Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Exilado por 14 anos, assessor direto de Dahlan retorna a Gaza

Palestino Rashed Abu Shbak (centro), então chefe da segurança preventiva na Faixa de Gaza, na saída de reunião de comandantes com o chefe de segurança palestino Mohammed Dahlan em 20 de agosto de 2003 em seu escritório na Cidade de Gaza, Faixa de Gaza. [Abid Katib / Getty Images]
Palestino Rashed Abu Shbak (centro), então chefe da segurança preventiva na Faixa de Gaza, na saída de reunião de comandantes com o chefe de segurança palestino Mohammed Dahlan em 20 de agosto de 2003 em seu escritório na Cidade de Gaza, Faixa de Gaza. [Abid Katib / Getty Images]

Rashid Abu-Shbak, um dos assessores mais imortantes do líder demitido do Fatah, Mohammad Dahlan, retornou à Faixa de Gaza após 14 anos no exílio, informou a mídia palestina.

Em um comunicado, o líder sênior da Corrente de Reforma Democrática de Dahlan, Salah Abu-Khatla, disse que o retorno de Abu-Shbak,que passou pela Travessia de Rafah, “é um passo importante para a conquista da unidade nacional e o fim da divisão interna. ”

Abu-Shbak retornou a Gaza após a volta de centenas de membros do Fatah e líderes leais a Dahlan que haviam fugido da Faixa em 2007 depois de fracassarem na tentativa de remover o Hamas do poder. O Hamas havia vencido as eleições palestinas meses antes.

As atividades e apoiadores de Dahlan ainda estão proibidos na Cisjordânia, que é controlada pela Autoridade Palestina liderada pelo Fatah.

“Esses ativistas e líderes voltaram a Gaza para participar dos preparativos para as eleições parlamentares”, disse Abu-Khatla.

LEIA: Para Al-Qudwa, ‘É hora de os líderes da Fatah se posicionarem contra Abbas’ Sênior

Quando vivia em Gaza, Abu-Shbak era o ex-chefe da Força de Segurança Preventiva dominada pelo Fatah na Faixa de Gaza e que, junto com o aparato de segurança presidencial e as Forças Executivas do Fatah, trabalhou para derrubar o Hamas.

Ele foi demitido de seu cargo pelo Fatah após uma decisão do tribunal da Cisjordânia, mas também por suas relações com Dahlan, de 57 anos, expulso do corpo governante do Fatah em 2011 por acusações de conspiração para derrubar o presidente palestino Mahmoud Abbas. Ele vive exilado nos Emirados Árabes Unidos desde 2012.

Em dezembro de 2019, a Turquia acrescentou Dahlan à sua lista de terroristas mais procurados, com uma recompensa de US $ 1,7 milhão por sua cabeça, devido ao seu suposto envolvimento na perpetração da tentativa de golpe militar contra o presidente Recep Tayyip Erdogan e seu governo em 15 de julho de 2016, em cooperação com seguidores do clérigo turco exilado, Fethullah Gülen, que permanece nos Estados Unidos.

Categorias
Eleições PalestinasIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments