Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Biden garante a Netanyahu que o status quo está mantido

O presidente dos EUA Joe Biden (esq.) e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, em 9 de março de 2016. [Debbie Hill/AFP/Getty Images]
O presidente dos EUA Joe Biden (esq.) e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, em 9 de março de 2016. [Debbie Hill/AFP/Getty Images]

Com o primeiro telefonema do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, os primeiros indícios da diplomacia do novo governo em relação à Palestina e Israel se tornaram públicos. Biden, ao que parece, irá incorporar elementos das políticas da administração Trump enquanto promove o paradigma dos dois estados, mesmo que tanto a anexação ilegal quanto os acordos de normalização dos “Acordos de Abraham” tenham dado um golpe permanente até mesmo nas premissas mais hipotéticas sobre um estado palestino independente.

Em uma entrevista no início deste mês, o embaixador de Trump em Israel, David Friedman, falou sobre a possibilidade de um retorno à política da era Obama. “Isso é preocupante se eles [a administração Biden] replicarem a política externa de Obama”, afirmou Friedman, quando questionado se os próximos quatro anos poderiam causar “preocupação” para Israel.

A noção de que Biden poderia desfazer o que o ex-presidente Donald Trump conquistou para Israel agora está sendo usada como ponto de discórdia para apontar as diferentes trajetórias políticas de suas presidências. No entanto, como Friedman apontou, os acordos de normalização com o Golfo e os estados árabes, bem como os planos de anexação, provavelmente não serão vinculados apenas ao governo Trump. Falando sobre os “Acordos de Abraham”, Friedman declarou: “Queremos expandir essas alianças para outros países e aprofundar as relações com países que normalizaram [relações]”.

LEIA: Democratas são ameaça tão grande à paz e justiça na Palestina quanto republicanos

Com Biden saudando “o apoio dos EUA à recente normalização das relações entre Israel e países do mundo árabe e muçulmano”, está claro que, apesar de quaisquer pequenas diferenças, a agenda de Biden está definida para continuar a fazer a Palestina desaparecer.

É interessante notar que Friedman ainda está enfatizando a suspensão da anexação com tanto fervor quanto fez durante sua gestão como embaixador. Ele foi muito sucinto com o entrevistador sobre o assunto: “A palavra real que usamos foi ‘suspenso’. Procure em um dicionário. É bastante claro que era temporal”.

O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden, gesticula ao chegar ao aeroporto internacional Ben Gurion de Israel, em 8 de março de 2016. [Jack Guez/AFP via Getty Images]

O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden, gesticula ao chegar ao aeroporto internacional Ben Gurion de Israel, em 8 de março de 2016. [Jack Guez/AFP via Getty Images]

Espera-se que Biden se pronuncie contra a expansão dos assentamentos, embora até agora nenhuma crítica tenha vindo de Washington pós-Trump. Em janeiro, o jornal Israel Hayom relatou que a mesma política de fechar os olhos às aprovações intermitentes de edifícios na Cisjordânia ocupada seria solicitada a Biden, garantindo, assim, a expansão contínua e, como resultado, ainda mais anexação ilegal de fato de palestinos território. Claro, a formalização pode esperar até que Israel saiba que pode novamente obter exatamente o que deseja, especialmente quando o tipo de política de Biden até agora é seguir a linha sionista normalizando o legado de Trump quando se trata da perda palestina.

É uma pena para os palestinos que Friedman possa estar certo em termos de quão longe será o legado do governo Trump. Uma ideia disso já havia sido expressa pela bajulação da comunidade internacional em relação aos “Acordos de Abraham”: que diplomata falará contra a normalização das relações, mesmo quando isso é obviamente um disfarce para a apropriação colonial de terras e a compra não só do silêncio regional, mas também internacional?

Trump pode ter ido embora, mas Biden indicou que suas políticas permanecerão e o status quo está mantido. A comunidade internacional não terá dúvidas sobre o legado, desde que Trump agora seja história em termos de sua presença política. Para a Autoridade Palestina, agir da mesma maneira, no entanto, é inaugurar uma nova era de subjugação que verá os palestinos sofrerem mais perdas, enquanto a liderança luta para salvar o compromisso de dois estados, em vez de terras e direitos palestinos.

LEIA: Israel está preocupado com o perfil das autoridades judias no governo Biden

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments