Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quarteto do Oriente Médio discute retomar ‘negociações substanciais’

Placas indicam os assentos do Ministro de Relações Exteriores de Israel Tzipi Livni e sua contraparte palestina Saeb Erekat em reunião do chamado Quarteto do Oriente Médio, durante a 68a sessão da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, 27 de setembro de 2013 [Stan Honda/AFP via Getty Images]
Placas indicam os assentos do Ministro de Relações Exteriores de Israel Tzipi Livni e sua contraparte palestina Saeb Erekat em reunião do chamado Quarteto do Oriente Médio, durante a 68a sessão da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, 27 de setembro de 2013 [Stan Honda/AFP via Getty Images]

O chamado Quarteto do Oriente Médio, composto por União Europeia, Rússia, Estados Unidos e Organização das Nações Unidas (ONU), discutiu nesta terça-feira (23) um “retorno a negociações substanciais” para uma eventual solução à questão Israel-Palestina.

Uma cópia do comunicado à imprensa emitido pelo grupo de mediação internacional foi submetida ao MEMO.

Em nota, Murad Bakri, oficial de comunicação estratégica e informações públicas do fórum, relatou que representantes das quatro entidades integrantes reuniram-se online para debater a retomada de negociações com o objetivo de alcançar a “solução de dois estados”.

Destacou Bakri: “A conversa incluiu passos tangíveis para avançar em termos de liberdade, segurança e prosperidade para palestinos e israelenses, algo importante por definição”.

Os enviados internacionais, segundo o comunicado, também analisaram a situação em campo.

“Em particular, observaram a pandemia de covid-19, a disparidade insustentável no desenvolvimento econômico entre israelenses e palestinos e a urgência das partes de evitar ações unilaterais que dificultam ainda mais a solução de dois estados”, concluiu a nota.

LEIA: Rússia e EUA querem cooperar no ‘processo de paz’ do Oriente Médio

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaRússia
Show Comments
Show Comments