Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Turquia e EUA compartilham sistema de defesa russo capturado na Líbia

Sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia em Ancara, Turquia, em 12 de julho de 2019. [Ministério da Defesa Nacional da Turquia/Anadolu Agency]
Sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia em Ancara, Turquia, em 12 de julho de 2019. [Ministério da Defesa Nacional da Turquia/Anadolu Agency]

Um sistema de defesa antimísseis de construção russa capturado, que foi relatado no mês passado como tendo sido tomado pelos militares dos EUA, agora é compartilhado entre os EUA e a Turquia, segundo autoridades líbias.

Uma reportagem do mês passado pelo Times de Londres informou que a bateria de mísseis Pantsir S-1 montada em caminhão – fabricada pela Rússia e entregue aos Emirados Árabes, que a entregaram às forças de Khalifa Haftar no leste da Líbia – foi capturada por militantes filiados ao Governo da Líbia quando capturou a Base Aérea de Al-Watiya em maio do ano passado.

Foi então recuperado de um comandante da milícia afiliado ao Daesh depois que ele o apreendeu brevemente, antes de ter sido recolhido por um avião de carga da Força Aérea dos EUA e enviado para a Base Aérea de Ramstein na Alemanha como parte de uma operação secreta.

O Africa Report, com sede em Paris, no entanto, citou ontem autoridades líbias anônimas que disseram que, em vez de ser enviado para a Alemanha sob controle dos Estados Unidos, o sistema Pantsir foi na verdade enviado para o Aeroporto Internacional Mitiga em Trípoli, onde foi apreendido pelas forças turcas.

Washington e Ancara então discutiram sobre quem deveria manter o sistema, que havia sido capturado intacto em vez de destruído pelos drones Bayraktar TB2 turcos, como muitas outras baterias Pantsir na Líbia. Embora os EUA tenham dito que deveriam extrair o sistema para não deixá-lo cair nas mãos de extremistas, a Turquia insistiu que deveria ficar com a custódia dele para estudá-lo em detalhes.

LEIA: Rússia e EUA querem cooperar no ‘processo de paz’ do Oriente Médio

Acredita-se que ambos os membros da OTAN tivessem o mesmo objetivo de estudar o sistema Pantsir russo e invadir sua tecnologia. No final, eles concordaram em estudar o sistema em conjunto, com os EUA usando seu avião de carga para entregá-lo à Turquia em junho passado, onde os dois lados poderiam trabalhar juntos, de acordo com as autoridades citadas pelo Africa Report.

Esse acordo foi um alívio para figuras importantes do governo líbio, como o primeiro-ministro, Fayez Al-Sarraj, e o ministro do Interior, Fathi Bashagha. Um oficial disse que “se sentiam como crianças em processo de divórcio” ao serem arrastados para a disputa.

No mês passado, um oficial russo disse que era inútil estudar o sistema, já que o Pantsir capturado era uma das muitas versões de exportação que não têm um banco de dados de identificação confidencial para ocultar códigos de transponder para todos os jatos da Força Aérea Russa.

A saga do sistema Pantsir capturado e do acordo Turquia-EUA é considerada parte do esforço para reparar as relações entre os parceiros da OTAN, que foram tensas nos últimos anos devido à compra de Ancara de uma defesa aérea russa S-400 sistema. Não há sinais, porém, de que as relações tenham melhorado desde o ano passado.

LEIA: Procurando por novas equações políticas na Turquia

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaLíbiaNotíciaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments