Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A política de Biden na China está condenada desde o início

Da esquerda para a direita, a vice-presidenta dos EUA, Kamala Harris, o presidente Joe Biden e o secretário de Estado dos EUA Anthony Blinken, na Casa Branca, participando de uma reunião virtual com líderes dos países da aliança "Quad" , o primeiro-ministro Narendra Modi da Índia, o primeiro-ministro Scott Morrison da Austrália e o primeiro-ministro Yoshihide Suga do Japão para discutir questões regionais. (Foto de Alex Wong / Getty Images)
Da esquerda para a direita, a vice-presidenta dos EUA, Kamala Harris, o presidente Joe Biden e o secretário de Estado dos EUA Anthony Blinken, na Casa Branca, participando de uma reunião virtual com líderes dos países da aliança "Quad" , o primeiro-ministro Narendra Modi da Índia, o primeiro-ministro Scott Morrison da Austrália e o primeiro-ministro Yoshihide Suga do Japão para discutir questões regionais. (Foto de Alex Wong / Getty Images)

Um movimento muito antecipado da política externa dos EUA sob o governo Biden sobre como conter o crescimento econômico desimpedido e as ambições políticas da China veio na forma de uma cúpula virtual em 12 de março, ligando os Estados Unidos à Índia, Austrália e Japão. Embora o chamado Quad – Quadrilateral Security Dialogue – não tenha revelado nada de novo na declaração conjunta dos participantes, os líderes desses quatro países falaram de uma reunião “histórica”, descrita pelo site The Diplomat como “um marco significativo na evolução do grupo”.

Na verdade, a declaração conjunta contém pouca substância e certamente nada de novo em um projeto sobre como reverter – ou mesmo desacelerar – os sucessos geopolíticos de Pequim, que vem aumentando a confiança militar e a presença em ou ao redor de hidrovias globais estratégicas.

Durante anos, o Quad esteve ocupado formulando uma estratégia unificada em relação à China, mas não conseguiu conceber nada de significado prático. Deixando de lado as reuniões “históricas”, a China é a única grande economia do mundo com previsão de crescimento econômico significativo este ano, e em breve. As projeções do Fundo Monetário Internacional mostram que a economia chinesa deve se expandir em 8,1 por cento em 2021, enquanto de acordo com dados do Bureau of Economic Analysis dos Estados Unidos, o PIB da América caiu cerca de 3,5 por cento em 2020.

O Quad começou em 2007 e foi retomado em 2017 com o objetivo óbvio de repelir o avanço da China em todos os campos. Como a maioria das alianças americanas, o Quad é a manifestação política de uma aliança militar, ou seja, os Exercícios Navais do Malabar, iniciados em 1992 e logo se expandidos para incluir os quatro países.

LEIA: Estados Unidos devem dar fim à punição coletiva contra o povo da Venezuela

Desde o giro de Washington para a Ásia, para reversão da política externa norte-americana baseada em dar maior enfoque ao Oriente Médio, há poucas evidências de que suas políticas de confronto tenham enfraquecido a presença, o comércio ou a diplomacia de Pequim em todo o continente. Além dos encontros imediatos entre as marinhas dos EUA e da China no Mar da China Meridional, há muito pouco a relatar.

Embora grande parte da cobertura da mídia tenha se concentrado nisso, pouco tem sido dito sobre o giro da China em relação ao Oriente Médio, que tem sido muito mais bem-sucedido do que a mudança geo-estratégica americana como empreendimento econômico e político.

A mudança sísmica nas prioridades da política externa dos EUA resultou no fracasso em traduzir a invasão e ocupação do Iraque em 2003 em um sucesso geo-econômico mensurável, com a tomada do controle do petróleo iraquiano, a segunda maior reserva comprovada de petróleo do mundo. A estratégia dos Estados Unidos provou ser um erro crasso.

O presidente dos EUA, Joe Biden (esq.), com o Secretário de Estado Antony Blinken (2º esq.), se reúne virtualmente com membros da aliança "Quad" da Austrália, Índia, Japão e EUA, na Casa Branca em Washington , DC, em 12 de março de 2021. [Olivier Douliery/ AFP via Getty Images]

O presidente dos EUA, Joe Biden (esq.), com o Secretário de Estado Antony Blinken (2º esq.), se reúne virtualmente com membros da aliança “Quad” da Austrália, Índia, Japão e EUA, na Casa Branca em Washington , DC, em 12 de março de 2021. [Olivier Douliery/ AFP via Getty Images]

Em um artigo publicado no Financial Times em setembro do ano passado, Jamil Anderlini fez uma observação fascinante: “Se petróleo e influência eram os prêmios, então parece que a China, não os Estados Unidos, acabou vencendo a guerra do Iraque e suas consequências – sem nunca disparar um tiro.” Ele tem razão. Não apenas a China é agora o maior parceiro comercial do Iraque, mas a enorme influência econômica e política de Pequim no Oriente Médio também é um triunfo. A China é agora, de acordo com o Financial Times, o maior investidor estrangeiro no Oriente Médio e um parceiro estratégico de todos os Estados do Golfo, exceto Bahrein. Compare isso com a confusa agenda de política externa de Washington na região, sua indecisão sem precedentes, a ausência de uma doutrina política clara e o colapso sistemático de suas alianças regionais.

O paradigma se torna mais claro e convincente quando entendido em escala global. No final de 2019, a China tornou-se líder mundial em termos de diplomacia, já que contava com 276 postos diplomáticos, muitos dos quais são consulados. Ao contrário das embaixadas, os consulados desempenham um papel mais significativo em termos de comércio e intercâmbio econômico. De acordo com dados de 2019 publicados na revista Foreign Affairs, a China tem 96 consulados em comparação com os 88 da América. Em 2012, Pequim estava significativamente atrás da representação diplomática de Washington, em precisamente 23 postos.

Onde quer que a China seja representada diplomaticamente, o desenvolvimento econômico segue. Ao contrário da estratégia global desconexa dos EUA, as ambições da China são articuladas por meio de uma rede massiva conhecida como Belt and Road Initiative (BRI), estimada em trilhões de dólares. Quando concluída, a BRI deve unificar mais de sessenta países em torno de estratégias econômicas e rotas comerciais lideradas pela China. Para que isso se materializasse, a China agiu rapidamente para se estabelecer nas proximidades das hidrovias mais estratégicas do mundo, investindo pesado em algumas e, como no caso do estreito de Bab Al-Mandab, estabelecendo sua primeira base militar ultramarina em Djibouti, no Chifre da África.

Em um momento em que a economia dos Estados Unidos está encolhendo e seus aliados europeus estão politicamente divididos, é difícil imaginar que qualquer plano dos EUA para conter a influência da China, seja no Oriente Médio, na Ásia ou em qualquer outro lugar, vá ter muito sucesso.

LEIA: A Baía de Guantánamo é a vergonha sem fim da América

O maior obstáculo à estratégia de Washington para a China é que nunca levará a um resultado em que os EUA alcancem uma vitória clara e precisa. Economicamente, a China agora está impulsionando o crescimento global, equilibrando assim a crise internacional dos EUA resultante da pandemia de covid-19. Ferir a China economicamente enfraqueceria os EUA e também os mercados globais.

O mesmo é verdade política e estrategicamente. No caso do Oriente Médio, o giro para a Ásia saiu pela culatra em várias frentes. Por um lado, não registrou nenhum sucesso palpável na Ásia, enquanto, por outro, criou um vazio enorme para que a China redirecionasse sua própria estratégia na região.

Alguns argumentam, acredito erroneamente, que toda a estratégia política da China se baseia em seu desejo meramente de “fazer negócios”. Embora o domínio econômico seja historicamente o principal impulsionador de todas as superpotências, a busca de Pequim pela supremacia global dificilmente se limita às finanças. Em muitas frentes, a China já assumiu a liderança ou está chegando lá. Por exemplo, em 9 de março, assinou um acordo com a Rússia para construir a Estação Internacional de Pesquisas Lunar (ILRS). Considerando o longo legado da Rússia na exploração espacial e as recentes conquistas da China no campo – incluindo a primeira espaçonave pousando na área lunar da Bacia Aitken do Pólo Sul – ambos os países devem assumir a liderança na corrida espacial ressuscitada.

A reunião do Quad liderada pelos Estados Unidos não foi, portanto, histórica nem revolucionária. Todos os indicadores atestam que a liderança global da China continuará sem obstáculos, um evento conseqüente que já está reordenando os paradigmas geopolíticos mundiais que existem há mais de um século.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEstados UnidosÍndiaJapãoOceâniaOpinião
Show Comments
Show Comments