplo, foi amplamente expressa por meio de uma corrida armamentista implacável, com as armas nucleares desempenhando um papel central nesse conflito polarizador, dividindo o mundo em dois grandes campos político-ideológicos.

Agora que a China provavelmente reivindicará o status de superpotência desfrutado pelos soviéticos até o início da década de 1990, um novo Grande Jogo e a Guerra Fria podem ser sentidos, não apenas na região da Ásia-Pacífico, mas em lugares tão distantes quanto a África e a América do Sul. Enquanto a Europa continua protegendo suas apostas neste novo conflito global – tranquilizada pelo tamanho das economias coletivas de seus membros – a Grã-Bretanha, graças ao Brexit, não tem mais essa influência. Deixando de ser membro da UE, o Reino Unido agora deseja proteger seus interesses globais por meio de um compromisso direto com os interesses dos EUA. Agora que a China foi designada como o novo inimigo dos EUA, a Grã-Bretanha deve jogar junto.

Embora muita cobertura da mídia tenha sido dedicada à expansão do arsenal nuclear da Grã-Bretanha, pouca atenção foi dada ao fato de que o movimento britânico é um mero passo em um esquema político mais amplo, que visa, em última instância, executar uma inclinação britânica para a Ásia, semelhante ao “giro para a Ásia” dos EUA, declarado pelo governo Barack Obama há quase uma década.

A mudança na política externa britânica é uma aposta sem precedentes para Londres, já que a natureza da nova Guerra Fria é fundamentalmente diferente da anterior; desta vez, o “Ocidente” está dividido, dilacerado pela política e pelas crises, enquanto a OTAN já não é a superpotência de outrora.

Agora que a Grã-Bretanha deixou clara sua posição, a bola está no campo chinês e o novo grande jogo está, de fato, em andamento.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosEuropa & RússiaOpiniãoReino Unido
Show Comments
Show Comments