Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O teto de vidro foi quebrado pela eleição de duas mulheres para a liderança do Hamas

Hamas cria comitê de eleições em Gaza, 16 de dezembro de 2019. [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]
Hamas cria comitê de eleições em Gaza, 16 de dezembro de 2019. [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

Os resultados das recentes eleições dentro do Hamas na Faixa de Gaza são significativos, porque, pela primeira vez desde que foi fundado, em 1987, duas mulheres ingressaram no bureau político do movimento. Esse desenvolvimento chamou a atenção da comunidade palestina, árabe e internacional, pois dissipou o estereótipo promovido pela propaganda israelense de que o Hamas é um movimento religioso sombrio que exclui as mulheres e não lhes dá o status que merecem.

O próprio Hamas anunciou que Jamila Al-Shanti e Fatima Shurrab serão membros do bureau político até 2025. Al-Shanti, 66, é uma líder do movimento feminista e membro do Conselho Legislativo Palestino. O estado de ocupação israelense a colocou em sua lista de assassinatos depois que ela e outras mulheres tiveram sucesso em romper o cerco à mesquita Umm Al-Nasr em Beit Hanoun em 2006. Várias mulheres foram mortas e feridas pelas Forças de “Defesa” de Israel durante o incidente.

Shurrab é a líder da seção feminina do Hamas e tem uma posição de destaque entre seus membros femininos. Ela está envolvida em atividades populares e do Hamas.

LEIA: Uma nova facção se forma em Gaza; a divisão se aprofunda

“O processo eleitoral do movimento permite que as mulheres sejam eleitas e ocupem cargos importantes na tomada de decisões”, disse o Hamas. “Garante seus direitos no trabalho conjunto ou separado.”

Isso lança luz sobre a posição das mulheres no pensamento e comportamento político do Hamas. Desde o seu início, o movimento entendeu o papel que as mulheres desempenham como pilares fundamentais da sociedade, definitivamente não subordinados aos homens. Formou o Departamento de Ação da Mulher no final dos anos 1980 como um de seus comitês organizacionais como qualquer outro, com orçamento e atividades públicas.

A presença feminina em suas fileiras atrai novos integrantes, principalmente entre os universitários. É importante destacar que as mulheres integrantes do movimento têm o poder de se mobilizar e atuar no domínio público. Eles usam um discurso religioso que influencia todos os palestinos, especialmente em áreas rurais e campos de refugiados, onde as comunidades são mais conservadoras e alinhadas com a dimensão religiosa que domina o discurso político do Hamas.

A eleição legislativa de 2006 representou uma oportunidade histórica de destacar o papel das mulheres no Hamas, que estava ansioso para apresentar candidatas mulheres. Em uma declaração datada de 2 de janeiro de 2006, anunciou sua proposta de colocar as mulheres ao lado dos homens; introduzir legislação que proteja os direitos das mulheres; e sua intenção de resistir às tentativas de marginalizar as mulheres. Seis mulheres conquistaram assentos no Conselho Legislativo na lista do Hamas: Jamila Al-Shanti, Maryam Farhat, Samira Al-Halaiqa, Mona Mansour, Hoda Naim e Maryam Saleh.

No entanto, a eleição de Al-Shanti e Shurrab para o bureau político confirma uma mudança real dentro do Hamas em termos de sua visão positiva das mulheres. É um movimento que os levará a assumir posições de liderança nos municípios, parlamento e ministérios, bem como dentro da organização.

Palestinos se reúnem para comemorar o 32º aniversário do Hamas em Gaza, em 16 de dezembro de 2019. [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

Palestinos se reúnem para comemorar o 32º aniversário do Hamas em Gaza, em 16 de dezembro de 2019. [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

A sede do movimento de mulheres do Hamas na Cidade de Gaza é uma colmeia de atividade. É lá que seus membros femininos são envolvidos em comitês de, entre outros, treinamento, voluntariado, relações públicas e educação. Isso é natural, é claro, porque o Hamas sabe por experiência que as mulheres sempre estiveram no centro da resistência à ocupação israelense. Eles demonstraram suas capacidades e eficácia em funções de linha de frente, razão pela qual o Hamas integrou as mulheres completamente em sua estrutura organizacional, não apenas em um departamento separado.

As mulheres são membros do Conselho Geral Shura, o órgão máximo do Hamas. Ainda há muito trabalho a fazer para conseguir uma representação plena das mulheres nas instituições do Hamas, apesar do grande salto em frente nos últimos anos, e há um debate em curso para mudar a percepção dessa representação no topo do movimento.

LEIA: Exilado por 14 anos, assessor direto de Dahlan retorna a Gaza

É importante ressaltar que há uma diferença importante entre os dois principais órgãos do Hamas, o Conselho Shura e o Bureau Político. O primeiro tem um papel consultivo não vinculativo para a liderança e tem dezenas de membros, incluindo várias mulheres. A mesa política, por sua vez, tem apenas quinze membros e suas decisões são vinculativas para o movimento. É encorajador que as mulheres tenham finalmente quebrado o teto de vidro e sido eleitas para suas fileiras.

Desde a sua fundação, o Hamas reconheceu que a mulher muçulmana tem “um papel não menos importante” do que o do homem muçulmano na luta de libertação. “Ela é a criadora de homens. Seu papel em orientar e educar as novas gerações é excelente.”

No entanto, o envolvimento das mulheres na resistência armada foi limitado devido a barreiras legais, restrições religiosas e normas sociais. Era inaceitável até Reem Riyashi realizar um ataque contra Israel em janeiro de 2004 na passagem de Erez, no norte de Gaza. Isso causou uma mudança na visão do Hamas sobre tal envolvimento. Em abril de 2007, a ala militar do movimento, Brigadas Al-Qassam, anunciou a formação de sua primeira célula feminina.

A eleição de duas mulheres para o bureau político do Hamas mostra até que ponto o movimento depende fortemente das mulheres hoje, em um grau não menos do que dos homens, especialmente na mobilização popular e no apoio público. Isso será essencial nas próximas campanhas eleitorais nos próximos meses. Jamila Al-Shanti e Fatima Shurrab deram um exemplo que provavelmente será seguido por muito mais mulheres dentro do Hamas nos próximos anos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEleições PalestinasIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments