Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ghannouchi diz que a revolução tunisiana precisa de ajuda

Rached Ghannouchi, presidente do parlamento tunisino e chefe do Movimento Ennahda, fala durante um painel em Túnis, Tunísia, em 12 de janeiro de 2021. [Yassine Gaidi/Anadolu Agency]
Rached Ghannouchi, presidente do parlamento tunisino e chefe do Movimento Ennahda, fala durante um painel em Túnis, Tunísia, em 12 de janeiro de 2021. [Yassine Gaidi/Anadolu Agency]

O presidente do Parlamento e líder do movimento Ennahda disse que a Tunísia precisa da ajuda de seus parceiros internacionais. “Especialmente aqueles que acreditam na democracia, já que ela é incapaz de implementar todas as reformas por conta própria”, escreveu Rached Ghannouchi no USA Today. “A Tunísia”, acrescentou ele, “ainda é uma democracia em formação”.

Ghannouchi enfatizou que os distúrbios que eclodiram em algumas cidades nas últimas semanas enfatizaram a necessidade de novas ações. “Isto à luz da frustração do povo tunisino em relação ao lento progresso da reforma econômica desde a revolução, além do fato de que não foram criadas oportunidades de trabalho e não houve uma melhoria na qualidade de vida como o esperado”.

Ele destacou que a Tunísia fez história há dez anos, após a determinação de sua juventude em desencadear a revolução da liberdade e da dignidade. “Já entrou em uma difícil fase de transição do regime autoritário para a democracia e se tornou um farol de esperança para aqueles que acreditam na democracia árabe. Apesar desse progresso, estamos testemunhando o surgimento de movimentos que evocam nostalgia do antigo sistema e buscam para voltar ao passado autoritário de dominação de um governante, em vez do pluralismo e compromisso que caracteriza o sistema democrático.”

LEIA: Tunísia: Tunisair entrará em greve na sexta-feira

Explicando as razões desse fenômeno, o veterano político disse: “A primeira é a luta de grande parte do mundo, inclusive dos Estados Unidos, para combater o populismo, que tende a prosperar em tempos de crise e turbulência social e econômica. a narrativa populista é perigosa e se baseia na oposição de um grupo homogêneo de pessoas contra outras pessoas que são facilmente bodes expiatórias, sejam elas de elite ou de uma minoria”.

O presidente do Parlamento disse que a tensão no seu país foi desencadeada por um ataque às instituições democráticas, aos governantes eleitos e aos partidos políticos. Isso está atrapalhando seu trabalho e alimentando a ideia de que todos os complexos e profundos desafios sociais e econômicos podem ser resolvidos voltando ao governo de um líder mais eficiente e forte, ou entregando o país a “um bom ditador”. Ele sugeriu que todas as revoluções são consideradas como seguidas por movimentos e narrativas que são hostis ao espírito revolucionário e buscam impedir ou anular qualquer progresso que possa comprometer seus privilégios e interesses.

“Ao mesmo tempo”, confirmou Ghannouchi, “podemos nos orgulhar das notáveis ​​conquistas que a Tunísia alcançou nos últimos dez anos, após estabelecer novas instituições democráticas, resolver conflitos pacificamente, promover uma cultura de inclusão política e priorizar a proteção de direitos humanos, igualdade de gênero e estado de direito, bem como a definição de novos padrões para a responsabilidade e transparência do Estado”.

LEIA: Presidente da Tunísia acusa primeiro-ministro de violar a constituição

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísia
Show Comments
Show Comments