Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestinos contratam advocacia para processar Reino Unido por Declaração de Balfour

Os londrinos marcam 100 anos desde Balfour Declaração em um protesto para reconhecer a opressão contínua dos palestinos e pedindo desculpas do governo britânico, em Londres em 4 de novembro de 2017 [Jehan Alfarra / Monitor do Oriente Médio]
Os londrinos marcam 100 anos desde Balfour Declaração em um protesto para reconhecer a opressão contínua dos palestinos e pedindo desculpas do governo britânico, em Londres em 4 de novembro de 2017 [Jehan Alfarra / Monitor do Oriente Médio]

O chefe da Assembleia Nacional Independente Palestina, Munib Al-Masri, disse que um escritório de advocacia com sede em Londres foi contratado para processar o governo britânico pela Declaração de Balfour, que estabeleceu o apoio do Reino Unido a um lar nacional para o povo judeu na Palestina e as violações cometidas pela Grã-Bretanha durante seu mandato sobre a Palestina.

Al-Masri disse em um comunicado que a decisão emitida pelo Tribunal de Primeira Instância de Nablus que invalidou a declaração é o primeiro passo para processar o governo britânico no Reino Unido.

O caso foi originalmente movido por advogados palestinos em nome da Assembleia Nacional Independente, a Fundação Internacional para o Acompanhamento dos Direitos do Povo Palestino e a União de Jornalistas Palestinos, contra o Governo Britânico.

LEIA: Grupo sionista ‘orgulhoso’ lidera campanha para demitir professor do Reino Unido por criticar Israel

Na semana passada, o tribunal proferiu sua decisão sobre o caso que considerou a Grã-Bretanha legalmente responsável por violar normas peremptórias do direito internacional e sua violação das normas internacionais e exigiu que se desculpasse com o povo palestino.

Al-Masri disse que há planos de processar o governo britânico para forçá-lo a se desculpar com o povo palestino pelas calamidades que se abateram sobre ele como resultado da declaração.

Ele ressaltou que o governo britânico já havia pedido desculpas ao povo da Índia, Camboja e Mau Mau no Quênia e no Estado de Chipre pelos massacres que cometeu contra eles, acrescentando que o povo palestino não é inferior ao resto do mundo, e têm o direito de processar a Grã-Bretanha ou quem quer que lhes cause dano e os prive de seu direito à autodeterminação.

A Declaração de Balfour foi uma breve carta datada de 2 de novembro de 1917 por Lord Arthur Balfour, o secretário de Relações Exteriores britânico na época, dirigindo-se ao Barão Lionel Walter Rothschild, um par sionista britânico, expressando o apoio do governo britânico a uma pátria judaica na Palestina.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments