Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito prende testemunhas de estupro no Hotel Fairmont, mas pede informações

Hotel cinco-estrelas Fairmont Cidade do Nilo, cenário de um caso brutal de estupro coletivo, no Cairo, capital do Egito, em 30 de julho de 2020 [Samer Abdallah/AFP via Getty Images]
Hotel cinco-estrelas Fairmont Cidade do Nilo, cenário de um caso brutal de estupro coletivo, no Cairo, capital do Egito, em 30 de julho de 2020 [Samer Abdallah/AFP via Getty Images]

A Promotoria Pública do Egito exortou testemunhas que porventura tenham registros em vídeo do estupro coletivo cometido no célebre Hotel Fairmont que compartilhem as provas com a polícia, sob promessas de confidencialidade e proteção.

Em seguida, o gabinete anunciou ter recebido imagens de um vídeo do crime e prometeu justiça.

Contudo, o apelo incitou alertas, considerando que muitas testemunhas que se apresentaram previamente foram presas por autoridades e mantidas em custódia por quase cinco meses.

Em meados do último ano, nove homens foram acusados de drogar e estuprar uma mulher no luxuoso Fairmont Cidade do Nilo, em 2014. O grupo foi acusado de filmar o crime e então utilizar o registro para chantagear a vítima.

O caso de estupro atraiu grande atenção nas redes sociais, após alegações virem à público através de uma conta no Instagram, denominada Assault Police, sob apelos por novas informações sobre o incidente. Contudo, ameaças de morte levaram à derrubada da postagem.

O Conselho Nacional de Mulheres do Egito encorajou a vítima e testemunhas a denunciarem os agressores, ao prometer apoio e proteção, o que inicialmente levou autoridades egípcias a ordenarem a prisão de suspeitos.

LEIA: Quero voltar para minha cela, diz criança detida liberada no Egito

Entretanto, quatro testemunhas mulheres do estupro coletivo foram presas e submetidas a investigações arbitrárias por uso de drogas e “devassidão”, constrangidas por supostamente participar de uma orgia. Três delas permanecem em custódia há cinco meses.

Vídeos e fotos pessoais das testemunhas foram vazados online. A imprensa pró-regime do presidente e general Abdel Fattah el-Sisi difamou as mulheres ao ponto de acusá-las de filiação a uma suposta rede de homossexuais que propaga AIDS.

Em novembro, um jovem egípcio acompanhou uma testemunha do caso à delegacia e então foi preso por sua “orientação sexual”.

O Conselho Nacional de Mulheres pediu às ativistas que lutam por justiça para não comentar as prisões.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments