Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Autoridade Palestina é criticada por desviar vacinas do pessoal de saúde para personalidades

Trabalhador de saúde coleta uma amostra de esfregaço nasal de uma mulher para teste de coronavírus em Ramallah, Cisjordânia em 02 de março de 2021 [Agência Issam Rimawi / Anadolu]
Trabalhador de saúde coleta uma amostra de esfregaço nasal de uma mulher para teste de coronavírus em Ramallah, Cisjordânia em 02 de março de 2021 [Agência Issam Rimawi / Anadolu]

A Autoridade Palestina confirmou que desviou algumas doses da vacina Covid-19 destinadas aos profissionais de saúde da linha de frente para personalidades, incluindo a seleção nacional de futebol e ministros do governo. A AP havia dito repetidamente que suas primeiras vacinas iriam para trabalhadores da saúde e pacientes idosos, que correm o maior risco de doença grave ou morte.

No entanto, uma declaração do Ministério da Saúde da AP disse ontem que 10 por cento das 12.000 doses que recebeu foram dadas a jogadores de futebol, ministros do governo, guardas presidenciais e membros do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina. Além disso, outras 200 doses foram enviadas ao Tribunal Real de Amã, a pedido da Jordânia.

O Ministério da Saúde disse que os ministros e funcionários de segurança que receberam as vacinas estão “em contato direto com o presidente e o primeiro-ministro”. Outros que receberam a vacinação eram funcionários eleitorais. Os jogadores de futebol precisam ter certificado de vacinação porque estão viajando para o exterior “para representar a Palestina em uma partida”.

O ministério aponta que 90 por cento das doses foram para profissionais de saúde que tratavam pacientes com coronavírus em unidades de terapia intensiva e departamentos de emergência, bem como funcionários do ministério da saúde.

O ministro palestino da Saúde, Mai Al-Kaila, acrescentou que os alunos que precisam de certificados de vacinação para estudar no exterior também receberam a vacina. No entanto, ela reconheceu que as autoridades cometeram um erro ao dar a vacina a pelo menos dois jornalistas em Belém, mas disse que eles haviam agido contrariamente aos regulamentos e foram advertidos por isso.

A declaração do ministério foi dada em resposa às críticas de vários grupos palestinos de direitos humanos e da sociedade civil, que pediram uma investigação sobre o programa de vacinação, alegando não ser transparente. “As informações recebidas e depoimentos apontam para casos em andamento em que as vacinas são obtidas por várias partes, em desrespeito ao princípio de prioridade na distribuição”, disseram os grupos em um comunicado conjunto na segunda-feira.

LEIA: Tunísia enfrenta apelos de oficiais para investigar vacina gratuita vinda dos Emirados Árabes

De acordo com a agência de notícias Wafa, a Cisjordânia, onde vivem 3,1 milhões de palestinos, sofreu um aumento significativo no número de novas infecções. “Desde o início nos concentramos nos profissionais de saúde, mas há cerca de 100.000 deles”, disse Al-Kaila a repórteres ontem. “Não é o suficiente.”

O Banco Mundial disse na semana passada que os territórios palestinos ocupados têm uma das taxas de teste mais baixas do Oriente Médio e do Norte da África. A taxa de testes positivos na Cisjordânia é de mais de 21 por cento e na Faixa de Gaza, é de 29 por cento, indicando uma propagação descontrolada do vírus.

A AP espera receber uma remessa inicial da vacina Covax dentro de semanas. Ela diz que tem acordos de fornecimento com a Rússia e a farmacêutica AstraZeneca, embora as doses demorem a chegar aos territórios ocupados.

Categorias
CoronavírusNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments