Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Visita do Papa Francisco ao Iraque levanta muitas questões

O Papa Francisco acena para a multidão ao chegar para conduzir uma missa no Estádio Franso Hariri, em 07 de março de 2021, em Erbil, Iraque. [Chris McGrath/Getty Images]
O Papa Francisco acena para a multidão ao chegar para conduzir uma missa no Estádio Franso Hariri, em 07 de março de 2021, em Erbil, Iraque. [Chris McGrath/Getty Images]

O Papa Francisco visitou o Iraque na semana passada no que se diz ter sido a primeira viagem do gênero. Aconteceu em um momento de circunstâncias excepcionalmente difíceis pelas quais o Iraque vem passando desde a invasão dos Estados Unidos em 2003, com contínuos distúrbios e mortes. E com os restos do Daesh ainda em cena, foi necessário o que parecia ser todo o Exército iraquiano para proteger o chefe da Igreja Católica, ao lado de 200 policiais e das Forças Especiais dos EUA. Uma zona de exclusão aérea foi imposta em todo o Iraque e a cidade de Najaf foi fechada quando o Papa visitou o clérigo xiita mais antigo do país, o Grande Aiatolá Ali Al-Sistani. De acordo com as estimativas iniciais, a visita custou ao tesouro iraquiano milhões de dólares, enquanto muitos cidadãos vivem na pobreza.

O regime iraquiano recebeu o Papa com grande cordialidade; o comitê de boas-vindas incluiu o presidente, o primeiro-ministro e todos os ministros do governo e funcionários estaduais. Foi uma recepção impressionante, embora exagerada, como o Papa não havia recebido em nenhum país. Em que o regime estava pensando? O que estava tentando provar?

O Papa aparentemente cancelou uma viagem à América do Sul para ir ao Iraque, o que me faz pensar no que ele esperava obter com isso. Certamente não era apenas para orar pelos cristãos iraquianos, dos quais existem apenas 400.000 no país, a maioria tendo emigrado após a invasão dos Estados Unidos.

LEIA: Papa Francisco visita Qaraqosh, enclave cristão governado pelo Daesh por três anos

É certo também que ele levava mensagens políticas de um determinado país, além das mensagens para o consumo da mídia em seu discurso na sexta-feira passada e durante as três missas que realizou. Ele repetiu as palavras dos papas antes dele sobre o espírito de amor e paz entre todos os seres humanos. No entanto, ele também disse algo que os papas antes dele não ousaram dizer; que judeus, cristãos e muçulmanos são todos filhos de Abraão. Esta é a primeira vez que um Papa Católico reconhece o Islã como uma religião divina. Seus predecessores consideravam os muçulmanos seguidores dos ensinamentos de um homem justo, Maomé, que escreveu as escrituras, mas não recebeu revelação divina.

O Papa Francisco se acostumou a desempenhar o papel de mediador desde que assumiu o papado. Ele ajudou a restaurar as relações diplomáticas entre os EUA e Cuba e esteve envolvido nas crises de refugiados na Europa e na América. A revista Fortune o classificou na lista dos 50 maiores líderes mundiais, enquanto a Forbes o classificou como o quarto homem mais poderoso do mundo.

Papa Francisco é recebido pelo presidente iraquiano, Barham Saleh, no palácio presidencial em Bagdá, em 5 de março de 2021, na primeira visita papal ao Iraque. [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

Papa Francisco é recebido pelo presidente iraquiano, Barham Saleh, no palácio presidencial em Bagdá, em 5 de março de 2021, na primeira visita papal ao Iraque. [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

O que a quarta pessoa mais poderosa do mundo quer de um país que já foi a capital do mundo muçulmano e, portanto, o país mais poderoso do mundo? Um país que o Vaticano temia tanto que se absteria de tocar os sinos das igrejas quando navios muçulmanos estivessem à vista, para não os provocar.

O que o Papa quer do Estado do Iraque que foi destruído pela invasão dos Estados Unidos, que deslocou milhões de seus habitantes e saqueou suas riquezas e patrimônio? Por que ele não condenou a invasão enquanto estava no coração do Iraque?

O que realmente me deixa perplexo em tudo isso é o regime iraquiano, com sua excessiva hospitalidade. Espera que o Papa lhe conceda um certificado de boa conduta e comportamento por todos os massacres ocorridos em seu território nos últimos dezoito anos? É claro que o regime viu essa visita como um reconhecimento de si mesmo e de seu odioso sectarismo, dando-lhe o sinal de aumentar sua repressão à revolução iraquiana que eclodiu há mais de um ano.

Talvez a mensagem levada pelo Papa Francisco fosse destinada ao Irã. Sua visita a Najaf e seu encontro com Sistani, a autoridade xiita suprema no Iraque, é um reconhecimento da importância e do simbolismo religioso do aiatolá, que lhe permitiu desempenhar um papel político decisivo nos assuntos de Estado.

LEIA: ‘A paz é mais poderosa que a guerra’, diz o Papa Francisco na cidade em ruínas de Mosul, no Iraque

Paul Bremer foi o homem nomeado por Washington para governar o Iraque após a invasão e queda de Bagdá. Em seu livro Meu Ano no Iraque, ele explica o desejo da América de manter o apoio aos xiitas e Sistani e de excluir as forças xiitas aliadas do Irã. O papel de Sistani dentro da comunidade xiita é semelhante ao do Papa para os católicos; ele não administra os assuntos políticos diários, mas exerce sua influência por meio de discussões privadas com seguidores leais e emite opiniões religiosas autorizadas.

Isto é um fato. Desde 2003, Sistani desempenhou um papel importante e permitiu que os xiitas iraquianos tivessem a vantagem no governo por meio de sua insistência em escrever a constituição por meio de uma assembleia eleita e introduzir a aplicação da lei islâmica na constituição, para que os xiitas tivessem benefícios. Existem muitos exemplos do papel político de Sistani no Iraque, apenas um deles é que foi ele quem forçou o primeiro-ministro Adil Abdul Mahdi a apresentar sua renúncia no ano passado, após a revolução contra ele e a morte de manifestantes.

Portanto, é razoável dizer que Sistani ajudou a moldar a política no Iraque, com grande impacto nos políticos e no povo, bem como no curso das coisas no país. Isso é bem conhecido e reconhecido por Bremer.

Por que, então, o Papa Francisco começou sua visita ao Iraque com uma visita a Sistani? Só poderia ter sido por causa de sua posição política e para entregar uma mensagem de outro país. Possivelmente até dos Estados Unidos, embora não possamos ter certeza. Qual foi a mensagem e o que está sendo pedido ao Iraque? Ou Bagdá está sendo ameaçada, já que a visita do Papa foi incentivada por Washington depois de dois ataques contra as forças dos EUA no Iraque em menos de duas semanas?

Também me pergunto qual será a posição do Irã sobre essa visita um tanto suspeita. Teerã basicamente controla o Iraque e o vê mais ou menos como uma província da República Islâmica.

Existem muitas questões em torno de todo esse problema. Podemos, talvez, esperar algumas respostas nos dias que virão.

LEIA: Papa Francisco encontra Sistani, principal clérigo xiita do Iraque

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIrãIraqueOpiniãoOriente MédioVaticano
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments