Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A realidade política e o conceito nacional da independência palestina

Uma visão geral de uma reunião de chanceleres árabes com o presidente palestino para discutir uma iniciativa de paz francesa na capital egípcia, Cairo, em 28 de maio de 2016. [Stringer/AFP via Getty Images]
Uma visão geral de uma reunião de chanceleres árabes com o presidente palestino para discutir uma iniciativa de paz francesa na capital egípcia, Cairo, em 28 de maio de 2016. [Stringer/AFP via Getty Images]

Os esforços diplomáticos palestinos continuam, com o apoio da Jordânia e do Egito, para mobilizar o apoio árabe e internacional para a causa palestina a fim de encerrar a ocupação israelense da terra designada como Estado da Palestina e estabelecer o Estado nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital. Esses esforços também têm como objetivo resolver a questão dos refugiados de acordo com a Resolução 194 da ONU e libertar prisioneiros palestinos detidos em prisões israelenses.

Esses esforços devem ser redobrados, com ação urgente do “Quarteto do Oriente Médio” – a ONU, a União Europeia, os EUA e a Rússia – cujos delegados se reuniram recentemente para impulsionar o processo de paz de acordo com as referências internacionais, resoluções e Iniciativa de Paz Árabe. Também é importante tomar decisões claras sobre a necessidade de realizar uma conferência internacional de paz para impulsionar esse processo.

No terreno, a liderança palestina deve dar os passos necessários e incorporar a Declaração da Independência da Palestina, que tem estado conosco nas últimas três décadas, para que as aspirações do povo palestino ao longo das fases de luta, perseverança e libertação possam ser realizadas. A liderança tem que incorporar o conceito de independência e direitos nacionais palestinos dentro de organizações e instituições internacionais antes de transformá-los em realidades políticas.

LEIA: Biden garante a Netanyahu que o status quo está mantido

As facções palestinas, enquanto isso, devem trabalhar para implementar o decreto presidencial relacionado às liberdades civis para criar o clima apropriado para que as eleições sejam transparentes, livres e justas, de modo que processos democráticos sejam estabelecidos na vida diária dos palestinos. Isso preservará o legado político e de luta dos palestinos, bem como apoiará o conceito de independência nacional e a importância de um compromisso de todos os partidos com o que foi acordado em termos de estrutura política para as eleições. Isso também pode representar uma imagem honrosa diante do mundo e permitir ao Estado palestino se expressar e sua abordagem democrática.

O fato é que os palestinos têm direitos legítimos, inclusive o direito ao seu próprio estado. E tal estado deve ser capaz de emitir seus próprios passaportes e moeda. Também é importante desenvolver as instituições palestinas dentro da estrutura da Organização para a Libertação da Palestina, que é a opção reconhecida para um Estado Palestino independente.

A diplomacia palestina continua a expressar a realidade das pessoas que vivem sob a ocupação em curso. Traz detalhes das violações diárias e agressões injustas perpetradas pelo exército de ocupação israelense contra o povo palestino para que a posição internacional seja fortalecida em apoio aos seus direitos legítimos. A diplomacia também visa fortalecer o reconhecimento internacional do Estado palestino.

O estabelecimento do Estado da Palestina como uma realidade porá fim à ocupação racista, ao terrorismo de estado da potência ocupante, ao ataque aos direitos palestinos e à crescente anexação por meio do estabelecimento e crescimento de assentamentos ilegais. O reconhecimento pela ONU de um estado independente deve ser uma prioridade para a comunidade internacional, se a ocupação militar mais longa do mundo for encerrada.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe em Addustour, em 2 de março de 2021.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEUAEuropa & RússiaIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaRússia
Show Comments
Show Comments