Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Frase ‘menos de um’ usada por Sisi sobre média ideal de filhos por família no Egito é uma surpresa

Outdoor eletrônico gigante no topo de uma ponte recentemente construída exibe o presidente Abdel Fattah al-Sisi ao lado de uma mensagem desejando viagens seguras aos motoristas que passam no distrito de Nasr City, capital do Egito, Cairo, em 15 de janeiro de 2021. [Amir Makar / AFP via Getty Images]
Outdoor eletrônico gigante no topo de uma ponte recentemente construída exibe o presidente Abdel Fattah al-Sisi ao lado de uma mensagem desejando viagens seguras aos motoristas que passam no distrito de Nasr City, capital do Egito, Cairo, em 15 de janeiro de 2021. [Amir Makar / AFP via Getty Images]

“Menos de um” foi a frase usada por Abdel Fattah Al-Sisi em um discurso ao vivo na semana passada, que gerou uma onda de críticas dentro e fora do Egito. Ter mais de dois filhos por família é um problema; “menos de um” é melhor.

Todos ficaram surpresos com isso, pois era chocante e ilógico para os egípcios. Estava claro que o presidente egípcio estava lidando com taxas demográficas e variáveis ​​populacionais com a mesma lógica que ele usa para ordenar estradas, pontes e infraestrutura que requerem implementação rápida, à qual o exército responde com aprovação.

Parece que Sisi e aqueles ao seu redor esqueceram o fato de que a situação demográfica tem determinantes diferentes e é governada por fatores humanos, emocionais e psicológicos. Eles parecem não perceber que o problema demográfico não é meramente estatístico, mas sim uma questão de três eixos básicos: a falta de crescimento econômico para acompanhar o aumento da população; o declínio dos recursos humanos; e o desequilíbrio na distribuição geográfica da população em todo o Egito.

A sociedade egípcia, por sua vez, parece ter esquecido o fato de Sisi ter usado essa frase para anunciar seu desejo de conter o aumento populacional no país, reduzindo o número médio de filhos por família para menos de um, em vez da taxa atual de 3,4 por família. Sisi comentava um gráfico apresentado pelo Ministro do Planejamento mostrando a taxa de natalidade em quatro países de 1960 a 2018, a saber: Egito, Irã, Coréia do Sul e Malásia.

Embora o desejo de Sisi seja mal considerado, a escolha desses três países para comparar com o Egito foi estranha. Embora tivessem taxas de natalidade semelhantes em 1960, variando de uma média de 6,1 a 6,9 filhos por mulher, cada um desses países tinha circunstâncias diferentes; os números hoje são muito diferentes, com o Egito com 3,4, o Irã e a Malásia dois e a Coreia do Sul com menos de um filho, em média, para cada mulher. Esse é o número que chamou a atenção de Sisi.

LEIA: Prisioneiros políticos como moeda de troca

Em dezembro do ano passado, o diretor do Grupo Banco Mundial na Malásia explicou que a demografia da Malásia enfrenta atualmente um declínio na taxa de natalidade e que, de acordo com os padrões internacionais, a Malásia se tornou uma sociedade idosa. Ele acrescentou que o envelhecimento rápido significa que os malaios têm que trabalhar mais, aumentando a idade de aposentadoria de 60 para 65 anos.

As estatísticas oficiais mostram que o número de nascimentos entre malaios de ascendência chinesa está diminuindo, o que é um indicador preocupante e tem consequências políticas e econômicas para o futuro do grupo étnico da Malásia. Em um relatório apresentado paralelamente a uma conferência internacional neste mês em Kuala Lumpur sobre a realidade e os desafios do envelhecimento, foi apontado que a alta taxa de envelhecimento da sociedade malaia representa um desafio para o governo em termos de prestação de cuidados para os idosos, monitorando suas necessidades e capacitando-os para cumprir seu papel na construção do Estado, aprimorando os mecanismos de desenvolvimento do capital humano.

O presidente egípcio Abdel Fattal el-Sisi (esq.) e sua esposa Entissar Amer (dir.) chegam para o jantar em 4 de setembro de 2017 em Xiamen, China. [Mikhail Svetlov / Getty Images]

O presidente egípcio Abdel Fattal el-Sisi (esq.) e sua esposa Entissar Amer (dir.) chegam para o jantar em 4 de setembro de 2017 em Xiamen, China. [Mikhail Svetlov / Getty Images]

Foi estranho para o ministro comparar a taxa de natalidade do Egito com a da Coreia do Sul, que sofre com o declínio populacional. Os jovens estão evitando o casamento e a gravidez por vários motivos, incluindo fatores culturais e econômicos. De acordo com um estudo do Instituto Coreano de Saúde e Assuntos Sociais, homens e mulheres solteiros citaram “condições econômicas” e “valores sociais e culturais associados ao casamento”, respectivamente, como o principal motivo para escolherem permanecer solteiros. Isso significa que o declínio da população da Coreia é um problema complexo, que inclui desaceleração econômica, um baixo número de oportunidades de emprego, encargos com o preço da habitação, creches insuficientes e assim por diante.

A consequência mais séria de tudo isso é que a redução da população em idade ativa representará um ônus significativo para a economia e a sociedade. Em 26 de fevereiro do ano passado, a Coreia do Sul anunciou que havia registrado um novo declínio na taxa de natalidade pelo segundo ano consecutivo. O país está sofrendo um desastre demográfico, pois tem uma das maiores taxas de expectativa de vida e uma das menores taxas de natalidade.

LEIA: Sisi propõe limite de dois filhos por família para poupar US$1 trilhão dos cofres públicos

Quanto ao Irã, em agosto do ano passado, o Financial Times (FT) publicou um a reportagem mostrando que o problema enfrentado por Teerã, com muitos jovens relutantes em se casar e a baixa taxa média de natalidade de 1,7 filhos por mulher. Segundo os iranianos, isso é menos do que 2,1 nascimentos por mulher necessários para garantir que a população permaneça estável.

Com relação à região do Oriente Médio e Norte da África como um todo, a taxa era de 2,8 nascimentos por mulher em 2018, o ano mais recente para o qual existem dados do Banco Mundial. O FT citou um professor de demografia da Universidade de Teerã dizendo que a urbanização, uma alta taxa de alfabetização e a expansão do ensino superior contribuíram para a disseminação do planejamento familiar no Irã, em comparação com outros países da região.

O Líder Supremo do Irã, Ali Khamenei, anunciou em julho passado – após dois meses de pesquisas do Conselho Supremo da Revolução Cultural sobre o crescimento populacional negativo do Irã – o fracasso da política de crescimento populacional do país. Ele acrescentou que essas questões precisam de uma lei e que a questão da reprodução deve ser considerada importante, pois ele teme o envelhecimento da população.

Assim que essas declarações foram feitas, vimos as plataformas da mídia começarem a promover apressadamente a importância do planejamento familiar como a única maneira de resolver os problemas do Egito. O Ministério de Dotações Religiosas até começou a fazer disso o tema do sermão de sexta-feira em todas as mesquitas, enquanto o silêncio usual prevalecia na Igreja Egípcia.

Em seu discurso, Sisi se referiu à ideia de uma legislação para limitar a fecundidade, e esse é um tema que já está em discussão. É possível que a Câmara dos Representantes trabalhe em leis a esse respeito e isso pode aumentar o desperdício de recursos humanos no Egito, que são um elemento eficaz de apoio à economia nacional. Este é um fato conhecido internacionalmente desde a Conferência Internacional sobre População no México em 1984, que o reconheceu.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe em Arabi21 em 21 de fevereiro de 2021

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoOpinião
Show Comments
Show Comments